PA – Capítulo 14 – 3Lobos

PA – Capítulo 14

Saqueando o Cadáver

 

 

— Então, o que foi isso com a Yun agora pouco? — perguntou Sanji, cheia de suspeitas. Seus passos leves seguiram sua voz enquanto eles subiam as escadas. — Quando eu ofereci a ela algo para beber, por que a expressão dela mudou?

— Vai saber? — Lutero olhou para os ingredientes que ele estava carregando. — Talvez ela tenha guardado um monte de água em casa, e estava com medo da gente roubar a água caso descobríssemos.

Essa possibilidade não era impossível. Sanji tentou se lembrar se ela já tinha visto Yun antes, mas ela realmente não tinha nenhuma lembrança dela. Ela ficou em silêncio por alguns segundos, ouvindo seus passos suaves ecoando na escada.

— De qualquer forma, é bom ter cuidado quando formos visitar ela mais tarde, — concluiu Marcie.

Eles continuaram a conversa e viraram na escada. Finalmente, eles viram o grande número 38.

— Chegamos. — Sanji parou na saída da escada. Ela inspirou levemente e abriu a porta destrancada. Ela deu um passo para dentro do apartamento.

A porta da escada de emergência era ao lado do quarto da babá que se abria para um corredor que levava à sala de estar. Quando entraram na sala de estar, Lutero escaneou a sala e foi o primeiro a exclamar:

— Ji, com o que você trabalhava no passado? Este apartamento é enorme! Ah, você ainda tem um elevador privativo na sua sala de estar!

Sanji olhou em volta na sala de estar. Ainda era a mesma. O requintado e refinado piso de parquet estava coberto de vidro quebrado, o sofá estava torto e o chão estava todo bagunçado. Mesmo a faca que ela usou para atacar o Ren ainda estava caída no mesmo lugar. Aparentemente, ninguém tinha vindo ali depois que ela saiu.

— Esta não é a minha casa, — ela respondeu friamente e chutou um copo quebrado para um lado. — Ren me enganou aqui. Essa casa não é dele também. Ele comeu o proprietário original, mudou para cá e tomou conta da casa.

Quando ela mencionou isso, ela ficou surpresa ao perceber o quão calma estava. Lutero se jogou no sofá enquanto ouvia as explicações da Sanji que entrava no quarto. Ele imediatamente afundou naquele sofá espaçoso e macio. Ele deu um suspiro de satisfação.

— Opa… Esse sofá é realmente confortável. É muito melhor do que as toalhas no supermercado… por que não dormimos aqui essa noite?

Marcie riu do comentário do Lutero.

Sanji sorriu ligeiramente quando ouviu a conversa lá fora. Ela pegou as calças do pijama na cama e enfiou a mão no bolso. Como esperado, ela encontrou a carta 【Cadáver do Ren Nan】.

Olhando para o desenho de giz de cera na carta, e estando naquele quarto assustadoramente familiar, ela não pôde deixar de lembrar daquele rosto branco como a neve que ela via todas as noites — ela estremeceu por um momento e rapidamente pegou a carta.

Se ela balancasse um pouco, sal provavelmente cairia das suas roupas. Ela já deveria ter trocado elas há muito tempo. Sanji não conseguia imaginar o quanto ela tinha suado durante o dia. Quando vestiu um novo conjunto de roupas, sentiu-se sem palavras. Ela pegou duas malas de sacoleiro e encheu elas com roupas e sapatos que podiam ser usados para se exercitar.

Depois de encher as malas, ela saiu do quarto e viu que as duas pessoas estavam na cozinha. O pacote de arroz estava aberto, mas Lutero estava tentando impedir Marcie de cozinhar:

— Marcie, foi difícil para nós trazermos a água e arroz aqui em cima… Não, eu não estou falando que sua comida tem um gosto ruim. É que, bom, ensopado é um prato simples demais para você cozinhar. Não é digno de toda a sua experiência culinária…

Sanji riu suavemente. O fraco sentimento de frieza em seu coração se dissipou.

Ao ouvir a voz dela, Lutero disse rapidamente:

— Oh, a Ji está aqui. Melhor a gente lidar com o cadáver antes de falar sobre comida. Certo?

O rosto de Marcie escureceu. “Peng!”  Ela soltou a panela e caminhou para a sala de estar.

— Ela cozinha muito mal. —  Lutero aproveitou a oportunidade e gesticulou atrás das costas dela. Ele falou para a Sanji sem produzir nenhum som: — Não deixe ela cozinhar! Por favor!

Sanji virou para o lado, incapaz de segurar a risada. Ela limpou a garganta e perguntou:

— Devo colocá-lo aqui?

Os dois outros assentiram.

Depois de um flash de luz branca, uma figura negra caiu da palma da mão da Sanji. Com um som “bam”, caiu pesadamente no chão.

Os olhos cheios de êxtase, aquela boca grande que dividia as duas bochechas e a ponta vermelha da faca que saía daquela boca… Quando viu aquele cadáver mais uma vez depois de um dia ter passado, Sanji não pôde evitar sentir um tremor em seu coração — ela desviou o olhar. Quase imediatamente, ela se forçou a olhar para o cadáver novamente e deu o seu melhor para permanecer firme.

— Puxa vida! —Lutero respirou fundo: — Ei, como você consegue falar que ele é bonito? Os padrões de beleza do seu mundo são realmente diferentes…

Antes que ele pudesse terminar de falar, Marcie deu um tapa nele. A segunda metade de sua frase foi assim tapeada de volta para a sua boca.

Sanji ficou com preguiça de explicar. Sem saber se sorria ou chorava, colocou a mão na ponta da faca. Depois do incidente com a Sisi, ela descobriu algo. Sua habilidade permitia que ela transformasse até quatro itens por dia mas não era limitada a apenas quatro usos por dia. Ainda não era meia noite, e já que a faca do chef podia ser considerada uma arma, ela a armazenou. Ela manteve o pensamento em sua mente, uma luz branca brilhou brevemente, e a faca desapareceu em suas mãos.

O cadáver parecia consideravelmente melhor sem a arma do crime.

— Eu já olhei na cozinha, ele não tem nenhum tipo de mochila ou mala… Eu vivi aqui por alguns meses, mas nunca o vi levando uma mochila com ele. — Sanji pôs uma expressão de coragem no rosto e sentou-se no chão. Pelo canto do olho, ela ainda conseguia ver aquela boca grande e rasgada.

— Isso é algo que você não sabe, — Lutero lambeu os lábios e sorriu. — Deixa dar uma aula!

Depois de falar isso, inesperadamente ele estendeu a mão para desabotoar o colarinho da camisa que o cadáver estava vestindo.

— Nos Novos Mundos, às vezes podemos obter, ao acaso, alguns itens especiais que são um pouco mais valiosos… E, não, não me mostre essa faca de cozinha. Não é algo valioso mesmo que você tenha usado ela para matar alguém.

As mãos de Lutero rapidamente apalparam o pescoço e o peito do cadáver, com seus olhos brilhando em antecipação, ele simplesmente parecia um… pervertido.

— Se você conseguir arrumar alguns itens bons, você deve se lembrar disso: nunca ande de forma descuidada com os itens na sua bolsa… Se você encontrar alguém inescrupuloso, eles podem roubar seu item. Mas o pior de tudo, eles podem tramar para matar você por causa dos seus itens.

Lutero não parou de falar, e suas mãos também continuaram. Rapidamente, ele começou a procurar ao redor dos ouvidos do Ren. Em seguida, seguindo seus dedos brancos, o olhar de Sanji parou em um par de brincos de obsidiana. Ela riu e disse:

— Isso não é um tesouro…

Ela tinha começado a falar, mas Lutero já havia retirado o escuro brinco de obsidiana da orelha esquerda de Ren. Antes que Sanji pudesse reagir, houve um súbito brilho de prata. “Plim!” O brinco caiu no chão. No entanto, o brilho prateado continuou nas mãos de Lutero, iluminando metade da sala de estar.

— O que é isso? — Atordoada, Sanji aproximou o rosto das mãos dele. Só então ela percebeu que ele estava segurando uma garrafa transparente. Dentro havia um pouco de fluido prateado brilhante que se movia continuamente.

Lutero apertou os olhos por causa do brilho e leu as palavras:

Agente Aprimorador de Habilidade..PS: Isto não é adequado para usuários em níveis básicos de evolução…

Olhando para os rostos confusos de Marcie e Lutero, ela podia adivinhar que eles nunca tinham ouvido falar desse agente de aprimoramento antes. Apesar disso, eles podiam ter uma idéia geral de para que ele servia baseado no nome.

Provavelmente tem algo a ver com melhorar ou reforçar a habilidade de alguém, — pensou Sanji enquanto examinava a linda e brilhante garrafa prateada.

Mesmo que o item não fosse ruim, os três não podiam realmente ser considerados como combatentes. Além disso, eles não tinham evoluído tanto — embora Lutero nunca fosse admitir isso — como resultado, eles realmente não deram muita importância para o item, eles simplesmente o colocaram de lado.

— Que estranho… esse brinco foi um presente meu para ele. Como algo desse tipo podia estar escondido dentro dele? — Intrigada, Sanji perguntou para Marcie, enquanto ainda observava Lutero, que continuava sua procura.

— Todos os itens especiais têm uma propriedade muito única. Eles podem ser reduzidos à sua forma molecular e então integrados a outro item. Claro, um objeto só pode conter um desses itens especiais. Quando você quer usa-los, eles podem ser retirados em sua forma molecular e depois reconstruídos de volta à sua forma original. Assim, por proteção, todos geralmente carregam seus itens mais valiosos com eles onde quer que eles estejam indo.

Sanji ficou abestalhada quando ouviu isso, virou a cabeça e olhou para Lutero.

Lutero agora estava segurando o relógio Patek Philippe que Ren usava onde quer que ele fosse. Como um Pós-Humano, ele encontrou seu alvo rapidamente depois de tocar algumas vezes no vidro do relógio. Quase instantaneamente, uma sombra negra deslizou para fora do relógio. “Pa!” caiu no chão e rapidamente se transformou na forma de uma carteira.

Sanji abriu a boca em choque enquanto pegava a carteira. Ela cuidadosamente abriu a carteira com uma emoção próxima à reverência.

A carteira não era grande, cabia na palma da mão. Ao contrário de uma carteira normal, não havia um compartimento para dinheiro. Ao invés de chamá-lo de uma carteira, era mais correto chamar isso de porta-cartão. Depois de vasculhar o porta-cartão completamente, ela encontrou apenas um único pedaço de papel e nada mais.

Usando o Agente de Aprimoramento de Habilidade como fonte de luz, Sanji desdobrou o papel.

Sem discutir, os três se reuniram e olharam para ele.

Nos primeiros dez segundos em que colocaram os olhos nele, os três não conseguiram reagir. Eles olharam por mais alguns segundos antes de Sanji engasgar de repente. Ela não conseguia acreditar, e ela olhou para os outros sem expressão. Consequentemente, ela não conseguiu não olhar para as palavras no papel mais uma vez.

Isso mesmo, não é um engano…

Marcie e Lutero também perceberam o que o pedaço de papel era. A voz de Marcie estremeceu um pouco:

— Se eu não estou errado, isso é… — de repente, uma “batida” na direção da porta de emergência a interrompeu.

Berjkley
Analista de Sistemas, Game Developer, Mestre de RPG. Gosta de Doctor Who, Não gosta de Vampiros Purpurinados.
FONTE
Cores: