PA – Capítulo 3 – 3Lobos

PA – Capítulo 3

Carta de Algo, que tipo de besteira é essa?

 

 

Ren fincou seus dentes na carne macia de Sanji. O cheiro de ferrugem encheu o ar enquanto o queixo dele era tingido de vermelho com o sangue dela. Ele só precisava morder um pouco mais e a frágil vida de Sanji desapareceria para sempre deste mundo.

Porém, Ren não conseguia se mover. Não era que ele não queria comer essa excelente progênie, ele simplesmente não podia se mover. Naquele momento, havia uma faca de cozinha enfiada na parte de trás da cabeça de Ren. A lâmina estava completamente enterrada em sua cabeça, com apenas o cabo visível.

Ainda havia uma onda de empolgação nos olhos de Ren — mesmo enquanto ele morria, ele não conseguia entender a situação. Sanji estava desarmada um segundo atrás, movendo os braços de forma inútil no ar. — Como eu posso morrer desta forma?

Por um momento, Sanji só ouvia as batidas do seu coração.

*Ba-dump* *Ba-dump*

O coração dela batia forte enquanto ela estava presa debaixo do pesado cadáver. Ignorando a dor aguda em seu pescoço, ela usou toda a sua força e finalmente empurrou Ren para longe. O cadáver rolou de cima dela e caiu com o rosto para cima, com isso, a faca na cabeça do Ren foi empurrada ainda mais para dentro. A lâmina perfurou o crânio, aparecendo na enorme boca aberta.

Sanji pressionou o ferimento em seu pescoço com força. Uma de suas mãos já estava coberta de sangue. Ela respirou ofegante e rapidamente antes de chutar violentamente o corpo no chão. Ela amaldiçoou com uma voz rouca:

— Quem foi que falou que eu evoluí e ganhei apenas duas habilidades? — Ela tinha murmurado apenas algumas palavras, mas a dor no pescoço era insuportável.

A vista de Sanji escureceu poucos segundos depois de chutar o cadáver. A tontura pela perda de sangue a atingiu mais rápido do que tinha esperado — ela quase caiu. Todo o resto não tinha nenhuma importância no momento. O mais importante era cuidar do ferimento. Ela tateou ao redor procurando por uma toalha. Quando finalmente achou uma, enrolou no pescoço, aplicando pressão sobre a ferida. Ofegante, ela se sentou no chão e continuou a pressionar a toalha contra a ferida com toda a força que conseguia juntar.

Continuou desta forma, meio delirando por algum tempo, até que o sangramento finalmente parou. Parecia que ainda não era a hora de morrer. Afinal de contas, a mordida não acertou nenhuma das artérias. Depois de descansar por um tempo, ela conseguiu juntar força para levantar e pegar um pouco de água.

Depois de beber a água, ela reparou no corpo bizarro de Ren, ainda estendido silenciosamente no chão.

Depois de um momento de consideração, Sanji arrastou o seu corpo enfraquecido e parou ao lado do cadáver. Tremendo, ela pôs uma das mãos no corpo e sussurrou roucamente:

— Armazene isto.

Assim que ela terminou de falar, uma luz branca brilhou rapidamente na palma de sua mão. O cadáver, com uma faca saindo da boca, desapareceu com um som “pa”, e uma carta do tamanho de uma carta de poker caiu no chão.

Sanji tateou no escuro até encontrar o celular e usou a luz do flash para iluminar a carta. Como ela já esperava, havia um simples desenho de giz de cera de um homem com a boca aberta e uma faca afiada saindo da sua cabeça. Havia também um filete de letras escrito em branco logo abaixo: Cadáver do Ren Nan.

Cadáver do Ren Nan

Nome: Não consegue ler o nome da carta?

Espécie: Humano.

Status: Morto.

Valor de potencial de crescimento: 204.

Suspeito do Assassinato: Sanji Lin.

Habilidades passivas: Adaptação à temperatura extrema; Aumento de força; Modificação do corpo: Aumento de força.

Habilidades ativas: Bom para mim, você e todo mundo; Nutricionista.

— O que diabos é isso? —  Sanji olhou para a carta, sem palavras por um momento. O estranho item foi produzido pela sua terceira habilidade. Nesta noite, essa habilidade salvou sua vida.

Sanji era capaz de transformar itens que ela tocasse em cartas e armazenar eles em seu corpo com apenas um pensamento. Se ela quisesse usar o item novamente, bastava pensar na carta com intenção de transformar novamente em um item, e a carta se transformaria nas mãos de Sanji, de volta à sua forma original.

Antes, ela tinha jogado a faca em Ren apenas para baixar sua guarda e enganar ele. Ela o matou colocando sua mão atrás da cabeça dele enquanto ela resistia a mordida em seu pescoço. Com um pensamento rápido, a carta Faca do Chefe que ela tinha escondido naquela manhã retornou à sua forma original e perfurou o crânio de Ren.

Sanji descobriu, depois de experimentar por dias, que só podia usar estas transformações quatro vezes por dia.

Embora ela já tinha se acostumado com as cartas que ela criava, essa era a primeira vez que uma carta tinha um conteúdo tão… rico. Ela virou a carta rapidamente e, de fato, do outro lado estava cheio de pequenas palavras:

Ren Nan: Masculino, 28 anos. Veio de outro Novo Mundo. Sempre foi tímido desde criança e nunca foi popular com as garotas. Chegou até a receber uma confissão de amor de um colega mais velho, que estudava na mesma escola. Quando o Novo Mundo chegou, ele lutou para sobreviver… bem, já dá pra entender né? De qualquer forma, depois de ter chegado ao mundo da suspeita pelo homicídio, Sanji, ele comeu um multi-milionário que tinha o potencial de crescimento 2. Ren passou a controlar a fortuna do falecido e se aproximou da suspeita do assassinato com segundas intenções. Quando ele estava prestes a consumir Sanji, ele foi assassinado.

— Já é ruim o suficiente que você não conte o que realmente importa, até chegou a me rotular de ‘suspeita do assassinato’? — Sentindo-se deprimida, Sanji passou o dedo pelo parágrafo. As palavras desapareceram e o próximo parágrafo apareceu na superfície da carta.

【Bom para mim, você e todo mundo】: Você pode detectar uma pessoa com alto valor de crescimento potencial em uma grande população simplesmente usando sua percepção. Através de um contato íntimo (beijos, abraços, etc.), essa habilidade é capaz de ativar o potencial do humano normal, acelerando a evolução e permitindo que essa pessoa obtenha habilidades mais rapidamente. Isto é o que é chamado de “bom pra todo mundo”.

【Nutricionista】: Depois de terminar de consumir uma pessoa, você pode herdar o valor de potencial de crescimento, as habilidades desenvolvidas e a constituição do corpo da sua refeição. Uma dieta equilibrada e nutritiva garantirá um futuro melhor.

Nota: A faca em seu cérebro foi fabricada na Alemanha. É afiada, leve e robusta. US$ 599. Comprada no Shopping Jingxi.

Se não fosse pela habilidade Sentidos Aguçados, era capaz dela acreditar que isso era apenas um sonho. Sanji amaldiçoou silenciosamente enquanto segurava o Cadáver do Ren, sem saber o que fazer. Ela não queria armazenar um cadáver em seu corpo. Depois de pensar por um momento, ela simplesmente deslizou a carta para dentro do bolso da calça.

A carta do Ren tinha explicado claramente suas habilidades. Ela considerou se sua própria carta teria suas habilidades e explicaria mais sobre o chamado Novo Mundo. Mas, mesmo que ela quisesse fazer isso, não poderia se transformar em uma carta. Com um pensamento rápido, arrancou um fio de cabelo e disse calmamente:

— Armazene isso!

Com um brilho branco, outra carta apareceu em sua mão.

【Cabelo】

Proprietário: Sanji

Condição: preto, saudável e um pouco seco nas extremidades

Função: é irritante quando gruda na vassoura.

Nota: De acordo com a condição das raízes, o proprietário pode começar a ficar careca por volta dos quarenta anos.

Que infernos. É totalmente inútil. — Frustrada, Sanji jogou as mãos para o alto. Um brilho branco, e o cabelo desapareceu na escuridão. — Este é um Novo Mundo de alta temperatura? Esse pensamento a distraiu por um momento.

A 56°C … já era quase insuportável para ela, que tinha evoluído e ganhado a habilidade de resistência ao calor. Ela se perguntou como seria para uma pessoa normal.

Tremendo, ela pulou do sofá subitamente. Mei! Como ela tinha se esquecido da sua amiga? Só de pensar que podia estar em perigo, Sanji ignorou o fato de que ainda estava machucada. Pegou uma mochila e correu para a cozinha. Enfiou na mochila todas as bebidas enlatadas e engarrafadas que conseguiu encontrar. Depois de vestir uma roupa mais confortável, ela procurou as chaves para a saída de emergência e correu escada abaixo, mesmo na escuridão.

Se sentiu sem fôlego depois de chegar ao térreo — afinal, eram 38 andares. Limpou o suor na testa, bebeu um bocado de água e continuou em direção ao estacionamento.

O carro de Ren, ou melhor, o carro que pertencia ao homem que Ren tinha comido, estava estacionado no estacionamento 1. O apartamento de Mei ficava a vinte minutos de distância de carro, não tinha a menor chance que Sanji escolheria andar em um clima tão quente.

Ao entrar no estacionamento, Sanji se surpreendeu com a onda de calor que a atingiu. Ela olhou ao redor e desligou a luz de flash do telefone, seu rosto sem expressão.

Não precisava de luz aqui.

No momento, todos os carros estavam com os faróis e motores ligados. O ronco dos motores dominava todo o lugar, já que a acústica do estacionamento aumentava o barulho pelo menos uma dez vezes. Centenas de escapamentos estavam soltando ar quente, e o estacionamento, semi-selado, havia se transformado em um forno que era pelo menos 3°C ou 4ºC mais quente que o clima lá fora.

Todos os moradores do condomínio que podiam estavam no estacionamento. Por causa da falta de energia em toda a cidade, pessoas que não conseguiam suportar a alta temperatura naturalmente se esconderam em seus próprios carros onde ainda podiam usar o ar condicionado.

Depois de andar só alguns metros nesse ambiente sufocante, Sanji já podia sentir a roupa em suas costas completamente encharcada de suor. Ao passar pelos carros, ela viu desespero no rosto dos estranhos por trás da janela dos carros. Alguns tentavam incessantemente fazer ligações, outros choravam incontrolavelmente enquanto abraçavam seus filhos, alguns já tinham desmaiado, talvez porque já estavam desidratados quando chegaram ao estacionamento. Tinha até algumas pessoas espantadas enquanto olhavam para ela, aparentemente incapazes de entender como ela ainda tinha forças para andar.

Apesar do ar fresco dentro de seus carros, o rosto de muitos mostrava desespero. O ar condicionado podia no máximo, prolongar o tempo que restava. Assim que acabasse a gasolina ou energia, com a terrível temperatura do lado de fora do carro, as chances de qualquer um dentro do estacionamento sobreviver eram bem baixas.

Sanji sabia que não tinha nada que ela pudesse fazer para ajudar as pessoas nos carros. Ela tinha apenas cinco garrafas de água mineral, três latas de coca-cola e alguns band-aids. Com a quantidade atual de água, ela não sabia por quanto tempo sobreviveria. Cerrando os dentes, suprimiu a empatia e concentrou-se em procurar o familiar Audi. Quando encontrou, ela correu para dentro do carro, como se estivesse fugindo.

Depois de pensar por um momento, decidiu não ligar o ar-condicionado, e simplesmente abriu a janelas do carro. De toda forma, ela não morreria devido ao calor. No máximo, era só desconfortável. Por isso decidiu economizar a preciosa gasolina para se Mei precisasse. Sanji limpou o suor de seu rosto, segurou o volante e lentamente guiou o carro para fora do estacionamento.

A temperatura do lado de fora, 56°C, fez Sanji se sentir um pouco melhor, quando comparado ao forno a vapor que era o estacionamento. As ruas estavam vazias. Quase não haviam carros na estrada — provavelmente porque a maioria das pessoas estava tentando economizar gasolina.

Os carros parados no acostamento eram uma cópia dos carros no estacionamento. Motores ligados e pessoas dentro com o rosto coberto de desespero e medo, enquanto saboreavam o restinho de ar fresco dentro de seus carros.

Quando Sanji se desviou de um Mazda vermelho, subitamente uma sombra escura voou em direção a ela pela esquerda. Com um grave “Bang!”, a sombra atingiu a porta do audi violentamente.

Berjkley
Analista de Sistemas, Game Developer, Mestre de RPG. Gosta de Doctor Who, Não gosta de Vampiros Purpurinados.
FONTE
Cores: