DCC – Capítulo 97 – 3Lobos

DCC – Capítulo 97

Que monstro

 

O domínio era a segunda etapa do processo de aprender as artes mágicas. Tecnicamente, todos nós já deveríamos ter o conhecimento, e agora nós deveríamos ter o domínio sobre esse conhecimento. O professor Cássio começou a explicar de novo:

— Invocar a força mágica é o primeiro passo para desencadear o domínio do artista sobre a matéria orgânica e inorgânica. Lembrando a todos que aqueles que atenderem aos critérios de domínio de força serão imediatamente promovidos para a disciplina de Expressão, onde vão poder praticar sob a orientação de um tutor as técnicas de domínio da onipotência.

Vários murmúrios excitados vieram da turma. A academia funcionava de um jeito completamente diferente da minha antiga escola. Em Sátie, eu entrava junto com a turma no início do período, recebia do professor o conteúdo programado, até cumprir a carga horária específica, e deveria corresponder com notas boas para passar para o período seguinte, senão eu reprovaria e teria que cursar tudo de novo.

Na academia, a estrutura era completamente diferente: as turmas começavam juntas como em Sátie, mas não havia carga horária mínima para promover um aluno para a disciplina seguinte, nem reprovação. Tudo dependia do desempenho individual. Desde que o aluno fosse capaz e tivesse interesse de ser promovido, ele seria. Alguns demoravam poucos meses, outros ficavam entalados por anos em uma mesma disciplina.

O problema era justamente esse bendito domínio. Conseguir aprender o conteúdo não era um problema, mas dominar ele era uma história completamente diferente. Então, assim que os professores julgassem que os alunos já tinham as competências suficientes para encarar a etapa seguinte, os alunos seriam encaminhados, caso contrário, iriam ficar empilhados na mesma disciplina por eras… ou até desistirem.

Afinal, era bem comum o dizer que a magia não era para todos. Para se ter uma ideia, a turma de Dinâmica agora tinha quase cem pessoas atendendo às aulas. Todas tentando preencher os requisitos mínimos para serem promovidos para a próxima disciplina de Expressão ou para as aulas práticas de voo.

— Para os que estão chegando agora, a próxima atividade de vocês é bem simples! — O professor continuou. Ele riscou o ar com o dedo, dando um comando ao sistema para preparar a aula. A sala era bem diferente. Não tinham mesas e cadeiras. Parecia uma pequena arena com um campo de treino no centro, de onde subiram várias colunas prateadas de aspecto caro. — Cada um de vocês deve se encaminhar para um desses totens e irá tentar atingí-lo com o máximo de força possível. Cada totem é equipado com um sistema capaz de medir com precisão o impacto recebido na hora.

A audiência da aula se encheu de murmúrios de novo. A grande maioria da turma não parecia muito animada. Eles provavelmente já estavam fazendo isso há um bom tempo. Apenas nós que entramos esse ano estaríamos começando a ser testados com os totens. O professor continuou a explicação:

— O critério de avaliação também é bem simples: quem demonstrar o domínio de atingir o totem pelo menos cinquenta vezes seguidas com o mesmo nível de força mágica sem nenhuma oscilação, pode ser promovido para cursar Expressão com o professor Maximillian.

— Ah, entendi… — eu suspirei depois de ouvir a explicação do professor. Era uma atividade que exigia um mínimo de preparo físico.

— O que você entendeu? — Isaac perguntou. As meninas se aproximaram para ouvir também o que eu iria falar. Essa era a disciplina mais difícil para elas.

— Não é uma questão de quão forte você bate, mas sim de quanto controle você tem sobre a força.

— Então, não precisamos bater como aqueles trogloditas? — Michelly perguntou apontando para os primeiros que já tinham se adiantado para os totens e já estavam começando a levantar poeira enquanto os gráficos dos totens exibiam os valores dos impactos de cada golpe.

— É claro que não. Nem todo mundo aqui precisa ter muita força mágica. Controle é o mais importante, — eu disse, tranquilizando as gêmeas. — Contanto que vocês possam expressar alguma força mágica com controle, acho que será o suficiente para poderem ir para as aulas práticas de voo.

As meninas se animaram e correram logo para escolher um totem para elas. Boa parte da turma já estava se posicionando e podíamos ouvir o som do treinamento árduo que todos estavam fazendo. Alguns eram bem mais modestos, outros sequer conseguiam expressar força mágica alguma, já outros pareciam deixar cair uma bomba sobre o totem tamanha a força do impacto.

Eu fiquei observando por um tempo, antes de descer eu mesma. Realmente, mesmo com toda a capacidade que aquelas pessoas tinham de atingir o totem, eles não conseguiam repetir o feito exatamente igual uma segunda vez. Quiçá cinquenta…

— Você reparou que a força mágica é apenas uma variação do controle da gravidade ao redor do corpo do artista mágico — Isaac disse. Ele também não tinha descido imediatamente, e observava atentamente os alunos praticando contra os totens.

— Sim… Mas é bem complexo na verdade. Dá pra ver as flutuações de energia circulando ao redor do corpo dele — eu disse apontando para o cara que conseguia fazer os impactos mais poderosos. — Ele concentra a gravidade de forma que ela gera uma pressão bem maior no punho dele, e assim, ele é capaz de liberar essa pressão em um ataque poderoso. Mas ele não consegue controlar as flutuações de energia. Toda vez que ele ataca de novo, o peso é completamente diferente.

— Hum… — Isaac apertou os olhos enquanto observava os demais alunos. — Então, isso seria basicamente o oposto de voar. Enquanto a força mágica é feita concentrando as flutuações de energia, o voo é feio dissipando essas mesmas flutuações.

— Ah! Então é por isso que quando eu comecei a voar, eu não sabia como acelerar ou frear no ar. Eu não consegui controlar as flutuações… — esse lampejo de esclarecimento me animou um pouco. Eu já conseguia voar bem, mas não sabia explicar na teoria por que eu tinha aquela dificuldade.

— Então vai ser mamão com açúcar! — Isaac disse se levantando e alongando os braços.

— Eu vou logo depois… — eu disse, voltando a escanear com a Sabedoria para saber se já tinham feito algum movimento contra nós. Mas eu queria observar bem como Isaac iria se sair. Ele era muito talentoso e tinha bastante capacidade. Fora que ele estava cursando as três artes mágicas.

Isaac se colocou na frente de um totem próximo aos das gêmeas, mas não começou a bater logo de cara. Ele fechou os punhos e bateu um contra o outro primeiro. Ele estava medindo a própria capacidade antes de começar, para não desperdiçar nem um único movimento.

Então ele deu o primeiro soco. Não foi grande coisa. O marcador do totem exibiu como um ataque de 200kg. Mas foi o segundo soco que fez a diferença. Foi um soco de exatamente 200kg de novo. Então um outro tipo de marcador apareceu no topo do totem exibindo uma contagem regressiva para cinquenta. Agora tinha quarenta e oito.

De primeira, ninguém reparou nisso, mas é claro que o sistema notificou o professor de que alguém tinha conseguido fazer um ataque estável consecutivo de primeira. O professor não disse nada, mas se aproximou enquanto observava cada movimento de Isaac. Então Isaac lançou o terceiro ataque, o quarto, o quinto… todos eles perfeitamente estáveis. Todos eles marcando exatamente 200kg.

Os outros alunos começaram a reparar no marcador regressivo do totem de Isaac e começaram a se amontoar ao redor dele, bloqueando minha visão. Bom, se eu não podia mais assistir, então eu iria logo fazer a minha parte.

Vários colegas gritavam excitados enquanto olhavam Isaac alcançar pacientemente a marca dos 40… 30… 20… Quando faltavam apenas dez ataques para ele, mesmo o professor não pôde deixar de ficar animado e entrar na roda de alunos impressionados.

— Caramba! Ele vai conseguir de primeira!

— Eu ouvi dizer que a última pessoa que conseguiu passar nesse teste de primeira foi o imperador Marco!

Eu ouvia os outros alunos comentarem. Ainda bem que ninguém sabia da ascendência de Isaac, senão ninguém diria que existe justiça nesse mundo.

Quando o marcador de Isaac mostrava que faltavam apenas cinco ataques para finalizar a contagem, a turma começou a contar junto. Isaac balanceava lentamente cada ataque e depois atingia o totem para depois voltar a balancear o corpo.

— Três! — todos os colegas gritavam animados.

— Dois!

— Um!!!

— Caramba! Que monstro!

— E com apenas 200kg! Eu tava perdendo tempo tentando atingir o totem com mais de uma tonelada…

A turma toda festejou. O sistema do professor imediatamente enviou um arquivo com a conquista de Isaac com os gráficos detalhados e todos os dados coletados pelo Totem durante o teste. Imediatamente depois, um segundo arquivo foi enviado. Outra pessoa tinha conseguido a conquista enquanto todos estavam distraídos com Isaac.

Eu.


Nega Fulor
Leitora compulsiva. Escritora obsessiva. Artista nas horas vagas.
FONTE
Cores: