PA – Capítulo 39 – 3Lobos

PA – Capítulo 39

Nem Essas Cartas Nem Essas Pessoas Aplacam Minhas Preocupações

 

 

A carta na mão dela era algo completamente novo, já que não tinha nenhum desenho tosco feito com giz de cera. Ao invés disso, a carta era totalmente preta e extremamente bonita.

Quando ela virou a carta, ela viu as seguintes palavras prateadas:

【Parabéns por evoluir! 1】

Introdução: Essa é uma carta que aparece a primeira vez que a sua habilidade aumenta de nível. Esta carta tem uma explicação detalhada da habilidade ativa da Sanji Lin. Desta forma, é importante que o tal humano mencionado nessa carta guarde seriamente e não perca essa carta para evitar que as informações críticas caia nas mãos de outra pessoa.

Habilidade Ativa: Mundo Planar

Contagem de aumento de níveis: 1

Previsão para o próximo aumento de nível: Algum momento desconhecido em um futuro bem distante.

Benefícios do aumento de nível: Ei, depois de evoluir, você pode agora transformar oito itens. E só para constar, os desenhos estão bem melhores. Além do mais, você finalmente consegue exercer mais controle sobre a sua própria carta! Mais importante ainda, agora você consegue invocar uma Carta Diário! Yay!

— Que porra é essa? Como é que o nome Mundo Planar foi escolhido? — Sanji murmurou consigo mesma. — Que merda é essa de Carta Diário?

Era como se carta preta pudesse ouvi-la, as palavras desaparecem e foram substituídas com um parágrafo diferente.

【Carta Diário】

Mesmo que o nome seja Carta Diário, isso não significa que você pode invocar a carta todo dia, beleza? E quanto a ocasião na qual você pode invocar a carta? Bem, tente diligentemente! A experiência é o verdadeiro caminho da vida!

— Se você não me dar nenhuma informação útil, eu vou te rasgar em pedaços!

As palavras mudaram imediatamente.

【Carta Diário】

Descrição: Depois que a carta for invocada, ela pode gravar tudo que acontece ao redor dela. O nível da habilidade do dono determina a quantidade de detalhes e a duração das informações gravadas.

Duração: Três horas. A gravação termina depois de três horas. As informações na carta precisam ser apagadas antes de gravar qualquer outra coisa nova.

Distância de Gravação: Qualquer coisa dentro de um raio de cinco metros mais ou menos, a partir de onde a carta for colocada.

Nota: Esta carta pode ser vista por qualquer um, não pode ser controlada remotamente e pode ser danificada. Esconda ela direitinho.

— Huh? Mesmo que não dê para usar isso em combate, parece bastante útil. — Isso despertou o interesse da Sanji, então ela colocou a carta de explicação do lado e estendeu a mão esquerda.

Ela ordenou baixinho:

— Carta Diário.

Não houve resposta.

— Carta Diário.

Mais uma vez, nada aconteceu.

— É realmente difícil invocar essa carta… — Sanji reclamou consigo mesma. Naquele momento, ela olhou para a carta explanatória sem querer. Ela percebeu que as palavras na carta já tinham mudado e ela não sabia quando isso aconteceu. Atualmente, estava escrito:

“Ao invocar a carta, por favor diga sinceramente as palavras: ‘Eu vou escrever no meu diário agora’. Qualquer carta que apareça quando chamam o nome dela não passa de um cachorrinho obediente.”

A cabeça da Sanji doía de raiva. Ela não conseguia se acostumar com isso, como as cartas que ela mesma criava tinham uma atitude tão ruim? Ela cerrou os dentes e ordenou baixinho:

— Eu vou escrever no meu diário agora!

Ela tinha se preparado para gritar isso como uma retardada, mas a palma da sua mão se mexeu ligeiramente. De repente, uma carta branca apareceu.

O tamanho da carta era o mesmo das demais cartas, mas essa tinha linhas como se fosse a página de um caderno. Ela pensou por um momento e tossiu duas vezes. Como ela estava esperando, uma linha apareceu de repente na carta: Sanji tossiu duas vezes.

— Interessante! — Ela sorriu, surpresa. Com outro pensamento, ela guardou a carta. Ela se deitou na cama se sentindo bastante satisfeita enquanto uma onda de sono a envolveu. Se ela tivesse ganhando essa habilidade ontem, ela não teria que ter se arriscado com o walkie-talkie…

Se ela funcionar em qualquer lugar que eu colocar, não seria a mesma coisa que uma câmera de vigilância?

Pensamentos obscuros passaram por sua mente.

Depois de ficar acordada com tormentos girando em sua mente durante toda a manhã, ela finalmente fechou os olhos e adormeceu na cama desconhecida. Ela não sabia por quanto tempo tinha dormido por causa do cansaço, mas acordou com o barulho cada vez mais alto de pessoas conversando, pessoas andando, e coisas sendo derrubadas. Ela abriu os olhos e descobriu que o subsolo estava iluminado.

Embora apenas algumas luzes fluorescentes tivessem sido ligadas, Sanji ficou espantada quando ela acordou. Depois de um mês sem ver energia elétrica, ela ficou emocionada. Era como se a civilização humana estivesse se recuperando aos poucos com aquela luz fluorescente fraca. Aparentemente, era hora de levantar. A maioria dos membros do subsolo um já tinham acordado, então o lugar confinado estava cheio de conversas e barulhos aleatórios. Ainda um pouco lerda por causa do sono, ela se sentou na cama e considerou se deveria procurar o Lutero e a Marcie.

— Ei! Você está acordada? — Dani levantou a cortina do cubículo da Sanji, mostrando seu rosto estoico. — Você deve arrumar suas coisas. É hora do jantar agora.

Quando ela ouviu isso, ela percebeu que estava com um pouco de fome. Sanji agradeceu e perguntou.

— Geralmente depois do jantar, o que todos fazem?

— Nossas tarefas, é claro. Cada um de nós tem suas próprias responsabilidades. Eu por exemplo, faço parte do grupo de manutenção das cisternas d’água.

— Tem uma cisterna aqui? — Sanji finalmente entendeu. Era por isso que eles conseguiam fazer arroz aqui! Parecia que a alta temperatura só causou a evaporação da água na superfície, mas a água ainda podia ser obtida dos lençóis subterrâneos. — Mas por que é necessário cuidar da cisterna?

— É bastante óbvio. Afinal, não é como no passado. Se a gente não fizer nada, até mesmo a água no solo secará rapidamente. Além do mais, depois de pegar a água da cisterna, ela tem que ser tratada, a temperatura tem que ser controlada, e nós temos que levar para a cantina. Tudo isso é parte do nosso trabalho. — Dani pensou por um momento e falou. — Hoje à noite, depois do jantar você vai ser designada para um trabalho. Ai ai. É difícil encontrar um vizinho, e você vai desaparecer dessa maneira.

Ela falava como se a Sanji já estivesse morta. Sanji rolou os olhos e nem se deu ao trabalho de responder. Ela estava prestes a fazer algumas perguntas sobre a professora Bai quando um assovio alto soou. De repente, todos começaram a se mover. Em pouco tempo, ela ouviu incontáveis passos passando pelo seu cubículo. Sem esperar pelas perguntas da Sanji, Dani a chamou.

— A cantina está aberta agora, vamos!

— Espera, e os meus amigos…

Sanji tinha acabado de sair do seu cubículo, ela não tinha nem terminado a sua pergunta, mas a muvuca faminta atrás dela já tinha empurrado ela para frente. Ela andou junto com a multidão involuntariamente e viu a Dani bem à frente dela, presa na multidão da mesma maneira. Dani se virou e gritou algo, mas Sanji não conseguiu ouvir o que ela estava tentando falar.

Apesar de ser mais forte que a maioria das pessoas na muvuca, era impossível empurrar todo mundo na frente dela… Sanji fez uma careta enquanto era empurrada para dentro do salão principal do prédio. Só depois que ela tinha chegado no espaço aberto do lado de fora do prédio ela conseguiu se desvencilhar da multidão e parar por um momento. Ela olhou ao redor e descobriu que o Oásis era completamente diferente durante a noite.

Havia um grande holofote no telhado de cada um dos edifícios. Esses holofotes iluminavam todo o complexo da fábrica. Ela podia ouvir os ruídos de um gerador que ela não conseguia localizar. A cantina de três andares ao longe estava iluminada, e o barulho da multidão enchia o ar.

Vendo as luzes e a multidão, sentindo o cheiro da comida, Sanji sentia como se estivesse sonhando acordada. Por um momento, ela se esqueceu que ainda estava no Inferno Hipertermal.

— Ji! — Ela ouviu a voz familiar na distância, alguém estava dando o seu melhor para chamar ela. Sanji se virou e viu a Marcie. Marcie parecia ansiosa enquanto ela tentava caminhar através da multidão em direção a Sanji, acenando furiosamente com os braços.

— Por quê você está sozinha? — Ela respondeu rapidamente, atraindo olhares das pessoas ao redor dela. — Onde está o Lutero? — Ela perguntou.

Marcie suspirou e respondeu:

— Quando nós estávamos saindo do prédio, a habilidade do Lutero evoluiu de repente! Eu não tenho força suficiente para carregar ele, mas então eu te vi. Me ajude! Rápido!

Berjkley
Analista de Sistemas, Game Developer, Mestre de RPG. Gosta de Doctor Who, Não gosta de Vampiros Purpurinados.
FONTE
Cores: