Soberania – Capítulo 115 – 3Lobos

Soberania – Capítulo 115

A Ultima Detonação (2)

Anomaloria era um monstro mítico que vagava livremente pelos mundos dimensionais. A criatura tinha uma personalidade dócil, mas era muito difícil de ser domada para usar como quisesse. As asas batendo causavam uma tempestade dimensional, e por isso era difícil até mesmo de se aproximar de uma.

No entanto, surpreendentemente, Colladikus havia subido nela e acenado para Rainkar.

— Kukakakaka! Então a gente se vê mais tarde, Rainkar.

Com essas palavras, uma fumaça negra foi expelida das barbatanas da anomaloria.

*Pak!*

Então, como uma ilusão, a anomaloria desapareceu da vista de Rainkar.

Não pode ser… Ele conseguiu escapar.

Finalmente, o pirata que tinha ameaçado a Hwanmong da Terra partiu. No entanto, Rainkar não tinha conseguido derrotar Colladikus.

Se lembrando de algo, de repente ele voou para o lado. Era o local onde Lucan estava preso. Ele ficou surpreso ao ver as chamas se expandindo rapidamente na frente dele.

Inacreditável! Ainda não explodiu.

Muito tempo tinha se passado desde a explosão inicial.

O fato de que o evento não tinha se desenrolado completamente significava que alguém estava bloqueando a explosão.

— Lucan?

No entanto, era difícil de acreditar. Algo como isso era impossível, mesmo para Rainkar. Ele não poderia se aproximar de forma descuidada daquela área. Ele seria sugado e ficaria preso lá.

Ao contrário de Rainkar, que estava fora da barreira, Lucan estava olhando à frente, com uma expressão surpreendentemente calma.

*Vuruvuruvu vooosh*

A regente espiritual do fogo tinha uma expressão de amargura e resignação no rosto.

*Vururursh*

Seus braços estavam estendidos sobre a cabeça. Uma esfera negra gigantesca estava girando acima dela. Este era o poder da regente espiritual do fogo, Klater! Ela tentou continuamente explodir todo o seu poder espiritual.

No entanto, a explosão estava sendo contida devido a uma força desconhecida.

Claro, era Lucan.

Da mesma forma que ocorria quando se cortava um pavio aceso, o poder explosivo estava sendo ineficiente diante de Lucan. Ele estava bem ciente que a esfera em chamas iria acabar explodindo. Foi um movimento instintivo, que veio de seu desejo de não morrer assim. Um movimento que ia além dos seus limites. Lucan lutava para sobreviver, enquanto Klater lutava para morrer.

— Você realmente tem que morrer?

Lucan perguntou. Era ridículo dizer isso para o inimigo, mas ele ainda assim se viu fazendo aquela pergunta. A expressão de Klater ficou triste, e então ela olhou para Lucan. Ela estava com raiva dele por interferir em seu ato final, mas ela também o admirava.

— Você é valoroso, mas não será capaz de parar a minha destruição.

— Por que você não para por aqui? O que é que você ganha se destruíndo?

— Eu não sei. Acabo de receber uma ordem e tenho que executá-la.

Klater tentou se destruir novamente. No entanto, Lucan conteve a explosão novamente.

Ela riu amargamente.

— É inútil. Eu cheguei no meu limite. Logo, haverá uma explosão ainda maior.

Aquelas não eram apenas palavras vazias. Quando terminou de falar, a esfera preta no céu começou a se expandir ainda mais.

Isso vai explodir?

Ele morreria se isso acontecesse. Lucan ficou frustrado com essa situação. Ele chegou até esse nível só para morrer? Ele havia superado seus limites no Hall dos Guardiões e mais uma vez ultrapassou o limite hoje. Ele tinha entrado em um estado mais próximo da transcendência.

Isso tudo haveria sido em vão se ele morresse hoje.

Ele tinha passado por muita dificuldade para elevar seu nível.

Havia alguma outra opção?

A intensidade nos olhos de Lucan aumentou.

Eu não posso morrer aqui.

Ele concentrou sua força de vontade na sobrevivência. Klater reparou nos olhos determinados de Lucan e lamentou:

— Sinto muito, humano. Eu honestamente não quero matar por ele. Isso é sério.

Lucan achou aquilo ridículo.

— Se você está arrependida, pare.

— Na verdade, eu não posso parar. Se isso fosse possível, eu teria parado mais cedo. Por alguma razão, ele me deixou sair de sua Família.

— Quem?

— Colladikus. Antes, quando ele ainda era meu senhor, ele me deu uma última ordem. Esta ordem não foi cancelada mesmo quando ele me libertou. Tanto eu quanto você teremos que morrer aqui, então desista.

— Cale a boca! Eu nunca vou desistir. Eu não vou morrer.

Lucan rangeu os dentes.

*Vururururush*

A esfera se expandiu ainda mais. Se ela explodisse, provavelmente teria o poder de uma bomba nuclear. Claro, talvez fosse um exagero da parte dele, mas a situação era desesperadora. Ele sentiu uma sensação de impotência profunda diante da ideia de não sobreviver.

Então, Klater sorriu de leve.

— Suas asas! Parece haver algo familiar nelas. Eu sinto uma presença familiar. Teria sido bom se eu tivesse conhecido você antes.

— Cale a boca e impeça isso de alguma forma. Você vai morrer assim?

Lucan estava incomodado com a atitude de Klater sobre as asas naquela situação. Apesar das chamas, lágrimas escorreram dos olhos de Klater pela primeira vez.

Uma ilusão…

Era impossível ver lágrimas fluindo dos olhos de um ser tão bizarro. Qualquer lágrima real teria evaporado. No entanto, ele ainda viu claramente lágrimas quando ele olhou com atenção.

— Eu sou a regente espiritual do fogo, Klater. Humano, eu sinto muito por isso. Eu não vou pedir que me perdoe.

Com essas palavras, ela fechou os olhos. Isso porque era o último momento onde ela tinha algum controle, mas não conseguia mais parar a explosão.

*Brurururrurush*

Houve uma enorme explosão! Chamas se espalharam pela área ao redor deles rapidamente. Foi um calor infernal que derretia tudo. Lucan pensou que havia morrido. Que tipo de ser poderia sobreviver a uma explosão daquele porte, que literalmente destruiria o céu e a terra?

Porém, naquele momento, algo estranho aconteceu. De repente, a expansão da explosão de chamas começou a diminuir…

Ele não sabia como…

Houveram raios brilhantes que destruíram as chamas quando elas avançaram. A coisa ainda mais surpreendente foi que a luz brilhante estava vindo da espada dele! Era como o último movimento que ele viu no Hall dos Guardiões.

O homem de cabelos negros disse que ele só seria capaz de impedir ou de usar tal movimento se ele fosse um transcendente. Então, o que foi aquilo?

Havia algo estranho.

*Kwaah!*

A esfera negra ainda estava girando, e Klater estava com os olhos fechados.

O que? Foi apenas uma ilusão?

Se tivesse havido uma explosão, Klater não estaria viva. Era isso mesmo, a destruição trazida por aquela esfera não havia chegado. Lucan tinha visto brevemente uma ilusão da morte em sua consciência. No entanto, a ilusão não foi apenas uma ilusão. A esfera negra ficou cada vez menor e desapareceu.

— Ah… Eu não consigo acreditar. Como isso aconteceu?

Klater não conseguia entender a situação. Ela desfaleceu como um balão murcho. Seu poder espiritual estava esgotado e sua condição física estava fraca como uma pequena faísca, oscilando. Se o fogo apagasse, ela seria destruída e viraria pó.

Lucan pegou Klater.

Ela havia estado flutuando ligeiramente acima, então ele se moveu por reflexo para segurá-la quando ela caiu.

— Ei, você está bem?

Klater levantou os olhos sem qualquer força e olhou para Lucan.

— Humano, como você impediu a minha destruição?

— Vejamos… Eu não faço a menor ideia.

Lucan estava ainda mais confuso que ela nesta situação. A estranha ilusão de antes! A espada tinha se movido uma vez e teve a notável capacidade de destruir a esfera negra!

No entanto, não importava o quanto ele pensasse sobre isso, ele não conseguia se lembrar de como aconteceu. Ele não era um ser transcendente. Se ele realmente fosse transcendente, então ele seria capaz de demonstrar essa capacidade o tempo todo.

Como isso tinha acontecido?

Ele não tinha certeza de nada.

Klater riu ligeiramente. Ela parecia muito cansada.

— É uma coisa boa. Francamente, eu não queria morrer por ele.

Seu corpo era feito de fogo, mas ela não estava quente a ponto de ser insuportável. Sua temperatura corporal era apenas um pouco maior do que a de um ser humano normal.

— Nesta situação, quero lhe pedir um favor.

Klater olhou para Lucan com olhos ardentes.

— Por favor, posso entrar em suas asas?

De novo. Lucan ficou pasmo. Suas asas já estavam sendo usadas como lugar de descanso para Aquana, a regente espiritual da água. Agora, Klater, a regente espiritual do fogo, queria ir para as asas para repousar.

Por que elas são tão obcecadas com as minhas asas?

Lucan olhou para Klater.

— Ei, regente espiritual do fogo! Independentemente do motivo, você acha que você está em uma situação em que pode me pedir um favor?

Para ser honesto, ele não tinha uma razão para ajudar Klater. Se ele não tivesse presenciado um milagre dramático, ele teria morrido.

— Nem mesmo eu vejo sentido nisso. — Klater assentiu como se ela entendesse a reação de Lucan, e fechou os olhos. —  Então, faça o que quiser. Me mate ou me jogue fora, não cabe a mim decidir isso.

Lágrimas escorriam de seus olhos e sua expressão parecia patética.

— Vá para dentro e descanse.

Klater deu um sorriso deslumbrante com as palavras de Lucan, que acenou com a cabeça para ela. Então, ela entrou nas asas dele sem hesitação.

— Obrigado, humano.

Então, ela não disse mais nada. Ela parecia estar dormindo.

Como é que elas conseguem dormir nas asas?

As asas não eram uma cama, por isso era uma ideia absurda ter duas regentes espirituais dormindo dentro delas logo depois de entrarem. Era um peso lembrar que haviam duas regentes espirituais em suas asas. Ele se perguntou o que aconteceria quando elas acordassem.

Então, Lucan percebeu Rainkar olhando para ele com uma expressão de surpresa.

— E Colladikus?

— Infelizmente, ele escapou. Eu não sei como, mas ele tem um anomaloria.

— Anomaloria? O que é isso?

— Um ser misterioso que não é afetado pelo poder dimensional. Se você conseguisse domar um, seria fácil sair passeando pelos mundos dimensionais. É por isso que muitos piratas desejam elas.

Contudo, Rainkar não parecia significativamente sentido por ter perdido aquela chance. Ao invés disso, ele estava olhando para Lucan com uma expressão confusa.

— O que foi aquilo?

— O que você quer dizer?

— Como você se livrou da esfera?

— Não tenho certeza, — Lucan respondeu honestamente. Quando ele contou a Rainkar que pareceu ser uma ilusão, Rainkar ficou em silêncio por um momento antes de balançar a cabeça.

— Isso não foi uma ilusão. Eu vi com meus próprios olhos. O problema é que você não consegue usar isso livremente, ainda. — Então, ele falou com uma expressão de inveja: — Você já está além do meu nível, Lucan.

— Até parece. Ainda tenho um longo caminho a percorrer antes que eu possa te alcançar.

Rainkar riu e sacudiu a cabeça com as palavras de Lucan.

— Não seja humilde. Isto é o que a iluminação traz. Só porque alguém chegou lá primeiro, não significa que será sempre assim. — Ele olhou intensamente para Lucan. — Entretanto, isso não significa que você já é um transcendente. Não se esqueça que você não pode ficar nesse estado o tempo todo.

— Eu sei.

— Você e eu podemos ser diferentes, mas talvez você queira lutar contra um monte de inimigos fortes o suficiente para levá-lo à beira da morte.

— Lutar contra inimigos fortes?

— Eles têm que ser fortes o suficiente para conseguir matá-lo. Seria uma situação perigosa, mas se você corresse esse risco, você provavelmente seria capaz de superar a barreira e se tornar um transcendente.

— Obrigado pelo conselho.

— Merda! Eu nem cheguei lá ainda, mas eu dando conselhos para alguém chegar. — Rainkar botou a mão na testa e fez uma expressão frustrada.

Nesse momento…

[O Segundo Rei Demônio Colladikus foi derrotado e deixou a Hwanmong da Terra]

[Soberano Lucan! Você fez uma contribuição decisiva na derrota de Colladikus, junto com Rainkar]

[Você recebeu 100.000 pontos de merecimento da Lua Vermelha]

Ele ganhou um enorme montante de 100.000 pontos de merecimento. Em seguida, outra mensagem apareceu:

[A Lua Vermelha que brilha no céu acima da Hwanmong da Terra desapareceu]

A Lua Vermelha finalmente acabou.

Ele imediatamente voltou para a sede quando viu as mensagens de suas recompensas.

Vermillion
Domina Inglês e Português. Spymaster nas horas vagas.
FONTE
Cores: