LAB – Capítulo 116 – 3Lobos

LAB – Capítulo 116

Por Vila Fronteiriça! (Parte 2)

Os soldados observaram que os Cavaleiros não estavam cavalgando rapidamente, mas isso não era culpa dos Cavaleiros. Os cavalos ainda eram limitados por sua resistência física, então, os Cavaleiros sempre aceleravam com força quando estivessem mais próximos do inimigo, mantendo uma velocidade mais rápida por um curto período de tempo. Quando estivessem a aproximadamente entre mil metros a oitocentos metros, os Cavaleiros começariam a aumentar gradualmente a velocidade. Somente quando eles chegassem a quinhentos metros é que eles acelerariam com mais vigor, e usariam toda sua velocidade quando estivessem a duzentos metros do inimigo.

Em teoria, o canhão característico de Napoleão de 12 kg[1] possuía um alcance efetivo de até mil e trezentos metros, contanto que utilizassem projéteis sólidos. Talvez porque tivesse apenas metade do diâmetro normal, o canhão de Roland tinha apenas um alcance efetivo de mil metros. Como resultado, a Artilharia só estava autorizada a atirar se o inimigo adentrasse a área de oitocentos metros. A essa distância, era certo que o projétil sólido poderia acertar o inimigo, ao mesmo tempo em que os projéteis continuariam a avançar, mesmo após quicarem no chão. Destruindo praticamente tudo em uma linha reta, havia uma grande chance de matar vários inimigos com um único tiro de canhão.

Com a intenção de permitir que os mercenários iniciassem o ataque na linha de frente, Duque Ryan ordenou que seus Cavaleiros ficassem ao lado da formação, deixando-os esperar em uma área absolutamente segura, ou seja, uma área onde bestas e arcos não conseguiriam alcançar os Cavaleiros. Mas essa distância ainda estava próxima o suficiente para que os Cavaleiros avançassem rapidamente com seus cavalos, começando uma investida. Conhecendo muito bem a baixa eficiência dos mercenários, os Cavaleiros sempre estavam prontos para puxar as rédeas de seus cavalos, esperando por qualquer resistência em um só lugar. No entanto, ao adquirirem essa postura em batalha, eles se tornaram um alvo quase fixo para a Artilharia de Vila Fronteiriça.

Contudo, o Duque certamente não percebeu que quando ordenou que suas tropas se afastassem, eles já estavam dentro do campo de batalha preparado por Roland. Enquanto o meio da estrada era plano e espaçoso, ambos os lados estavam repletos de folhas e outros tipos de plantas. O que parecia de longe ser apenas uma grama comum, na verdade eram videiras grossas cobertas por uma camada de ervas daninhas que subiam até o joelho. Era como uma cerca viva natural. Se a Cavalaria de Duque Ryan quisesse iniciar um assalto pelos flancos da linha de defesa de Vila Fronteiriça, eles avançariam a uma velocidade extremamente lenta. A distância de mil metros estava claramente marcada no chão. Talvez não estivesse visível para as pessoas que estavam com os pés no chão, mas para Raio que voava no céu, era claramente visível. O campo de batalha foi dividido precisamente em vários segmentos, e cada marca de cores diferentes representava uma distância diferente. O inimigo agora era apenas uma régua movendo-se em um tabuleiro de xadrez, o que permitiu que a Artilharia disparasse sem ter que calcular o ângulo do canhão. Eles só tiveram que seguir todos os passos que treinaram exaustivamente nas últimas semanas.

O canhão do grupo de Van’er foi o primeiro a rugir com fúria.

Uma grande quantidade de gás gerada pela detonação da pólvora empurrou o projétil sólido[2] para fora, e no momento em que voou para fora da boca do canhão, já havia atingido uma velocidade de mais de quatrocentos metros por segundo, então, após dois segundos, o projétil já estava praticamente na formação dos Cavaleiros. O projétil atravessou diretamente a Cavalaria, batendo fortemente no chão, enquanto levantava solo e cascalho em todas as direções, criando pânico entre os cavalos. Um cavaleiro reagiu tarde demais e acabou caindo de seu cavalo.

Os dois projéteis seguintes também erraram o alvo e somente levantaram terra e cascalho, aumentando o pânico.

Mas o último grupo conseguiu um golpe de sorte! Inicialmente, não havia ninguém na trajetória de voo do projétil, mas um Cavaleiro, em particular, não conseguiu recuperar o controle sobre seu cavalo assustado e atravessou o caminho do projétil. Diante dessa enorme quantidade de energia cinética, sua armadura não foi capaz de proteger nada. A projétil sólido atravessou simultaneamente o fino ferro e a carne humana, e depois quicou no chão, batendo em outro Cavaleiro, cortando sua panturrilha. Além disso, como o Cavaleiro ainda estava montando em seu cavalo, o projétil arrancou sua panturrilha, batendo direto no peito do cavalo sob o quadril do Cavaleiro e espalhou os órgãos internos do cavalo por todo o chão.

Se os Cavaleiros estivessem cavalgando em uma velocidade normal de ataque, a Artilharia precisaria ajustar o ângulo de disparo, mas o golpe repentino aparentemente chocou toda a coalizão das forças do Duque. Eles não sabiam o que os atingiu, mas também, como eles poderiam? O projétil era muito rápido para ser visto com o olho humano. Assim, os Cavaleiros não receberam o comando para atacar, em vez disso, eles ainda estavam andando de um lado para o outro em sua formação original, tentando acalmar seus cavalos que estavam cada vez mais ariscos e nervosos.

O grupo de Van’er mais uma vez foi o mais rápido para cumprir o processo de recarga, começando a segunda rodada de bombardeios.

A nova arma deixava exposto o quão frágil era o corpo humano, pois uma vez que o corpo humano era atingido por um projétil, as feridas causadas não poderiam ser curadas. Quando um Cavaleiro era atingido diretamente pelo projétil do canhão, além de perder vários membros, ele também explodia sangue em todos os lugares. Somente quando foram atingidos pela segunda rodada de projéteis da Artilharia, é que os Cavaleiros finalmente conseguiram distinguir um formato vagamente preto, enquanto esta ‘coisa’ tirava a vida de seus companheiros.

Após a segunda rodada de disparos, o Duque finalmente conseguiu concatenar em sua mente o fogo e o som de rugido no campo do inimigo com o golpe indescritível contra sua unidade. Parecia que o outro lado tinha posto as mãos em uma arma incrível, com um alcance muito mais longo do que uma besta, quase como um dos trabucos[3] de Forte Cancioneiro. Percebendo isso, o Duque imediatamente deu a ordem para soar os chifres, pensando que, se eles pudessem se aproximar rapidamente do exército inimigo, essas armas de longa distância também se tornariam inúteis.

Os Cavaleiros, no entanto, ao ouvir os chifres, mostraram vários tipos de reações. Alguns deles realmente se precipitaram e avançaram para a direção de Vila Fronteiriça, mas outros ainda estavam lutando com seus próprios cavalos, enquanto uma pequena parte dos Cavaleiros estava recuando para a parte de trás do campo de batalha. Juntamente com os mercenários se espalhando, toda a cena rapidamente se transformou em um caos.

Quando os Cavaleiros voltaram para a estrada com a intenção de atacar, a Artilharia de repente ficou frenética. Além de limpar por dentro do canhão e recarregar a munição, eles também precisariam ajustar o ângulo de disparo. Neste momento, Raio voltou voando mais uma vez para a linha de defesa do exército de Roland, segurando uma bandeira vermelha em suas mãos.

A bandeira vermelha significava que o inimigo estava se aproximando da linha de quinhentos metros e a essa distância, a taxa de sucesso da Artilharia chegaria a mais de oitenta por cento.

Van’er gritou:

— O ângulo de disparo está correto! Rápido, acendam o estopim, acendam o estopim!

Quando o rugido ensurdecedor foi ouvido mais uma vez, Van’er nem sequer olhou para ver se eles tinham atingido qualquer coisa, em vez disso, ele imediatamente se virou para a equipe responsável pelas munições e gritou:

— Metralhas, tragam as metralhas!

Durante o treinamento da Artilharia, Sua Alteza Real enfatizava repetidamente que quando eles vissem a bandeira vermelha, mesmo que o canhão já estivesse carregado de projéteis sólidos, eles deveriam disparar imediatamente e depois recarregar com metralhas. Caso o canhão não estivesse carregado, eles deveriam preenchê-lo imediatamente com metralhas e aguardar até o ponto onde o inimigo alcançasse a marca de trezentos.

As metralhas pareciam uma lata cheia de bolas do tamanho de polegar e serragem. Para produzir metralhas, eles primeiro abriram um furo na lata, então enchiam de bolas e serragem, e só depois eles tampariam a lata com uma peça de madeira.

Quando Raio finalmente balançou a bandeira roxa, os quatro Esquadrões da Artilharia dispararam quase simultaneamente.

Esta foi também a primeira vez que Van’er usou as metralhas. De acordo com Sua Alteza Real, as metralhas causavam feridas que eram muito difíceis de curar, então eles apenas deveriam praticar o procedimento de carregamento. Hoje foi também foi a primeira vez que Van’er viu o incrível potencial que essas metralhas especiais tem em matar o inimigo.

Por causa da enorme diferença de pressão, a lata era quebrada em muitas peças logo após sair da boca do canhão. As pequenas bolinhas de ferro dentro da lata caíam como pingos de chuva sobre o inimigo, colocando os Cavaleiros a trezentos metros de distância no meio de uma mortal tempestade de metal e transformando as pessoas e os cavalos em uma névoa sangrenta que se assemelhava ao trigo sendo colhido. Algumas bolas de ferro, depois de penetrar nos corpos dos Cavaleiros, ainda tinham tanta energia cinética que mesmo os Cavaleiros que estavam atrás deles também não conseguiam escapar.

Os Cavaleiros com sorte o suficiente para sobreviver à tempestade, finalmente conseguiram correr mais rápido para diminuir a distância, pois o único pensamento que tinham em suas mentes era que deveriam atravessar essa fina linha de defesa e massacrar aqueles malditos covardes que só se escondiam atrás daquelas armas cruéis. Acelerando cada vez mais, estes Cavaleiros rapidamente avançaram os últimos cento e cinquenta metros, já baixando seus corpos, ao mesmo tempo em que os cavalos atingiam a sua velocidade máxima.

No entanto, esta distância aparentemente curta de cento e cinquenta metros, transformou-se em uma distância a qual os Cavaleiros não poderiam cruzar, pois a última rodada de disparo das metralhas destruiu completamente o último fio de esperança e vontade de lutar. Nos últimos cem metros até a linha de defesa, as bolas de ferro podiam penetrar de dois a três Cavaleiros ao mesmo tempo, transformando a área de disparo em frente ao canhão em um verdadeiro campo de morte. Dos vinte Cavaleiros na vanguarda, quase nenhum deles conseguiu sobreviver. A única diferença entre eles jazia na quantidade de bolas de ferro pelo qual eles foram atingidos.

O assalto dos Cavaleiro foi destruído completamente.

O medo criado pelo colapso do assalto dos Cavaleiros foi tão grande, que os escudeiros dos Cavaleiros tentaram fazer seus cavalos darem meia volta para fugir do campo de batalha. Quando viram o que aconteceu com os Cavaleiros, os mercenários não estavam dispostos a dar nenhum passo a mais. Eles sempre trabalharam por dinheiro, mas eles imediatamente desistiram de lutar quando viram o quanto eles teriam que pagar. Agora, no momento de sua retirada, eles corriam muito mais rápido do que durante o momento em que estavam atacando.

Quando a onda de sua esmagadora derrota varreu as forças aliadas do Duque, a situação logo se tornou impossível de controlar. A multidão tinha apenas um pensamento: eles tinham que fugir. Havia pessoas que caíram e foram pisoteadas até a morte, mas ninguém aproveitou o tempo para cuidar dos outros, eles apenas se odiavam por não serem capazes de fazer crescer mais um par de pernas e correr mais rápido.

Neste momento, a melodia da marcha de guerra ressoou através do campo de batalha, e as linhas da Infantaria começaram a marchar, cruzando o campo de batalha.


 

 

[1] Caso você não se lembra do processo de fabricação do canhão, você pode conferir novamente no capítulo 69.

[2] É sempre bom lembrar que o senso comum chama isso de bola ou bala de canhão, mas o correto é chamá-lo de projétil.

[3] Trabuco, ou trêbuchet em francês, é uma arma de cerco que se utiliza de contrapeso. Você pode conferir mais detalhes aqui.

JZanin
Professor de Química, mestre e jogador de RPG sem tempo.
FONTE
Cores: