LAB – Capítulo 154 – 3Lobos

LAB – Capítulo 154

Alquimia (Parte 2)

Quando Kyle Sichi voltou para casa, já estava escuro lá fora. Depois que ele jantou com sua família, ele voltou para sua sala de estudo e registrou a fórmula e as matérias-primas para fabricação de cristal no livro que ele estava escrevendo: A Porta para a Alquimia. Neste livro, ele começou a registrar sua biografia a partir do dia em que se tornou um aprendiz até o dia em que se tornou um alquimista-chefe. Além disso, ele também incluiu as fórmulas alquímicas que descobriam ao longo dos anos no Oficina Alquímica da Cidade Escarlate.

Kyle acreditava que, com este livro, ele ganharia um lugar na história. Milhares de anos depois, os alquimistas ainda lembrariam seu nome.

Só depois que a vela tinha queimado completamente, Kyle finalmente colocou a caneta e se preparou para ir dormir. De repente, ele se lembrou da carta do Príncipe. Olhando para a vela que em breve iria apagar, ele decidiu usar a última luz para ler a carta visando dar uma resposta clara ao mensageiro no dia seguinte. A pequena vela não lhe permitiria escrever mais do que algumas dúzias de palavras, mas era mais do que suficiente para ler esta carta inútil.

Ele abriu o envelope e viu que continha três páginas. A primeira página era uma introdução formal usual cheia de títulos e territórios. Kyle nem sequer se importou em ler essa parte e simplesmente foi direto para a segunda página.

O conteúdo da segunda página o surpreendeu, e não havia oferta de emprego ou sequer uma denúncia. Em vez disso, havia cinco fórmulas estranhas escritas nele. Depois de examiná-las cuidadosamente, ele notou que cada fórmula era composta das mesmas três frases.

Oh, isso é interessante. — Kyle sorriu, embora ainda não soubesse qual era o propósito da carta. O Príncipe era muito bom em mistificar.

Ele olhou pela primeira linha.

— A destilação seca de salitre produz ácido nítrico.

Salitre… destilação seca… ácido nítrico, todos esses eram termos usados ​​na alquimia.

Espere um pouco — O coração de Kyle de repente parou —, este não é um dos métodos de produção de ácido de pedra-dupla da oficina alquímica?

O líquido ácido produzido pela destilação seca[1] do salitre deveria ser coletado em um recipiente especial. Parecia apenas vapor de água, então era difícil de reconhecer. Contudo, era muito corrosivo. Além corroer a pele, este ácido também podia dissolver metais específicos.

Esta… é realmente uma fórmula alquímica? Isso significa que existe um alquimista em Vila Fronteiriça? — Kyle rapidamente começou a ler a próxima linha.

A primeira frase já o surpreendeu, mas a segunda frase era ainda mais incrível. Consistia de um monte de símbolos esquisitos, um após o outro, formando uma equação. Kyle franziu a testa, pois nunca tinha visto símbolos tão estranhos.

Olhando mais para baixo na carta, parecia que a terceira frase era a explicação para as duas anteriores. Esta linha incluía os nomes e significados para cada um dos símbolos. No entanto, essas palavras eram tão difíceis de pronunciar que quase pareciam inventadas. Para vincular as palavras aos símbolos, Kyle leu algumas vezes. Mesmo assim, ele ainda estava tendo problemas para entender o significado completo de toda a frase.

Neste ponto, a chama da vela bruxuleou algumas vezes antes de apagar.

Droga! — Kyle amaldiçoou silenciosamente e, sem hesitar, tirou uma vela nova da gaveta e acendeu.

Quando a segunda vela tinha queimado a meio caminho, as mãos do alquimista-chefe tremiam levemente. Para uma carta que parecia não significar nada, demorou muito para ler.

As cinco fórmulas na segunda página eram, na verdade, fórmulas alquímicas!

Não era impossível de se imaginar que um excelente alquimista conseguisse criar cinco fórmulas por conta própria, mas a parte surpreendente era que quatro delas, excluindo a primeira para o processo de produção de ácido, estavam todas conectadas entre si. Certas palavras apareceriam repetidamente, criando o que parecia um ciclo equilibrado.

— O ácido nítrico reage com prata para formar nitrato de prata, água e óxido nítrico[2].

— O nitrato de prata reage com ferro para formar nitrato ferroso e prata[3].

— O nitrato de prata reage com cobre para formar nitrato de cobre e prata[4].

— O nitrato de cobre reage com ferro para formar nitrato ferroso e cobre[5].

Ele já havia testado a reação alquímica colocando uma barra de prata no líquido ácido e parte da barra de prata foi claramente dissolvida e não podia mais ser discernida, o que era um atributo do ácido. Isso dissolveria qualquer coisa, mas de acordo com a carta, o nitrato de prata parecia ter desaparecido porque é solúvel em água, mas na verdade, ainda existia em um estado diferente e não havia sido destruído.

Como isso é possível? Não… — Kyle balançou a cabeça.

Aparentemente, o Príncipe já havia antecipado suas dúvidas. A conexão entre essas fórmulas não foi uma coincidência e Kyle percebeu que tinha a oportunidade de verificá-las pessoalmente. Ele poderia tentar com prata, ferro ou cobre, e estes eram todos minerais comuns. Se ele fizesse a alquimia de acordo com as fórmulas posteriores, a prata reapareceria, provando que não foi destruída, mas ainda existia dentro do ácido.[6]

Ao ver as fórmulas ordenadas e ordenadamente organizadas na carta, Kyle começou a respirar com mais intensidade. Se essas fórmulas alquímicas fossem de fato reais, seus anos de experiência acumulada, os esforços de seus colegas, bem como tudo o que ele havia escrito em seu livro A Porta par a Alquimia, não seria nada mais do que uma piada!

— Você e a criança podem ir dormir primeiro, eu tenho que voltar para a oficina alquímica!

Ignorando o olhar surpreso de sua esposa, Kyle colocou o casaco e correu diretamente para a oficina noite à fora.

Chegando na oficina alquímica, ele imediatamente chamou os três alunos de plantão e disse a eles que precisava realizar um experimento alquímico. Kyle fez os alunos acenderem as tochas e as velas, dizendo que quanto mais luz, melhor. Tudo logo foi arrumado em sua longa mesa que agora estava brilhantemente iluminada pelas chamas. Os alunos começaram a andar rapidamente entre o armazém de materiais e a sala de refinação, preparando os materiais para o experimento de seu Alquimista-chefe Kyle.

Ainda havia bastante ácido que tinha sido produzido pela destilação seca de salitre no armazenamento, então ele conseguiu começar a verificação da segunda fórmula imediatamente.

Kyle pegou um pouco de ácido e colocou-o dentro de um recipiente de vidro. Então, ele colocou uma barra de prata dentro do ácido. À medida que a reação começou, a barra gradualmente se dissolveu, criando várias bolhas[7].

Enquanto esperava ansiosamente, Kyle voltou sua atenção para a terceira página da carta.

Havia apenas uma pequena frase sobre isso:

— Esta foi apenas uma pequena parte do meu trabalho, para obter mais respostas, venha até Vila Fronteiriça.

Droga! Esta frase é absolutamente inútil! Se eu verifiquei as fórmulas, eu definitivamente preciso fazer uma visita a esse mestre alquimista desconhecido. — Kyle pensou.

Caso contrário, ele jamais conseguiria dormir novamente pelo resto de sua vida.

Assim que as bolhas se dissiparam, ele removeu o que restava da barra de prata dissolvida e colocou um pequeno pedaço de cobre no recipiente de vidro em seu lugar.

Logo, algo incrível começou a acontecer. Uma fina crosta branca começou a aparecer na superfície do cobre, parecida com a pele de um besouro. A crosta branca continuou a expandir-se e logo cobriu toda a superfície do cobre. Quanto ao ácido previamente incolor no copo, ele gradualmente transformou um tom de azul.[8]

Exatamente como foi descrito na carta!

— A matéria branca é a prata, e a substância recém-criada, nitrato de cobre, é solúvel na água, assim como o nitrato de prata. No entanto, ele irá tornar o ácido azul como o céu.

Olhando fixamente para o recipiente, Kyle Sichi permaneceu parado, imóvel.

Na manhã seguinte, quando Chávez chegou à oficina alquímica, ele ficou chocado ao ver o alquimista-chefe. Ele parecia completamente exausto e tinha grandes círculos negros ao redor de seus olhos, indicando que ele não tinha dormido.

— O senhor não foi para casa dormir ontem à noite? — Chávez perguntou surpreso — O senhor decidiu ficar acordado e esperar pelo segundo lote de cristal?

Kyle balançou a cabeça enquanto arrasta Chávez até sua mesa e disse bastante cansado:

— Um dia você já foi o meu aluno mais promissor e por isso, eu quero perguntar a você: o que você pensa sobre a alquimia?

— Hã… exatamente como o senhor me ensinou.

Chávez de repente foi atraído para a mesa onde um número de vidrarias tinha sido colocado, cheio de soluções de cores variadas. O mais atraente era a única que estava na cor azul do céu. Foi essa a razão pela qual o alquimista-chefe ficou acordado a noite passada? Embora Chávez estivesse confuso, ele ainda respondeu honestamente:

— Como o senhor, eu acredito que a essência da alquimia é encontrar a lógica dentro de toda a desordem e o caos…

— Não, não, Chávez, eu estava errado. — Kyle interrompeu — Todo mundo está errado. Isso não é alquimia.

— Não é verdade…?

Chávez sentiu que seu professor estava agindo de forma muito estranha. Primeiro, ele tinha passado a noite inteira realizando alquimia, e agora ele estava fazendo perguntas estranhas. Antes que ele pudesse pedir uma explicação, o alquimista-chefe continuou:

— Ao contrário do que você e eu acreditávamos anteriormente, existe muita ordem na alquimia. Uma ordem que pode até ser considerado uma ordem estrita, como na matemática, onde um-mais-um será sempre igual dois[9]. Não importa quais mudanças são feitas, a quantidade de materiais não vai aumentar, diminuir ou desaparecer, pois ela só mudará de forma.

— Nunca vai aumentar, diminuir ou desaparecer? Do que o senhor está falando? Não é isso que os alquimistas fazem? Eles combinam materiais comuns, para criar novas coisas e incríveis? — Chávez perguntou confuso.

— Sim, eu também costumava pensar assim, mas depois de receber uma carta do Lorde de Vila Fronteiriça… — Kyle deu um tapinha no ombro, e o que ele disse em seguida deixou Chávez chocado — Eu estou indo agora para Vila Fronteiriça e lá encontrei respostas. Você… você quer vir comigo?


 

 

[1] Destilação é o processo de separação de substâncias líquidas. Entretanto, aqui a destilação seca, ou pirólise, é apresentada como um processo de separação do salitre (cuja fórmula é KNO3, chamado de ácido nítrico). Podemos observar nos dias de hoje a destilação seca da hulha. Você pode aprender um pouco mais sobre essa destilação da hulha aqui. A destilação seca do salitre é bastante antiga, não utilizada nos dias de hoje.

[2] A reação balanceada pode ser descrita como 2HNO3 + Ag → AgNO3 + H2O + 2NO

[3] A reação balanceada simplificada pode ser descrita como 2AgNO3 + Fe → Fe(NO3)2 + 2Ag

[4] A reação balanceada simplificada pode ser descrita como 2AgNO3 + Cu → Cu(NO3)2 + 2Ag

[5] A reação balanceada simplificada pode ser descrita como Cu(NO3)2 + Fe → Fe(NO3)2 + Cu

[6] No caso, ela estaria em na forma aquosa. Não necessariamente dentro do ácido.

[7] Estas bolhas são o óxido nítrico gasoso.

[8] Esta reação só é possível porque o cobre é mais reativo do que a prata. Isto se chama reação de deslocamento ou reação de simples troca. Note que Kyle colocou uma barra de cobre em uma solução de nitrato de prata. Se ele fizesse o contrário, ou seja, colocar uma barra de prata em uma solução de nitrato de cobre, a reação não iria ocorrer.

[9] Na verdade, um mais um só será dois se ambos os ‘um’ forem do mesmo conjunto. Se eu somar uma cenoura e um cachorro eu tenho dois o quê? Pense nisso.

JZanin
Professor de Química, mestre e jogador de RPG sem tempo.
FONTE
Cores: