LAB – Capítulo 147 – 3Lobos

LAB – Capítulo 147

A Delegação de Emissários

Alicia jamais pensou que um dia ela seria parte da Delegação de Emissários. Afinal, sempre que a Igreja envia uma Delegação de Emissários, ela envia junto guerreiros de elite. Além de serem abençoados com virtudes civis e marciais, estes guerreiros eram também bons o suficiente para representar a Igreja. Alicia estava muito confiante sobre suas habilidades de combate e os ritos da Igreja. Mas quando se tratava de sua aparência… como uma mulher que passava o dia inteiro brandindo uma espada-larga em campos de batalha poderia ser bonita como as madames da aristocracia? Pensar nisso, deixava Alicia desconfortável.

De acordo com Sacerdotisa Mira, sua delegação se deslocará para uma pequena cidade na Região Oeste do Reino de Castelo Cinza. Seu propósito era lidar com o evento blasfemo de um príncipe que estava abrigando bruxas. Além da Sacerdotisa que estava conduzindo a delegação, havia outros dez membros do Exército do Julgamento. Um deles ainda era aquele mesmo Capitão gentil, mas sem expressão alguma, que Alicia conheceu na batalha de Hermes anteriormente.[1]

Mesmo andando tranquilamente, o Capitão ainda estava com a mesma cara sem qualquer tipo de expressão. Alicia sentia até mesmo que, por estar do lado dele, a temperatura ao redor diminuía um pouco, tamanha a frieza.

Sacerdotisa Mira era completamente diferente. Ela tinha mais de quarenta anos de idade e tinha um par de olhos que expressavam sabedoria. Ela tinha um sorriso constante no rosto quando contava certas anedotas sobre a Igreja. Ela era sofisticada e calorosa, mas sem perder a graciosidade. Mesmo em frente ao arcebispo, sua postura era inabalável. Alicia tinha ouvido muitas vezes que ela provavelmente seria a próxima Bispa.

O que surpreendeu Alicia, no entanto, foi que Mira, como oficial civil, tinha seu próprio cavalo tal qual o Exército do Julgamento. Nestes dois dias, ela liderou a procissão, desde a floresta nas montanhas até as trilhas das cidades. Ela mantinha seu cavalo em movimento em um ritmo estável, minimizando qualquer esforço físico. Esta era uma habilidade que até mesmo alguém do Exército do Julgamento demoraria muito tempo para dominar.

— Estamos indo para o sul, não estamos? — Alguém na procissão perguntou depois de sair da área de Hermes e entrar no Reino de Castelo Cinza.

— Não, Vila Fronteiriça está muito longe de nós. Eu não quero machucar o meu traseiro viajando por terra. — Mira acenou e disse — E vamos ao leste da Vila do Vale Profundo. Há um rio que pode nos levar diretamente até a Cidade Escarlate. A partir de lá, teremos um caminho fácil de seguir até Forte Cancioneiro.

— Quando a senhora entrou para a Igreja? — Alicia perguntou curiosamente — A senhora não está familiarizada apenas com anedotas de Cidade Sagrada, mas também é bem versada sobre o mundo secular.

— Há doze anos. Naquela época eu tinha trinta anos. — Mira respondeu.

— Isso foi tão tarde! — Alicia exclamou — Quero dizer, até onde eu sei, quanto mais velha for a pessoa, mais difícil será para ela compreender os ensinamentos dos deuses. Mas você levou apenas 10 anos para ser promovida, e saiu de uma crente comum para uma Sacerdotisa. Isso é incrível.

— Sim. — Mira sorriu — Esse é o charme da Igreja. Eu era a filha de um comerciante. Eu segui meu pai e aprendi a fazer negócios nos quatro Reinos. Nós compramos produtos locais comuns e revendíamos por preços mais altos em outros lugares. O preço poderia ser muitas vezes maior. Pegue o coral esmeralda da Região de Ventomar por exemplo. Nós comprávamos de um pescador local por vinte ou trinta peças de prata. Em seguida, nós colocávamos tudo em um tanque de água, levávamos estes corais para o Reino de Inverno Eterno, e vendíamos por uma peça de ouro. Se o coral tivesse uma cor bonita e as partes bem distribuídas, poderíamos vendê-lo por mais de cinco peças de ouro. Eu costumava perguntar por que o mesmo item teria dois valores diferentes.

— Porque … era raro? — Alicia respondeu.

— Isso foi o que eu pensei, em primeiro lugar. — A Sacerdotisa assentiu — Mas algo aconteceu e minha opinião mudou. Havia um nobre na Cidade Real de Inverno Eterno que abrigava uma bruxa capaz de mudar a temperatura. Ele testou diversas formas de cultivo até que finalmente conseguiu a forma correta de conseguir produzir os corais da Região de Ventomar no Reino de Inverno Eterno. Ele transformou uma caverna debaixo de seu quintal em uma enorme piscina com uma claraboia em cima. Todos os anos, ele conseguia colher pelo menos uma vez. Este nobre conseguia ter um rendimento tão bom, que uma única colheita de corais era equivalente ao produto de dez viagens nossas. E para piorar a situação, como a estrada de comércio era bastante longa, meu pai conseguia fazer uma única viagem dessas ao ano, e como resultado, os corais esmeralda começaram a aparecer aos montes no mercado. O nobre começou a vender estes corais para o palácio e para os aristocratas. Se um objeto raro se torna comum, obviamente seu preço cai drasticamente. Mas em apenas dois anos, o palácio parou de aceitar corais esmeralda de baixo valor, afirmando serem falsificações. Por causa disso, meu pai não baixou o preço, ao contrário, ele passou a vender pelo dobro. Quanto ao nobre, ele foi descoberto pela Igreja e foi acusado por abrigar bruxas. Ele, juntamente com a bruxa, foram amarrados em uma estaca e queimados até a morte. Mas eu sabia que seus corais não eram falsos. Eles eram exatamente os mesmos corais que meu pai vendia. A ideia de que um objeto raro deve ter um preço altíssimo não é de toda errada. Mas há outros fatores que afetam o preço de um item. Este é o exemplo mais simples. Quando o palácio do Reino de Inverno Eterno tratava o coral esmeralda como um item de luxo, eles mesmo estipulavam seu valor. Quando começaram a aparecer mais corais, a regra da aristocracia teve um peso maior. Assim, no dia da execução do nobre, a Rainha ainda fez uma grande festa. Você acha que esses itens são como alguns de nós que estão no mundo secular?

— Como o quê? — Alicia estava perdida.

— Como as pessoas, as crianças do povo comum. — Mira disse palavra por palavra — Nós nascemos com um preço, e esse preço não reflete o nosso valor real. Assim como os corais esmeralda, que são, obviamente, os mesmos, alguns tem um preço muito alto para ser alcançado, enquanto outros tem um preço muito baixo, mas essencialmente, eles são a mesma coisa.

— Um preço muito alto… você quer dizer, a aristocracia, os nobres?

— Os nobres são como os corais do palácio do Reino de Inverno Eterno. — A Sacerdotisa sorriu — Todos nós nascemos com as mesmas mãos, pés, um par de olhos e uma boca. No entanto, seus preços são ajustados ao valor mais alto. Isso não é determinado por suas próprias habilidades, mas pela regra da realeza. Então, entrei para a Igreja. Pelo menos, na nova Cidade Sagrada de Hermes, o seu nascimento não limita o seu valor. Se pudéssemos transformar todo o continente na Cidade Sagrada final da Igreja, então isso seria nosso chamado Reino de Deus.

— A senhora fez uma análise excelente. — Alicia acenou com a cabeça repetidamente com uma grande excitação percorrendo todo o seu corpo.

Se eles realmente conseguissem construir o Reino de Deus exatamente como foi descrito por Mira, onde as pessoas nasceriam sem classes, sem valor menor ou maior, sem nobres ou servos, isso com certeza seria algo muito bonito de se ver.

— Reino de Deus? — O Capitão inexpressível do Exército do Julgamento zombou e deu um passo adiante — Quantas pessoas a Igreja ainda quer transformar em monstros de sangue-frio? Honrosa Sacerdotisa, o quanto a senhora sabe sobre o Exército da Punição Divina?

— Ei, você… — Assim que Alicia estava prestes a repreendê-lo por sua falta de cortesia, Mira parou.

— O Exército da Punição Divina é composto pelos guerreiros mais poderosos da Igreja. Eles são fiéis, dispostos e são extremamente dedicados, além de serem corajosos o suficiente para se juntar ao Exército da Punição Divina.

— Nada mal. A senhora está certa sobre eles, que somente os guerreiros mais fortes conseguem fazer parte desse exército. Mas o produto final, após sua conversão, não é um guerreiro, mas um grupo de monstros sem qualquer tipo de emoção! — O Capitão cuspiu no chão após dizer essas palavras e se apressou para ficar à frente da Delegação.

— Que rude! — Alicia disse com raiva.

Quando ela conheceu esse Capitão em Hermes, ela o considerava um cara calmo, com a firmeza de um general e a coragem de um soldado. Como ele se tornou esse tipo de pessoa?

— Tudo bem. Ele só está distraído. — Mira balançou a cabeça — Contratempos e sacrifícios são inevitáveis ​​na construção do Reino de Deus na terra… Mas pelo menos estamos dispostos a fazê-lo.

Quando a equipe chegou na cidade seguinte, já estava escuro. A Sacerdotisa liderou a Delegação até a Igreja para descansarem um pouco. Depois do jantar, eles voltaram para seus quartos. Alicia seguiu o Capitão e o deteve no corredor.

— Sacerdotisa Mira é a nossa líder. O que você quis dizer com aquelas coisas? Você esqueceu todas as regras da Igreja?

— Você é Alicia, não é? — Ele só falou depois de um momento de silêncio.

— Sim, eu sou uma Capitã como você. Eu tinha perguntado seu nome naquela época na guerra dos Meses dos Demônios, mas você não me disse. Posso saber seu nome agora?

— Abrams. — Ele respondeu sem expressão — Quanto ao porquê eu disse aquilo… Você tem irmãos?

— Não. — Alicia de repente se lembrou que Abrams disse uma vez que seu irmão mais velho era um membro do Exército da Punição Divina.

— Eu tenho um. Nós crescemos juntos na Igreja. Nós nos conhecíamos tão bem como se fôssemos uma só pessoa. Mais tarde, ele tomou a iniciativa de aceitar a conversão e eu nunca mais o vi. O chefe de justiça me disse que sua conversão foi tão bem-sucedida que ele estava agora fazendo missões especiais para a Igreja. Fiquei muito feliz por ele. — Ele fez uma pausa — Mas a alegria durou até o momento em que eu vi ele novamente em uma catedral um dia. Eu chamei seu nome e quis ir até lá para abraçar meu irmão. Adivinha o que eu vi. — Sua expressão mostrava uma pitada de dor — Um estranho. Era como se ele não tivesse me visto. Ele passou por mim. Não havia luz em seus olhos, ele só olhava para frente. Seus movimentos eram completamente desumanos.

Um arrepio percorreu as costas de Alicia deixando ela sem palavras. Ela queria muito gritar que ele estava mentindo, mas quando ela abriu a boca, não saiu nenhum som.

— O Exército da Punição Divina priva seus combatentes das emoções humanas. Eles são nada mais do que um grupo de cadáveres ambulantes. — Ele empurrou Alicia, que estava atordoada, e voltou para o quarto sem olhar para trás.


 

 

[1] Caso você não se lembre, pode relembrar no capítulo 66.

JZanin
Professor de Química, mestre e jogador de RPG sem tempo.
FONTE
Cores: