LAB – Capítulo 59 – 3Lobos

LAB – Capítulo 59

Exploradora

— Mentora! — Quando viram que Kara havia caído, todas as bruxas ao redor dela começaram a entrar em pânico.

— Idiotas. Ahh … — Kara tentou cobrir a ferida com a mão. Ela não conseguia mais sentir a parte inferior do corpo — Rápido! Matem aquelas traidoras por mim!

No entanto, enquanto Kara ainda falava, Rouxinol já estava carregando Wendy e já havia desaparecido, entrando no seu mundo de névoa.

Quando chegou na encruzilhada na trilha, Rouxinol percebeu que Wendy tinha caído inconsciente e seu braço tinha ficado preto, com o veneno se espalhando pelo seu corpo. Neste momento, Rouxinol não podia hesitar um segundo sequer. Ela cerrou os dentes, arrancou a manga ao redor do braço ferido de Wendy e então usou o pedaço de pano para amarrar o braço dela tão forte quanto podia. Então, Rouxinol puxou uma adaga da sola da bota e abriu uma ferida em Wendy.

Menos de quinze minutos depois, ela cortou o braço de Wendy. Enquanto o braço não fosse amputado, Nana seria capaz de curá-la. Quando ela fez tudo o que podia fazer, Rouxinol tirou duas tiras e amarrou Wendy em suas costas. Se Rouxinol pudesse levar Wendy viva até Vila Fronteiriça, Nana seria capaz de curá-la completamente.

Mas mantê-la viva por tanto tempo … isso seria possível?

Ela sozinha já demorou três dias para chegar até o esconderijo, mas agora, enquanto carregava uma pessoa, ela naturalmente precisaria de mais tempo. Se ela fosse mais rápido e acidentalmente escorregasse pela trilha, ela não tinha certeza se seria capaz de subir de novo.

O braço de Wendy ainda estava perdendo sangue. Ela nunca duraria três ou quatro dias, mas Rouxinol não tinha outra escolha. Ela jamais deixaria Wendy para trás, afinal, ela ficou ferida por causa dela.

— Você precisa de ajuda? — De repente, Rouxinol ouviu uma voz do nada.

Rouxinol ficou assustada e quase simultaneamente abriu seu próprio mundo de névoa, assumindo uma posição defensiva.

No entanto, não havia ninguém em sua frente.

— Você não precisa ficar nervosa, eu não vim lutar.

Quando Rouxinol olhou para cima, ela realmente podia ver uma pessoa voando no ar. Então, ela perguntou, confusa:

— Quem é você?

— Meu nome é Raio, acabei de me juntar à Associação Cooperativa das Bruxas. Como estou sempre longe, é normal que você não me conheça. — Ela tentou sorrir gentilmente — No entanto, eu conheço você, a famosa Rouxinol, a Assassina Sombria.

— Kara enviou você?

— Não, não, não me entenda mal — Raio lentamente pousou, colocando seus pés no chão —, eu quero ir com você.

Rouxinol não podia acreditar no que ouviu, então ela perguntou:

— O quê?

— Você disse, ah, que devemos ter o direito de escolher livremente o nosso próprio modo de vida. — Raio fez uma pausa por um segundo e depois continuou — Então eu escolho ir com você, simples assim.

— Mas o que …

Rouxinol já estava completamente decepcionada com a reação de suas irmãs. Mesmo Wendy não tinha acreditado completamente nela, mas agora essa garota na frente dela … ela ainda era uma criança, com cerca de 14 ou 15 anos de idade, como Nana. Ela tinha cabelo loiro curto, todo escovado e arrumadinho, um rosto cheio de energia e uma confiança na fala que não combinavam com sua idade. Além disso, ela não usava o uniforme habitual da Associação Cooperativa das Bruxas. Em vez disso, ela usava um conjunto de calças compridas adaptadas às suas preferências pessoais, com muitos bolsos e remendos. O mesmo se aplicava à sua jaqueta de couro vintage. A última parte de sua roupa era um cinto de aspecto grosseiro que estava preso ao redor de sua cintura, que só Deus sabia onde ela havia arranjado. À primeira vista, isso parecia uma roupa de homem.

— Você disse que existe uma máquina que sopra uma fumaça branca e preta, e que você também pode juntar pedras com um pó cinza e até mesmo tem um pó que é capaz de dividir montanhas com um som estrondoso. Eu quero ver tudo isso! — Raio falava cheio de entusiasmo — Eu estou determinada a me tornar uma exploradora que, é claro, só viaja para lugares interessantes.

Que tipo de razão era essa … Rouxinol ficou tão assustada que não conseguia falar nada, mas, mesmo assim, ela ainda podia sentir que Raio não estava mentindo.

— Eu não entendo … se você quer ser mesmo uma aventureira, por que você deixaria a Associação Cooperativa das Bruxas e se juntaria a mim?

— Não é aventureira, eu quero ser uma exploradora! — Raio enfatizou — Eu não sou do tipo que só pensa em dinheiro, que diz que está assumindo um risco, mas na verdade está fazendo o trabalho sujo dos outros. Exploradores só agem se houver interesse! Você está perguntando por que eu não quero estar com a Associação Cooperativa das Bruxas … — Raio explicou com confiança —, quem está procurando a Montanha Sagrada, que deveria ser o sonho de todos os exploradores? Kara não sabe nada sobre o espírito de aventura, está completamente imersa no livro antigo, apenas olhando ao longo da estrada para as características descritas naquele livro. Ela está caminhando pela Montanha, apenas procurando por dois pilares antigos que brotam do chão. Se ela continuar assim, ela nunca vai encontrar a verdadeira montanha sagrada. Meu pai sempre enfatizou que mesmo se você tiver apenas a imagem de um belo cavalo, você deve procurar por ele e gravar fielmente tudo o que você encontrar pela frente! É assim que um explorador deve agir.

Embora Rouxinol adoraria saber que tipo de pai ensina essas ideias e cria uma filha absolutamente estranha, agora não era o momento certo para conversar. Afinal, a vida de Wendy estava em risco. Já que ela não ofereceria perigo algum, uma ajudante a mais seria mais que bem-vinda.

No fim das contas, Rouxinol só perguntou:

— Sua habilidade é voar?

— Uhum … é sim. — Raio assentiu e disse com orgulho — Eu posso até levar vocês duas e voar para longe, assim como o vento.

— Então eu preciso da sua ajuda. — Rouxinol se assegurou de que Wendy estava firmemente atada às suas costas e depois segurou nos ombros de Raio, abraçando ela ao redor de seu peito, em seguida.

— Ah … muito pesado. — Raio cerrou os dentes e lentamente subiu — Acho que … provavelmente, não seremos tão rápidas quanto o vento.

Assim, elas iniciaram essa estranha forma de viajar. Quando Raio ficava exausta, ela seria carregada por Rouxinol, que levava todas pelo mundo de névoa. Quando Raio se recuperava fisicamente, Rouxinol subiria nas costas dela, para que ela pudesse novar novamente.

Quando ambas estavam exaustas e precisavam descansar, Rouxinol aproveitava o tempo para fazer algumas perguntas básicas. Por exemplo, quem era seu pai ou a situação de sua família.

Raio disse que seu pai era o maior explorador do mundo e que ele mesmo viajou pelo oceano. Ele tinha uma frota de navios no oceano e era carinhosamente chamado de Trovão por sua equipe. No entanto, ela havia perdido a mãe quando ainda era muito jovem, então não tinha muitas lembranças dela. Enquanto estava em uma viagem marítima, seu navio encalhou e acabou entrando em uma tempestade. Raio teve sorte e foi parar em uma ilha, levada pelas correntes marítimas, mas acabou perdendo todo o contato com seu pai. Na ilha, Raio usou os conhecimentos e habilidades que seu pai lhe ensinou para sobreviver, quase passando dois meses sozinha naquela ilha antes de Despertar durante o inverno.

Com sua nova habilidade, ela voou para o oeste através do canal ao sul de Castelo Cinza. Depois de passar por diversos contratempos, ela se juntou à Associação Cooperativa das Bruxas no final. Ela sentia que, enquanto ela continuasse a ser uma exploradora, um dia ela poderia dar de cara com um milagre e ver seu pai novamente, conquanto que ele ainda estivesse vivo.

Rouxinol não conseguiu muita informação útil desse diálogo. Sua habilidade só poderia ser usada para distinguir se o outro lado estivesse mentindo, mas não conseguiu determinar a autenticidade do conteúdo falado. Em outras palavras, se a outra pessoa dissesse que o sol nasce quadrado e acreditasse nisso, sua habilidade ainda iria mostrar que essa pessoa estava falando a verdade.

No entanto, na verdade, havia algumas informações que poderiam ser inferidas. Por exemplo, ela deve ter nascido em uma família rica. As famílias que estavam lutando com a pobreza não teriam tempo para explorar. O fato de seu pai ter uma frota marítima também era consistente com esse julgamento. Portanto, a verdadeira identidade de Trovão era talvez um rico homem de negócios que atravessava o oceano. Raio tinha cabelos loiros, ao contrário dos descendentes dos Reinos do continente, mais parecida com as pessoas de Fiordes.

Wendy tinha acordado várias vezes. Quando isso acontecia, Rouxinol sempre tentava fazer Wendy beber um pouco d’água, mas assim que ela bebia um pouco, ela desmaiava novamente. Rouxinol podia sentir que a temperatura corporal de Wendy estava cada vez mais baixa. Isso fez Rouxinol ficar cada vez mais ansiosa.

As duas não tinham outra alternativa senão se apressar, e o caminho normalmente de três dias levou um dia e meio. Na entrada, os cavalos que o Príncipe tinha deixado para elas ainda estavam amarrados, e ainda tinha metade da palha deixada para eles comerem.

Rouxinol subiu em um cavalo enquanto carregava Wendy e galopou o mais rápido que pôde, seguida de Raio, voando sem parar em direção a Vila Fronteiriça.


JZanin
Professor de Química, mestre e jogador de RPG sem tempo.
FONTE
Cores: