LAB – Capítulo 103 – 3Lobos

LAB – Capítulo 103

As Famílias Madressilva e Alce (Parte 2)

— O que aconteceu? — Petrov passou pelo meio da multidão e perguntou.

— Senhor Hull, eles estavam falando sobre o Lorde de Vila Fronteiriça — Alguém respondeu ao ver o emblema dos Madressilva em seu peito — Ele confiscou todos os pertences do nosso povo de Forte Cancioneiro!

— Você pode me chamar de Petrov. Conte-me sobre a situação. — Petrov ordenou.

— Deixe-me explicar para você, Senhor Petrov.  — Simon disse enquanto passava apertado pela multidão, revelando um sorriso agradável — É exatamente o que parece. Nós servimos o Duque com nossas vidas. Então, eu morava em Vila Fronteiriça onde eu era responsável pelo gerenciamento das minas. Todo inverno nós trazíamos os moradores de volta conosco para Forte Cancioneiro, onde podíamos protegê-los dos ataques das bestas demoníacas. Mas este ano, após o fim dos Meses dos Demônios, quando um dos meus colegas, Cornélio Fletcher voltou para Vila Fronteiriça, o Lorde lhe disse que sua casa foi demolida pelas pessoas da vila e que ele não receberia nenhuma compensação por isso!

Nesse ponto, Simon se esforçou para copiar exatamente as palavras do 4º Príncipe.

— Ele disse: se você não admitir que a casa não pertence a você, eu o colocarei na prisão por deserção, onde você aguardará o dia de sua sentença. Senhor, você tem que entender, o que ele chamou de deserção, é o procedimento que usamos há mais de cem anos.

Petrov só conseguia imaginar a aparência daquele homem em sua mente.

Embora para o mundo exterior o Príncipe fosse extremamente insuportável, comparado com minhas experiências com ele das últimas reuniões, Roland Wimbledon não parece ser um leviano. Além disso, seu método de lidar com o crime de deserção acertou em cheio. No entanto, enquanto estes aqui não pensaram no assunto e estão só procurando uma razão para condená-lo, o Príncipe nunca pensou em convencer a aristocracia com razão alguma.

Além disso, ele já se separou do Forte Cancioneiro há muito tempo. Ou — Petrov começou a pensar e analisar profundamente a questão —, será que o Príncipe não sabia que a nobreza buscaria refúgio em Forte Cancioneiro? Obviamente, isso não é possível. Ele sabia claramente, mas ainda forçou uma acusação criminal sobre eles, forçando o outro lado a fazer uma escolha. No fim das contas, ele ainda deixou a outra parte voltar para Forte Cancioneiro para denunciar um ato tão bárbaro. Mas afinal, o que o Príncipe quer alcançar?

— Mas ele ainda é o Lorde de Vila Fronteiriça. — O homem que conversava com Simon anteriormente, disse — E como Lorde, ele tem o poder de ditar as regras dentro de sua própria terra.

— Vila Fronteiriça ainda pertence à jurisdição do território Norte. — Simon respondeu de forma infeliz com uma voz fria — Você questiona a autoridade de Duque Ryan? Como Duque, é seu trabalho supervisionar a mina, e ele nomeou os nobres para fazê-lo em seu nome. Mas agora, Roland tomou todas as casas da nobreza para si mesmo, e está pressionando abertamente as seis Famílias. O Duque Ryan não vai aguentar ficar só olhando e não fazer nada.

— Você está falando sobre o homem que enforcou Hiller Dimitry[1]? — Petrov não sabia quando Rene apareceu — Meu pai ficou furioso.

— Jovem Senhor, — Simon disse recebendo-o com uma saudação —, é exatamente esse homem, e agora ele está se comportando de forma ainda mais selvagem. Tenho medo de que apenas Duque Ryan possa parar o Príncipe e espero que você transmita essa questão ao Duque.

— Não se preocupe, com ou sem esse incidente, Duque Ryan já está preparado para jogar suas cartas. — Rene aparentava não estar nem um pouco preocupado com o futuro — É exatamente por essa questão que voltei, é só que … neste momento, meu irmão mais velho ainda está na Cidade Real de Castelo Cinza honrando seu nome por conta de um contrato comercial, então, no momento só posso liderar a Família Alce.

— Sério? Isso é ótimo. — Simon disse alegremente.

Petrov franziu a testa. Ele próprio sabia que este dia chegaria mais cedo ou mais tarde, pois desde o momento em que chegou a entregar a oferta comercial, o Príncipe escolheu ficar todo o inverno em Vila Fronteiriça. Mas ele nunca esperou que seu próprio amigo estivesse lutando nesta batalha. Apesar de todos os olhos encarando o grupo, ele puxou Rene diretamente para o lado dele, tentando desencorajá-lo:

— Você não deveria se envolver nesta batalha, é contra um Príncipe que você estará lutando.

— Eu sei que ele é um Príncipe, o Príncipe da Montanha. —  Rene deu um tapinha no ombro de Petrov — Tenha a certeza, o Duque Ryan não vai machucar o Príncipe, talvez, da mesma forma como foi no passado, ele se renderá quando encontrar resistência. Mesmo que ele queira resistir, se nós formos para a batalha com nossos cavalos, esses agricultores e mineiros irão fugir de medo. O 4º Príncipe nunca brandiu uma espada ou uma lança, acho que ele nem é capaz de cortar cabelo.

Não, minha preocupação é que o Príncipe vai machucar você … — Mas Petrov foi incapaz de dizer isso.

Ele sabia que os outros jamais acreditariam nele, porque até mesmo para o próprio Petrov, já era difícil de acreditar. O Príncipe só possuía agricultores e mineiros, enquanto o Duque pode confiar em cavaleiros.

Eu não sei por que, mas quanto mais eu penso nisso, mais eu fico desconfortável. — Petrov pensou.

— Mestre Petrov, seu pai está te procurando, ele tem algo para discutir contigo. — Um mordomo de cabelos brancos subitamente correu para o lado de Petrov e falou em seu ouvido.

— Entendi. — Petrov acenou com a cabeça, e depois de um adeus adiantado para Rene, ele pediu a um cocheiro para leva-lo de volta à Casa Madressilva com sua governanta.

— Pai! — Ele entrou no escritório e viu seu pai, Shalafi Hull, escrevendo alguma coisa na mesa.

Quando ele ouviu a voz de Petrov, o Conde não parou de escrever, mas disse:

— Você precisa resumir para mim o número de pessoas e a produção dentro de nosso território e me entregar, para que eu providencie os soldados para a expedição da primavera. O Duque Ryan já enviou seu pedido de armas e quando a neve derreter, nós e as outras cinco Famílias devemos fornecer cavaleiros e mercenários, que depois marcharão contra Vila Fronteiriça.

— Quanto temos de providenciar?

O Conde pôs a caneta de lado e levantou a cabeça.

— Mas o que aconteceu? Até agora, você nunca se preocupou com esse tipo de problema. — Ele esticou o braço até o lado da mesa e abriu uma carta — Devemos enviar pelo menos vinte e cinco cavaleiros, juntamente com os respectivos cavalos e escudeiros. Também para os mercenários, eles devem estar totalmente equipados e, por último, temos que enviar 100 servos ou libertos, que precisam estar equipados com armas simples.

Petrov resumiu as tropas dentro de sua cabeça.

Se eu acrescentar todos os soldados fornecidos pelas cinco Famílias, vamos providenciar mais de 1.000 soldados. Juntamente com as tropas do Duque, somarão uma força capaz de varrer qualquer poder no território Norte. Mesmo que Forte Cancioneiro não envie seus guardas, essa força não é algo que Vila Fronteiriça possa resistir. Afinal, Vila Fronteiriça tem apenas dois mil habitantes.

— Pai, você poderia ficar longe do campo de batalha? — Petrov perguntou hesitante.

— O que você quer dizer filho? — O Conde perguntou estranhando a atitude do filho.

— Estou preocupado com sua segurança.

— Sua Alteza Real tem apenas alguns cavaleiros e menos de 50 guardas. Nossos números são mais do que dez vezes maior que os dele!

Teoricamente, este seria o caso, mas seu pai nunca viu o Príncipe antes. Petrov, por outro lado, sim.

— Mas … pai, todos disseram que a muralha feita de barro logo iria cair, mas o Príncipe presidiu a construção e ela ainda está lá de pé, firme e forte. Eles também disseram que Vila Fronteiriça não iria resistir aos ataques das bestas demoníacas, por só ter fazendeiros e mineiros. Sua Alteza Real não só fez isso, como até conseguiu defender a vila até o fim dos Meses dos Demônios, e durante os meses inteiros, ninguém fugiu de Vila Fronteiriça. — Quanto mais ele dizia mais perturbado ele ficava — Agora, mais uma vez, todos pensam que o Duque Ryan vencerá Roland Wimbledon, avançando sobre o Príncipe tão facilmente quanto avançam sobre uma formiga. Pai, você está certo de que será tão fácil quanto você pensa?

— Já chega! — Shalafi deu um soco na mesa. Ele balançou a cabeça e levantou-se, depois foi até a parede, cujos retratos de seus antepassados estavam pendurados — Você sempre gostou mais de ser comerciante e comprar e vender mercadorias do que montar um cavalo e ir à guerra, isso está bom para mim. Mas ser comerciante não é igual a ser um covarde.  Os comerciantes que atravessavam o oceano encaram a morte todos os dias! — O Conde gritou, apontando para a parede — Olhe para os retratos, do seu avô, do avô de seu avô, todos apoiados em seu arco ou sua espada e lutando contra bestas demoníacas, bandidos e ladrões. Você me decepciona, tendo tanto medo de lutar!

Não, pai … — Petrov inclinou a cabeça, não mais motivado a argumentar, mas, dentro de seu coração, pensou — Você está falando sobre o pai do avô e do avô, mas se você olhar mais de perto esses rostos poderosos e, então, olhar sua barriga para fora da calça e sua papada … pai, você realmente acredita que é capaz de usar o arco?


 

[1] Caso você não se lembra da história, ele é o tio de Cicatriz Sinistra. Você pode conferir a sentença no capítulo 32 e as notícias no capítulo 54.

JZanin
Professor de Química, mestre e jogador de RPG sem tempo.
FONTE
Cores: