DCC – Capítulo 96 – 3Lobos

DCC – Capítulo 96

A princesinha de novo

 

Quando a aula acabou, eu e Isaac saímos para a próxima no Centro de Onipotência, mas encontramos nosso caminho bloqueado pela princesa de Kanis e suas damas da corte. Ela parecia ter um sorriso bem presunçoso quando olhava pra mim.

– Ora, ora se não são os nossos colegas de turma Alesia e Rael! E parece que a coleguinha Briane faltou aula.. que triste… – ela disse cheia de malícia.

– Você está realmente falando com a gente? – eu disse pra ela. Desde a primeira aula, quando a tentativa de intimidação dela falhou, ela não tinha se aproximado de mim em nenhum momento – O que foi que te deu tanta coragem?

A princesa deu um passo ameaçador em minha direção mostrando os dentes de raposa velha dela, enquanto as damas da corte se moviam como sombras ao lado dela.

– Seu blefe já era. Eu até pensei por um tempo que você pudesse ser alguém importante, mas você é só uma ninguém sem ter onde cair morta.

Eu olhei pra ela esperando que ela fosse falar alguma coisa mais espetacular. Porém eu não desmenti essa informação. O timing dela estava muito perfeito.

– E daí? Eu ainda não te dei permissão pra ficar dentro do meu espaço pessoal… – eu disse com uma leve aura ameaçadora para elas.

– Eu te disse que se mexessem comigo, eu iria arranjar pra nenhum de vocês ficassem nessa academia! – Ela disse com a postura altiva, mas já tinha perdido metade da coragem. – Uma zé ninguém como você se atreveu a levantar a mão contra uma nobre. Você vai sentir o que é o terror de ter alguém com status maior que o seu na sua cola.

– Você sabe o que eu mais gosto de fazer, Beatrice? – eu disse pra princesa. As damas ficaram em choque. Ninguém, nem mesmo o professor, tinha chamado a princesa pelo primeiro nome dela na frente dela. Na cultura dela, fora do círculo de amizades, dizia-se que dava azar, e feito de propósito, isso era considerado uma ameaça. – É de fazer com que as pessoas engulam as próprias palavras.

Peguei Isaac pela mão e dei a volta pelas garotas plantadas no chão. Elas tinham vindo tentar me ameaçar de novo, mas eu não tinha dado oportunidade pra elas, e nem iria dar. Além do mais se eu me demorasse mais tempo ali, era capaz de eu ser expulsa da academia por ter enterrado a cara de uma nobre no chão. Eu estava sem saco nenhum pra ter que lidar com as babaquices daquela doida.

Ainda por cima, ela tinha acabado de se jogar na minha rede. Que espécie de burrice era essa? Depois de tudo o que aconteceu ontem, ela ter vindo diretamente me ameaçar… Porque tinham tantos anos de vida desperdiçados em uma mente tão burra? Brards eram realmente existências injustiçadas.

– O que está acontecendo afinal? – Isaac perguntou preocupado.

– Não se preocupe com isso… – eu disse tentando parecer que não era nada demais – eu e as garotas topamos com alguns problemas ontem, mas já estamos resolvendo. Parece que a nossa colega alí até tem um dedo no meio. E se eu descobrir que ela tem, pode ter certeza que eu vou fazer com que a minha primeira ameaça seja cumprida.

– Uol! – Isaac pareceu um pouco assustado com a intensidade da minha voz – Você realmente sabe guardar ressentimento.

– Ela não é realmente alguém que pode me atingir… – eu mesma pude sentir o desdém em minha vós contra a princesinha. – “Uma ninguém sem ter onde cair morta”… humpf… Os Siever fizeram um trabalho muito melhor investigando minhas origens do que ela.

– Ah… mas também não dá pra comparar! A Casa dos Siever é uma instituição de escala galáctica. Querer que uma pequena nobreza como a de Kanis tenha acesso aos recursos que os Siever tem pra encontrar informações sobre alguma pessoa… eles provavelmente descobriram apenas as informações que o grupo de guardiões deixou exposto pra te proteger. – Isaac disse sendo realista. – Ela provavelmente pensou que se ela não foi capaz nada que provasse sua nobreza, então é por que tal coisa não existe.

Eu ri. Parecia realmente uma linha de raciocínio que a princesa seguiria. Afinal, quem diabos esconderia nobreza quando poderia viver espezinhando os plebeus inferiores como ela fazia? Urg… Só de pensar nela, me dava mais nojo. Então Isaac perguntou sinceramente preocupado:

– Tem alguma coisa que eu possa ajudar?

– Bom, não nesse momento, seu pai já está no meio, então acho que se você aparecer, o seu segredo vai ser exposto… – eu expliquei pra ele.

– Você apresentou Henry pras meninas? – Isaac estava realmente chocado. – Então deve ser um problema bem grande… elas reagiram bem?

– Sim… Estamos cuidando de tudo agora, então você não precisa se preocupar. É até melhor que assista de fora. Assim se for preciso, vai ser uma testemunha imparcial.

Isaac pensou um pouco e aceitou. Ele não também não fez mais perguntas. Curioso como era, ele sabia que algo estava acontecendo de longe, então não adiantava tentar esconder. Mas ele era razoável. Isaac entenderia se eu pedisse pra ele não fazer perguntas. Afinal, foi ele quem me ensinou que essa também era uma forma de guardar segredos.

Márcia e Michelly já estavam no Centro de Onipotência para a aula de Dinâmica quando chegamos. O professor Temístocles Cássio, um homem corpulento e estabanado com uma voz parecida com uma trovoada chegou pontualmente no horário de início já pedindo pelos trabalhos. Os alunos se aproximaram e começaram a transferir os dados do trabalhos pro professor através dos Links.

– Eu vejo que faltaram dois trabalhos… – ele disse com a voz alta cobrando com severidade.

– Professor, Briane e Isabel não estão bem hoje e não puderam vir para a aula. Elas pediram para enviar o trabalho pela gente…  – Eu falei acima da turma barulhenta.

O professor me olhou por um momento depois abriu um sorriso compreensivo. Isabel e Briane eram ótimas alunas. Elas tinham faltado, mas tinham enviado o trabalho mesmo assim.

– Muito bem. Pode transferir por elas. Mas elas devem me entregar um relatório completo sobre o conteúdo dessa aula a próxima vez que comparecerem. A partir de hoje vamos começar um conteúdo totalmente novo e é uma das principais bases para quem pretende seguir carreira na onipotência. Mas também é muito importante para quem quer apenas aprender as bases para as disciplinas de voo.

O professor começou a explicar. Eu já estava ansiosa por esse assunto desde o começo, porque eu não tinha nenhum conhecimento inato sobre ele. Pelo menos isso me ajudaria a concentrar minha mente com tanta coisa que eu tinha que pensar no dia de hoje. O professor continuou a explicar.

– Como sabem uma das principais etapas da maestria em artes mágicas é o domínio. E o domínio da onipotência é algo extremamente feroz. É o domínio do corpo. Hoje vocês vocês vão começar a aprender a invocar a força mágica.


Nega Fulor
Leitora compulsiva. Escritora obsessiva. Artista nas horas vagas.
FONTE
Cores: