LAB – Capítulo 127 – 3Lobos

LAB – Capítulo 127

Wendy

Rouxinol saiu da névoa quando percebeu que Roland adormeceu. Ela gentilmente puxou seu cobertor e cobriu o braço que estava para fora do cobertor. Ela ficou em silêncio observando ele por um momento. Então ela entrou em seu mundo de névoa, desceu pelo chão silenciosamente e voltou para seu quarto.

— Você ainda não dormiu? — Rouxinol ficou um pouco surpresa ao ver Wendy ainda lendo ao lado da cama.

— Eu tenho medo de que você esteja fazendo algo errado! — Wendy olhou para ela — Sua Alteza não é uma criança. É necessário cuidar dele até ele adormecer?

— Sua Alteza enviou pessoas para as outras vilas e cidades para espalhar notícias da organização das bruxas. Apenas estou sendo cautelosa no caso de alguma bruxa intencionalmente chegar a ferir Sua Alteza depois de ouvir a notícia.

Rouxinol pegou uma toalha molhada e enxugou o rosto antes de desatar o cinto vermelho e o protetor de pulso de couro. Então ela desabotoou sua armadura. Esta roupa foi recém-criada por Sua Alteza. O design do casaco com capuz da cor de marfim era extremamente óbvio, mas Roland achou que era muito adequado para um assassino[1].

Rouxinol cuidadosamente pendurou a roupa e passou a mão para desamassá-la. Seu corpo perfeitamente ajustado estava envolto dentro de um pedaço de gaze fina, e não havia gordura em seu abdômen definido, nem em suas coxas.

— Que tipo de acidente poderia ter? — Wendy fechou o livro e pôs de lado — Nós temos nossas irmãs vivendo no castelo e há guardas patrulhando fora do castelo. Além disso, você não colocou a pedra debaixo de seu travesseiro? Você nunca fez coisas desse tipo antes.

— Bem, eu apenas estou fazendo isso para garantir sua segurança. — Rouxinol sentou-se ao lado da cama, tirou as botas longas, puxou as pernas esbeltas e se virou ao lado de Wendy.

— Você se lembra do que eu disse na última vez? — Wendy suspirou — Veronica, somos bruxas.

— Eu sei, Wendy. — Rouxinol assentiu e continuou — Nós somos bruxas.

Mas o Príncipe Roland se casaria com uma bruxa. Ele disse exatamente isso e não estava mentindo. — Rouxinol pensou.

Claro, Rouxinol não divulgaria esta informação, a menos que fosse necessário. Ela silenciosamente se desculpou com Wendy e mudou o tópico.

— Você tem alguma informação sobre a Igreja?

— Por que você está perguntando isso agora? — Wendy ficou chocada.

— Quando Roland estava no castelo de Forte Cancioneiro, o sumo sacerdote da igreja veio visitá-lo e expressou sua vontade de apoiá-lo para conquistar o trono.

— O que ele disse? — Wendy parecia nervosa — Ou Roland pediu para você sair antes de começar a conversa?

Rouxinol balançou a cabeça com um sorriso e disse suavemente:

— Ele só me pediu para prestar atenção e evitar o alcance da Pedra da Retaliação Divina. Sua Alteza nem mesmo usou uma. Wendy, ele não concordou com o convite da Igreja. Ele recusou.

Wendy ficou aliviada, mas ainda assim parecia um pouco preocupada e chateada.

— Infelizmente, a ajuda que podemos dar a Sua Alteza é muito limitada, já a Igreja tem o poder sobre todo o continente. Se ele concordasse com eles, provavelmente poderia assumir o trono mais rapidamente…

— Quem sabe. Ele disse que o Sumo Sacerdote falou um monte de bobagem e que não era confiável. — Rouxinol fez uma pausa — Essa é minha única preocupação. — Rouxinol narrou o incidente das pílulas vermelha e preta — Na névoa, a pílula tem a mesma cor que a pedra, o que é incrível. Nossas irmãs já testemunharam o resultado do que acontece quando se engole a pedra, o que não é diferente de se suicidar. O Sumo Sacerdote mencionou que era uma espécie de remédio que eles estavam pesquisando numa tal de sala de oração da Cidade Sagrada. Você já ouviu falar dessa sala no mosteiro?

Quando a Associação Cooperativa das Bruxas saiu da Cidade da Prata, Kara trouxe Rouxinol, Áugure e Petra para criar armadilhas, visando capturar e retaliar os vilões que estavam perseguindo elas por conta das recompensas. Uma das maneiras que encontraram era colocar a Pedra da Retaliação Divina, que eles mesmos estavam usando, na boca e fazê-los engolir. Os vilões que engoliram a Pedra da Retaliação Divina morreram rapidamente, e seus corpos ficavam todos retorcidos como se estivessem encolhidos, assim como peixes secos sob o sol quente.

— Eu não tenho ideia. — Wendy fechou os olhos e disse lentamente — Até onde eu me lembro, estava morando no mosteiro da antiga Cidade Sagrada. Estava cercada por altos muros e não havia outro lugar para apreciar, exceto o céu. Todas as atividades eram dentro do pátio, ler e interpretar os desenhos eram ensinados pela freira-chefe. Ainda me lembro do nome dela, Fariah. Um dos livros que ela lia para nós era uma introdução à antiga Cidade Sagrada. Havia igrejas, mosteiros, bibliotecas, salões memoriais e muros heroicos na cidade, mas nunca houve um lugar chamado sala de oração. Vivi no mosteiro por mais de 10 anos antes do acidente acontecer …

Rouxinol tinha ouvido Wendy mencionar estes lugares antes. O mosteiro foi atacado por uma bruxa, e muitas pessoas morreram no acidente. Wendy escapou do mosteiro durante o caos.

— Não temos certeza de qual bruxa teve tanta coragem de desafiar a Igreja sozinha, mas ela, pelo menos, salvou você.

— Não, Veronica. A bruxa era da Igreja. — Wendy balançou a cabeça e disse — Ela era como eu, um membro do mosteiro.

— O que você quer dizer?

— As meninas que viviam no mosteiro eram divididas em basicamente três tipos. O primeiro tipo era como eu, elas cresciam lá e não sabiam nada sobre suas origens. O segundo eram as crianças abandonadas ou órfãs que eram enviadas pelas igrejas depois de serem adotadas. E o último eram as meninas que foram vendidas por seus pais para a Igreja. Os administradores separavam a gente de acordo com a idade e colocavam a gente em diferentes dormitórios. Tanto, que cada categoria aprendia coisas diferentes. As mais novas aprendiam a ler, as meninas entre 10 a 14 anos iriam para os corais e as meninas com mais de 14 anos aprendiam etiqueta. As freiras chamavam a nossa aula de alfabetização, e as aulas das mais velhas de coral e ritual. Assim que a menina se tornasse uma adulta, ela era enviada para um lugar longe do mosteiro.

Era a primeira vez que Rouxinol ouvia isso. Wendy nunca havia contado sua experiência no mosteiro em detalhes.

— Nos primeiros anos, sempre ouvíamos as garotas gritando de noite, principalmente as do coral e das aulas de ritual, mas eu não compreendia bem o que estava acontecendo. Até que eu fui para a aula de coral. Eu observei que lá, os senhores da igreja patrulhavam os dormitórios até mesmo de noite. Eles arrastavam várias garotas para a cama com eles e só mandavam elas embora pela manhã. Às vezes, nem todas voltavam.

Rouxinol cerrou os dentes. Ela estava certa de que sabia exatamente o que as palavras de Wendy significavam.

— Esse incidente acontecia uma ou duas vezes por mês. Só que acabou se tornando mais frequente, quase uma vez a cada dois dias. Eu fui selecionada depois disso. Fariah me puxou para fora do quarto e sussurrou no meu ouvido dizendo “Aguente firme”. Eu fui arrastada para uma casa subterrânea coberta até a metade, que estava em um canto do jardim. A casa estava cheia de luzes, e havia uma menina da classe de ritual algemada na parede e quatro ou cinco pessoas ao redor… —A voz de Wendy demonstrava que ela estava ligeiramente nervosa — Quando eles se aproximaram de mim, a menina de repente quebrou os grilhões e agarrou o pescoço mais próximo dela. Ela estalou a cabeça como uma galinha.

— Ela Despertou?

— Eu não sei. — Wendy disse — Embora eles tivessem tirado suas roupas, eles ainda usavam a Pedra da Retaliação Divina. Ela os matou um por um, e um deles teve seus membros arrancados. Antes de sua morte, ele parecia dizer “extraordinária”. Os gritos dos adultos alertaram os guardas fora da casa. Eles abriram o portão de ferro e entraram no quarto, mas ficaram perplexos. A menina correu diretamente para eles.

— Extraordinária… significa bruxa? — Rouxinol perguntou — Até o guarda não conseguiu lutar contra ela?

— A diferença era muito grande. Depois eu soube que os guardas eram realmente do Exército de Juízes. Um deles soprou o apito e o outro atacou com suas espadas. Quando o som do primeiro apito terminou, ela já estava com o braço no peito do guarda que estava bloqueando seu caminho. A armadura da igreja era frágil, como um pedaço de papel diante dela.


 

 

[1] O autor não deixou a referência, mas eu creio que, como já foi citado LOL uma vez aqui na história, Roland deve estar se referindo ao Talon. E você, acha que temos alguma outra referência aqui? Talvez de algum filme ou história chinesa?

JZanin
Professor de Química, mestre e jogador de RPG sem tempo.
FONTE
Cores: