LAB – Capítulo 129 – 3Lobos

LAB – Capítulo 129

De volta com as aulas

Os soldados feridos foram rapidamente curados por Nana, e sua habilidade de curar as fraturas foi bem usada. Roland enviou o Primeiro Exército de volta ao acampamento, e os únicos que permaneceram no local foram o Cavaleiro-Chefe, as bruxas e vários guardas.

Ele caminhou até o cadáver com um rosto sombrio e ordenou a Carter para cortar a parte de trás do cadáver aberto exatamente onde foi atingido pelas balas. Um dos buracos tinha cerca de um dedo e meio de profundidade e além da bala estar quebrada, o nível de lesão era basicamente o mesmo de um ser humano normal.

— Qual é a sua opinião sobre isso? — Roland perguntou a Carter.

Carter também parecia um pouco chateado, pois ele provavelmente não esperava que alguém que nunca recebeu um treinamento com espadas ser capaz de usar tal movimento.

— Era simplesmente força e velocidade sem treino e disciplina. Se não fosse com o objetivo de observar, eu teria cortado sua cabeça no meu primeiro ataque.

— E se ele fosse um Cavaleiro?

— Bem… — Carter contemplou — Se ele fosse um Cavaleiro sob um Duque, provavelmente eu ainda seria capaz de lidar com isso, mas, se fosse o Cavaleiro do Vento Gélido ou o Cavaleiro Coração de Aço da guarda da Cidade Real de Castelo Cinza, provavelmente eu não seria páreo.

Roland não quis comentar, pois os Cavaleiros dependiam de técnicas e habilidades de espadas, e talvez o que Carter disse fosse mesmo verdadeiro. Entretanto, com armaduras, a situação seria pior. Supondo que o prisioneiro estivesse vestindo uma armadura pesada, com um capacete e uma espada de duas mãos, Carter não conseguiria ganhar com facilidade.

O aprimoramento de poder era multifacetado. Eles poderiam transportar armaduras e armas mais pesadas, e aumentar a velocidade, além de poder durar mais tempo em combate. Roland pensou que ele tinha que corrigir a ideia que ele teve anteriormente em Forte Cancioneiro.

Adrenalina? — Roland pensou — Não, isso é muito pior do que a adrenalina, pois os hormônios só poderiam estimular o potencial do corpo humano. No entanto, a pílula vermelha aparentemente fez o prisioneiro romper sua limitação. Ele era quase comparável à cavalaria fortemente armada, especialmente a velocidade e o momento que ele mostrou quando estava correndo.

O efeito da pílula preta foi igualmente surpreendente. O prisioneiro quase foi cortado ao meio e mesmo depois de levar vários tiros a uma curta distância, eles não conseguiram detê-lo. Se fosse uma pessoa comum, ele deveria ter perdido a eficácia do combate devido à dor.

Um civil sem medo da dor tornou-se tão poderoso… e se fosse um grupo de soldados bem treinados? — Pensando nas palavras do sumo sacerdote, Roland não podia deixar de franzir a testa.

— Vossa Alteza— Rouxinol disse —, olhe para a pele dele.

Após a cor vermelha inicial na pele da mão do prisioneiro sumir, sua pele tornou-se pálida e enrugada, como a pele de uma cobra após trocar de pele. Roland cutucou-o com um punho de faca e notou que não havia músculo sólido debaixo da pele e, na verdade, parecia muito vazio. Depois de cortá-lo, ele percebeu que a gordura subcutânea se transformou em muco e os músculos também encolheram.

— O efeito é o mesmo que engolir a Pedra da Retaliação Divina. — Rouxinol olhou para o Príncipe Roland e disse — As pílulas de fato contêm os ingredientes da pedra.

— Bom, simplesmente engolir a pílula não produz um efeito de aprimoramento tão surpreendente. —  Roland disse enquanto pensava — Como eles se transformam em algo tão pouco científico assim?

As pílulas pareciam ter um forte efeito colateral, e não estava claro se era permanente ou temporário. Roland achou que estava mais inclinado ao primeiro. Se fosse temporário e o indivíduo pudesse ser restaurado, a droga mista semelhante a um intensificador de morfina com adrenalina poderia ser considerada uma poção mágica de guerra. Desde que fosse distribuída de acordo com o tempo de recuperação, não seria uma surpresa se a Igreja usasse essa pílula para dominar o mundo.

Mesmo se for de curta duração e houver efeitos colaterais, isso é motivo o suficiente para me manter em alerta. — Roland pensou — Se a igreja apoiar Timothy ou Garcia, eu terei que enfrentar um exército de toxicodependentes.

Era ainda mais perturbador para Roland que a Igreja estivesse disposta a vender tal coisa sem considerar que o novo Rei atacaria a própria Igreja usando suas pílulas após a reunificação de Castelo Cinza. Todo o Reino poderia facilmente recrutar buchas de canhão no campo de batalha muito mais rápido do que a antiga e a nova Cidade Sagrada. Se eles unissem forças, o Exército de Juízes só se cansaria lentamente.

A menos que… a Igreja tivesse uma cartada mais forte na mão e realmente não se importa com nada assim. — Ele pensou.

Roland suspirou. Ele tinha a intenção de atacar Forte Cancioneiro para resolver o problema da população e a falta de financiamento antes de se concentrar na educação, produção e agricultura para tornar Vila Fronteiriça em uma cidade dentro de um curto espaço de tempo. Ele pensou que seria capaz de deixar de lado a pesquisa de armas por enquanto. Contudo, agora parecia que a construção do exército não poderia ser deixada de lado. O Primeiro Exército teria que continuar a ser expandido e a produção de armas de pederneira também deveria continuar. A nova pesquisa em armas também deveria ser listada na agenda o mais rápido possível. Eles precisavam trabalhar em carregadores de compressão e cartuchos de projéteis fixos.

O princípio mecânico dos carregadores não era difícil, pois poderia ser instalado com balas feitas em papel e também poderia ser feito com várias estampagens de cobre.

Roland ainda não tinha nenhuma ideia de como fabricar um cartucho de ignição que era usado para pôr o projétil. Ele só sabia que era chamado fulminato de mercúrio. Significava literalmente que as matérias-primas deveriam consistir de ácido nítrico e mercúrio[1]. No momento, ele não conseguia pensar em nada que pudesse ser misturado para obter essa substância. Além disso, ele tinha a impressão de que havia certos requisitos de umidade e temperatura durante a produção, e o risco parecia ser bastante alto, tanto, que era muito fácil explodir os dedos acidentalmente. Depois de um tempo pensando, ele decidiu gastar mais dinheiro para recrutar um grupo de alquimistas e construir um laboratório em um canto da vila para que eles pudessem refletir sobre esse processo.

Depois do jantar, Roland convocou Anna e foram até o escritório. Agora, as finanças de Vila Fronteiriça haviam melhorado, e logo Roland colocaria a metade dos ativos no ensino obrigatório.

A sociedade industrial precisava de trabalhadores com um nível básico de cultura e conhecimento, ao invés da força bruta vazia dos analfabetos. Se a educação universal não estava em vigor, o dividendo demográfico só se tornaria um fardo para a população.

Com essa visão, Roland pretendia passar algum tempo no ensino da escola todas as noites a partir desta noite em diante. Até que Pergaminho dominasse o conhecimento básico de Fundamentos Teóricos da Ciência Natural, a vila deveria ter quase completado o primeiro grupo de tarefas relativas à alfabetização.

Pergaminho seria a futura pioneira da educação e uma professora versátil, então, Roland queria passar todo seu conhecimento para ela. Além disso, ele pediu para Anna vir até as aulas como um favor.

Anna não tinha uma memória eidética, mas seu desejo de conhecimento e aprendizagem ativa era o mais intenso entre as bruxas. Muitas vezes, Roland encontrava Anna buscando livros nas estantes, e provavelmente já tinha lido todos os livros nos últimos seis meses. Além disso, sua capacidade de aceitar coisas novas e o modo de pensar lógico também era rara nesta era.

Depois de obter os livros didáticos de matemática e física elementares que Pergaminho criou com sua magia, Roland começou a falar sobre o conteúdo do ensino de hoje.

A habilidade de compreensão de Anna era significativamente melhor que a de Pergaminho já no básico da matemática, como adição, subtração, multiplicação e divisão até as equações mais complexas. Quando se tratava de física, Pergaminho ainda estava memorizando as palavras de Roland e avaliando-as lentamente, enquanto Anna já podia fazer algumas perguntas de tempos em tempos. Por exemplo, com o quê as partículas elementares se pareciam e como as partículas elementares se juntavam para dar forma à diversas coisas, e assim por diante. Havia algumas perguntas que Roland poderia responder, mas algumas delas, mesmo ele não conseguia responder.

Por exemplo, como o poder mágico era realmente.

Ele só poderia compartilhar o que pensou anteriormente, dizendo que o poder mágico poderia ser uma espécie de energia, semelhante à eletricidade e ao calor. No entanto, apenas as bruxas poderiam usá-lo atualmente. As pessoas comuns não tinham a capacidade de armazenar ou usar o poder mágico.

Anna expressou um olhar pensativo.

O tempo sempre voava rapidamente ao ensinar as mulheres, especialmente as mulheres proeminentes. A vela tinha sido mudada duas vezes sem que Roland soubesse e a nova já estava no fim.

De repente, Roland ouviu um ruído de ronco suave. Rouxinol, que estava deitada no sofá, adormeceu sem saber. Talvez as aulas fossem como uma canção de ninar para ela. Rouxinol saiu inconscientemente da névoa e revelou uma posição de dormir totalmente embaraçosa, exposta aos olhos dos três na sala.

Roland balançou a cabeça impotente e decidiu terminar a aula de hoje por ali mesmo. Ele tirou o casaco e a cobriu gentilmente, apagou a vela e fechou a porta atrás dele, enquanto Anna e Pergaminho estavam tentando se segurar para não rir.


 

 

[1] A fórmula do fulminato de mercúrio é Hg(CNO)2 e é um explosivo bastante suscetível à fricção e ao impacto. Já a fórmula do ácido nítrico é HNO3. Em momentos oportunos iremos explorar mais as reações pertinentes.

JZanin
Professor de Química, mestre e jogador de RPG sem tempo.
FONTE
Cores: