LAB – Capítulo 88 – 3Lobos

LAB – Capítulo 88

Crepúsculo do Inverno (Parte 2)

— Não seja tão precipitada, ainda não é a hora de agir. — Roland disse. Ele só podia suspirar ao olhar para Raio, que estava voando ansiosamente.

Somente os céus sabiam o porquê ela estava tão ansiosa para lutar contra as bestas demoníacas. É óbvio que ela não é do tipo que gosta de uma luta. Mas, em comparação com as pessoas comuns, essa menina não demonstrava o menor medo.

— Basta seguir o mesmo padrão que usamos com a última, não tentar ser corajosa, você é apenas a isca para que a espécie híbrida concentre sua atenção em você. Fique sempre em alerta máximo! Mesmo que esse híbrido não possa voar, quando salta, ainda é uma ameaça muito séria!

— Sim, sim, eu já sei disso tudo. — Raio falou com uma voz cheia de confiança — Não é minha primeira luta com algo assim. Pode ter certeza que eu já conheço meu limite. Desta vez, ele não vai encostar sequer um dedo nas minhas roupas.

Durante a conversa, a espécie híbrida chegou ainda mais perto da muralha. Já havia atravessado as barreiras e saltou na direção da área não protegida, tentando escalar a muralha. Contudo, desta vez, os membros da milícia ignoraram a espécie híbrida. Eles apenas continuavam defendendo seu próprio setor, sempre esperando a próxima ordem do comandante.

— Então, vamos dar início à operação especial de caça à espécie híbrida! — Roland gritou.

Ao ouvir isso, Raio, que já estava voando, parou por um momento e olhou para Roland.

— O que foi?

— Essa frase … — Raio pensou na frase que Roland disse mais uma vez, então balançou a cabeça — É um pouco estranha. Bem, esquece, eu vou indo.

Ao ver a pequena figura voar rapidamente, Roland virou-se para Anna e Rouxinol e perguntou meio sem graça:

— Vocês também acharam um pouco estranho?

— Bem … — Ambas assentiram com a cabeça.

Tudo bem … parece que essa frase soa um pouco estranha neste mundo …

— Vocês também podem ir, mas tomem cuidado!

— Vossa Alteza também, tome cuidado! — Rouxinol curvou-se para Roland, então pegou a mão de Anna e a puxou para seu mundo de névoa.

Roland colocou os braços para trás das costas, corpo reto, de pé, contra o vento, tentando imitar como um Chefe de Operações Especiais se pareceria[1]. Ele sabia que muitos soldados, quando tinham tempo para recuperar o fôlego, olhariam secretamente para ele. Por causa disto, mesmo que seus pés já estivessem entorpecidos, ele ficava estoicamente no ponto mais alto da muralha, claramente visível para todos, demonstrando que o Príncipe estava sempre do lado deles. Como ele não podia se misturar aos soldados e combater diretamente as bestas demoníacas, ele serviria para inspirá-los.

Desta vez, a intensidade dos ataques das bestas demoníacas ultrapassou todos os ataques anteriores. Segundo Machado de Ferro, durante os Meses dos Demônios do ano passado, sempre apareceria uma ou duas espécies híbridas. Mas este ano, Vila Fronteiriça já enfrentou quatro ataques deste tipo de besta. A duração desses ataques também era excepcionalmente longa, mesmo agora, dúzias ou até mesmo centenas de bestas emergiram da floresta, sempre caminhando na direção da muralha da vila.

Felizmente, a produção de pistolas de pederneira aumentou no último mês, e agora sou capaz de enviar uma equipe de cem soldados armados com pistolas. Sem eles, eu nunca teria conseguido garantir a alta velocidade de extermínio das bestas demoníacas. Se tivéssemos usando arcos, receio que defender a muralha teria sido muito mais difícil. Bem, a longo prazo, a vantagem das armas de fogo, que precisavam de menos esforço físico, se tornará ainda mais evidente.

Claro, o grande consumo de pólvora era suficiente para dar a Roland uma dor de cabeça. Ele já havia encomendado mais de vinte pacotes de explosivos do armazém, o que provocou um grande rombo em suas reservas. Por isso, ele estava até mesmo pensando em racionar a pólvora.

No mesmo momento, Raio já estava voando próxima à cabeça da espécie híbrida. Ela tirou uma pedra do bolso e jogou na cabeça da besta. A pedra atingiu com precisão a cabeça do alvo. A besta demoníaca ficou surpreendida e deu um belo de um salto para trás, mas, acabou descobrindo que o ataque veio realmente do céu.

Para provocar a espécie híbrida mais ainda, Raio sempre voava em baixa altitude e diretamente em frente à sua cabeça, lentamente atraindo-a para o centro da vila. Embora as espécies híbridas certamente tivessem a capacidade de pensar, elas não sentiam nenhuma ameaça vindo dessa menininha voadora. Então, a espécie híbrida se irritou, abriu suas asas e, com alguns saltos, ela rapidamente atravessou cem metros. Ao perceber que a espécie híbrida estava se preparando para mais um salto, Raio imediatamente voou um pouco mais alto e se virou, sempre mantendo algumas casas e uma rua entre ela e a besta demoníaca.

Desta forma, após umas sete ou oito vezes, ela finalmente conseguiu atrair a espécie híbrida para o centro da vila, que era o local da emboscada em que Rouxinol e ela combinaram anteriormente. Como um antigo leão, seu olfato era, naturalmente, muito sensível, e poderia até mesmo descobrir Rouxinol, mesmo quando ela estava em seu mundo de névoa. Por causa desse problema, elas tiveram que tirar a atenção da besta demoníaca, antes que Rouxinol e Anna pudessem começar seu ataque surpresa.

Para esse tipo de trabalho, Raio era perfeitamente adequada. Ela conseguiu enfurecer as espécies híbridas de tal maneira, que elas pulavam loucamente com a boca aberta, tentando morder aquela mosca irritante. Mas Raio, que não tinha que carregar peso, sempre estava a uma pequena distância, e sempre voando para cima e para baixo de forma provocativa, fazendo com que cada salto não desse resultado.

Ao mesmo tempo e de outra direção, Rouxinol também chegou à praça da vila, que estava no centro da vila. Em comparação com Raio, Rouxinol, em seu mundo de névoa, podia ignorar todas as casas e muros, sempre se movendo em linha reta, em direção ao seu objetivo. Como a chama de Anna só conseguia cobrir até dez passos, cerca de cinco metros, ela precisava se aproximar da espécie híbrida, então, ela se aproximou pela retaguarda, na esperança de não ser descoberta.

Quando elas precisaram enfrentar as espécies híbridas pela primeira vez, esta parte foi muito incômoda. No entanto, agora já era sua segunda investida contra esse tipo de espécies híbridas e Rouxinol já havia se familiarizado com o ataque de Anna. Logo, quando elas ainda estavam a trinta metros de distância da besta, ela elevou a velocidade até o limite, cobrindo a distância em um instante, como se fosse em apenas um único passo. Quando Anna conseguiu ver novamente, descobriu que a cauda da espécie híbrida já estava diretamente na frente de seu rosto.

— Agora! — Rouxinol gritou.

Ao redor de Anna, o mundo preto e branco trocava de cor como uma onda. Em um piscar de olhos, ela voltou para a vila familiar. Liberando diretamente sua chama verde da ponta do dedo e expandindo-a para uma grande gaiola de fogo, Anna cobriu toda a besta demoníaca.

Diante dessa chama, Rouxinol teve que se retirar apressadamente, pois somente a onda de calor desse ataque era o suficiente para fazer Rouxinol sentir-se como se estivesse queimando.

Presa pela gaiola de fogo que conseguia até mesmo derreter o aço, a espécie híbrida não teve nem tempo para lutar, transformando-se instantaneamente em uma bola de chamas e caindo no chão.

— Parece que elas já foram capazes de resolver o problema. — Wendy informou quando descobriu a chama verde à distância. Na ausência de Rouxinol, ela era a responsável pela proteção de Roland — Parece que nem vou precisar agir …

— Se fosse possível, eu gostaria que pudesse ficar assim. — Roland respondeu, ainda mantendo sua posição ereta, fingindo que estava andando tranquilamente.

Dito isso, ele ainda sabia que, sem a ajuda das bruxas que defendiam a vila, as espécies híbridas e seus saltos trariam o caos por toda a milícia. Mas hoje, mesmo Nana teve que vir até à muralha, para tratar rapidamente dos soldados feridos. Seu pai estava sempre ao seu lado, protegendo-a. Hoje foi a primeira vez que Roland divulgou o poder das bruxas na frente de todos os milicianos, e ficou muito satisfeito. Dentro das fileiras da milícia, o amor por seu anjo, Nana, subiu no mais alto patamar no coração dos soldados, mas quando Anna e Rouxinol mataram as espécies híbridas, a multidão também começou a torcer alto.

Claro, Roland sabia claramente que nem todo mundo pensava assim, pois uma situação como a da milícia era muito rara. Mesmo que as bruxas tivessem sido aceitas pela milícia, elas ainda precisavam ser aceitas por toda a vila, e Roland iria se esforçar para que isso acontecesse.

De repente, o som dos disparos começou a diminuir, e Roland percebeu que as bestas demoníacas começaram a se afastar da muralha.

Elas estão recuando?

Ele não podia acreditar no que estava vendo. Neste exato momento, um feixe de luz atravessou as nuvens grossas, cobrindo o chão, seguido por um segundo, depois um terceiro … logo, dezenas de milhares de raios solares atravessaram os buracos dentro das nuvens. Então, todos os feixes de luz se fundiram em um, tornando-se tão deslumbrante que ninguém conseguia encarar diretamente tal cena fantástica. A terra, de repente, se iluminou.

— O dia em que o sol nascer de novo é o fim de todo o mal.

Houve um pequeno momento de silêncio na muralha, mas então, uma onda de gritos e urros de alegria varreu a muralha, em direção à Vila Fronteiriça. Gradualmente, as pessoas da vila saíram de suas casas e também começaram a gritar de alegria. Todos estavam comemorando o sol, comemorando a sobrevivência após o inverno, ou mesmo com gritos de agradecimento ao Príncipe. No final, todos os gritos se fundiram em um grande coro, ressoando em toda Vila Fronteiriça!


 

 

[1] A ideia aqui é que Roland estava tentando passar a imagem de BOSS, do Chefão da po@#$ toda!

JZanin
Professor de Química, mestre e jogador de RPG sem tempo.
FONTE
Cores: