LAB – Capítulo 73 – 3Lobos

LAB – Capítulo 73

Teste de artilharia

No oeste de Vila Fronteiriça, perto do Rio Vermelho, a neve não permitia que a carroça se movesse um passo adiante. Todo o grupo de pessoas já havia passado meio dia arrastando a carroça para o campo de artilharia.

— O que é isso? — Carter perguntou, pois já havia se acostumado um pouco ao fato de que o Príncipe parecia sempre vir com novas invenções — Isso não é apenas uma … como é mesmo … arma de fogo … maior?

— Você está quase certo. — Roland confirmou.

Roland ordenou aos seus homens para remover a tampa para que ele pudesse ajustar pessoalmente o ângulo do canhão. Ele ajustou seu ângulo paralelo ao nível do solo, apontando para uma pilha de neve.

Os princípios dos canhões e das pistolas de pederneira eram idênticos, por isso, dizer que um canhão era uma arma de fogo maior não era de todo errado. O canhão utilizado para o teste era capaz de disparar projéteis de ferro, em forma de uma bola, de aproximadamente 5,5 kg. Antes que eles pudessem disparar, a câmara[1] precisava ser carregada com pólvora e o projétil de ferro. Como referência para o carrinho do canhão, Roland tirou os antigos desenhos dos canhões vistos nos livros de história. Mas, para melhorar sua durabilidade, Roland havia dito aos carpinteiros que substituíssem muitas partes, geralmente construídas a partir de madeira, com as suas contrapartes de ferro.

Para fabricar o carrinho do canhão, Roland passou quase tanto tempo quanto o próprio canhão. Três carpinteiros habilidosos precisavam de uma semana inteira para terminá-lo. A parte especialmente demorada eram as rodas que tinham o diâmetro de aproximadamente a metade de um ser humano.

Primeiro, os carpinteiros precisavam fabricar quatro barras quadradas de igual comprimento. Essas barras eram, então, aquecidas no fogo até que pudessem ser curvadas. Depois, os carpinteiros usavam uma lâmina para aparar os excessos. Finalmente, um revestimento exterior de ferro era aplicado às rodas. Este processo demorava mais de quatro dias.

Então, aos olhos de Roland, esse canhão feito à mão assumiu um lugar muito especial em seu coração, mesmo sendo limitado. De fato, Roland tinha até mesmo feito preparativos especiais, enquanto terminava os últimos ajustes.

O cavaleiro-chefe, Carter, e o comandante da milícia, Machado de Ferro, estavam ambos ao seu lado, como sempre. Além disso, juntamente com sua guarda pessoal, havia vinte membros da milícia, agindo como vigias e sapadores[2]. Quanto às bruxas, Roland tinha Rouxinol e Raio ao seu lado. Graças a Nana, o preconceito contra as bruxas foi significativamente reduzido. Aos olhos da milícia, excluindo o Príncipe, a pessoa mais importante em Vila Fronteiriça era a senhorita Nana.

— De acordo com o procedimento padrão, a primeira coisa que devemos fazer é limpar a alma[3] do canhão.

Mesmo que Roland soubesse como desenhar um projeto e fabricar um canhão, pôr esse canhão em prática ainda era algo completamente novo para ele. Em sua mente, ele se lembrou de vários tipos de canhões que ele viu nos filmes, tentando descobrir a forma certa de disparar, mas somente os céus saberiam a forma eficaz.

Raio, de bom humor, pegou uma lanada[4] e começou a limpar o canhão. O contrato de Raio era um pouco diferente das outras bruxas, logo ela começou a limpar a alma e a boca do canhão. Desde que fosse permitido operar pessoalmente todas as novas invenções de Roland, ela sempre estaria disposta a ajudá-lo na melhor forma possível, mesmo sem qualquer outro pagamento ou remuneração.

Como Roland precisava economizar dinheiro, ele rapidamente aceitou seus termos. No entanto, se ele tivesse algum projeto secreto, ele ainda poderia estudá-lo secretamente. Dentro de sua mente, ainda havia muitas ideias que ele não pôs em prática, e estavam apenas esperando para serem implementadas. Por enquanto, ele só deveria disponibilizar uma ou outra peça para distraí-la.

Limpando com a lanada, Raio conseguiu tirar muita sujeira, mas, conforme as normas estabelecidas por Roland, ela ainda precisava limpar mais uma vez. Ela então pegou outra lanada e começou a fazer tudo de novo até terminar de limpar todo o canhão.

— Todos viram isso? — Roland perguntou para todos os presentes de sua guarda e da milícia.

O teste de artilharia também era um exercício militar. Se ele fosse capaz de aumentar a taxa de produção das pistolas de pederneira, a milícia deveria se transformar em uma infantaria, trocando o pique pelas armas de fogo. Mas mesmo assim, eles precisariam passar por muitas sessões de treinamento antes de serem suficientemente bons para usar ambos os tipos de armas de fogo, ou seja, a pistola de pederneira e o canhão.

Quando viu que todos assentiram, ele disse a Raio para que continuasse.

A menina primeiro abriu um saco e tirou um cartucho pequeno de papel cheio de pólvora, em seguida, colocou o cartucho na boca do canhão e começou a empurrar com um taco[5]. Ela então pegou o projétil de ferro e usou o taco novamente para empurrá-lo pela boca do canhão. Depois disso, ela puxou o pavio da culatra do canhão, amarrou em um ilhó e depois colocou o ilhó em uma caixa de ignição. Somente após todos estes preparativos é que o canhão estava pronto para ser disparado.

Para evitar acidentes, todos tiveram que ficar a quinze metros do canhão. Raio, que estava próxima da caixa de ignição, viu as primeiras faíscas, mas num piscar de olhos, as faíscas já haviam chegado no canhão.

Então todos ouviram um barulho alto da explosão. O ar foi pulverizado para fora da boca do canhão com tanta velocidade, que até mesmo a neve que estava no chão levantou.

O alcance efetivo teórico de um canhão de 5,5 kg era de até um quilômetro.

Mesmo sem raias[6], o projétil ainda voaria em linha reta.

Todo mundo pôde ouvir o som quando o projétil de ferro atingiu a armadura que estava colocada a 100 m de distância. A velocidade do projétil de ferro não foi tão reduzida, e cada vez que atingia o chão, o projétil voltaria a subir novamente, explodindo ainda mais neve.

Depois que a fumaça foi dissipada, Roland, junto com Carter e Machado de Ferro, foram todos diretamente para inspecionar o alvo. Quando eles chegaram perto da armadura, eles notaram que a parte da frente da armadura já estava em contato com a parte de trás, praticamente foram prensadas, e que havia um buraco de tamanho de um palmo no centro. Obviamente, a velocidade do projétil ainda não tinha sido reduzida a zero, já que ainda havia voado 100 m além disso. Mesmo depois de ter caído no chão, continuou a rolar, mostrando a incrível quantidade de poder que o projétil ainda carregava.

— Que poder de perfuração assustador! — Carter suspirou.

Ele já podia imaginar o que aconteceria quando o inimigo estivesse em grupos. Sendo atingido por vários projéteis de canhão, o terror se instauraria em todo o campo de batalha.

— Santa trindade! — Machado de Ferro começou a orar.

Segundo ele, Roland tinha que ser o mensageiro da Mãe Terra. Exceto por um mensageiro de Deus, quem mais poderia trazer um poder tão assustador para o mundo? Ele já havia estudado a química da pólvora. Ela era feita de produtos químicos comuns que só precisavam ser cuidadosamente preparados. A chama era a encarnação da raiva da Mãe Terra, bem como sua arma mais poderosa. Pelo menos, esses eram os pensamentos das pessoas no sul. Sempre que eles vissem a chama laranja-avermelhada sem fim produzida por erupções vulcânicas, eles sempre começavam a orar.

O resultado do teste foi semelhante ao que Roland esperava de um canhão clássico de 5,5 kg. O canhão teve seu auge durante a Guerra Civil dos EUA e na época de Napoleão.

Depois de verificar os resultados do primeiro teste, ele carregou o canhão com diferentes quantidades de pólvora para testar seus níveis de potência. Embora ele soubesse que isso poderia causar danos ao canhão, ainda era necessário fazer os testes.

Mesmo depois de disparar com três quantidades diferentes de pólvora, o canhão ainda não mostrou nenhum sinal de deformação. Aparentemente, a qualidade do aço usado para fazer o canhão era excelente. Por fim, Roland decidiu que a quantidade de pólvora que eles usariam seria 1,2 vezes a quantidade utilizada durante os testes. Depois, ele usou os testes para selecionar um soldado de artilharia.

— Vossa Alteza, esta arma é realmente muito poderosa, mas é pesada demais. Se encontrarmos um buraco, não iremos conseguir avançar. — Carter, que foi imediatamente capaz de ver os problemas com a nova arma, e criticou — E depois de cada tiro, o tubo precisa ser limpo com uma lanada úmida, para só então ser recarregado. Levando em consideração a pólvora, as bolas de canhão e o próprio canhão, tenho medo de que você precise de cinco a seis pessoas para operar um canhão sozinho.

— É isso mesmo, mas tudo isso valerá a pena! Contanto que possamos usar dois a três canhões, Duque … não, quero dizer, as bestas demoníacas, como aquela tartaruga gigante, não poderão mais atravessar a muralha.

Roland tossiu, pois essa passou perto. Quanto às desvantagens de um canhão de 5,5 kg, ele pretendia resolvê-lo por meio do transporte. Com a ajuda do motor a vapor, ele poderia converter um navio tradicional em um navio a vapor. Mesmo que fosse o mais primitivo dos barcos a remo, ainda teria um sistema mecânico complexo e volumoso.

Então, ao invés de mudar o navio, ele comprou um veleiro de duas velas. Com a ajuda de Wendy, ele poderia até mesmo enviar os canhões atrás das tropas do Duque. Com isso, ele poderia atacar os inimigos de ambos os lados e ser capaz de aniquilar as forças do Duque facilmente e eficientemente.


 

 

[1] É uma pequena parte do canhão que serve para colocar a pólvora. Fica na culatra.

[2] Sapadores são aqueles soldados, como no nosso caso que são os membros da milícia, responsáveis por trabalhos mais braçais dentro da engenharia militar.

[3] Alma do canhão é a parte de dentro do tubo, ou a parte cilíndrica interior do canhão, onde direciona o projétil.

[4] Lanada é o nome daquela haste com a ponta com lã de carneiro para limpeza dos tubos de peças de artilharia em geral.

[5] Taco aqui representa uma peça de madeira que é utilizada para carregar um canhão, ou outras bocas de fogo, pela boca.

[6] Raias são ranhuras ou estrias na alma do canhão, feitas para direcionar melhor o projétil ou mesmo para fazê-lo girar em seu próprio eixo.

JZanin
Professor de Química, mestre e jogador de RPG sem tempo.
FONTE
Cores: