DCC – Capítulo 88 – 3Lobos

DCC – Capítulo 88

Fofocas

 

Depois da pífia tentativa da princesinha de nos intimidar, acabamos indo para o terceiro anel tentar a sorte de ver o famoso Henry Siever. Eu não tinha como dizer para ela que Henry havia me dito que não daria mais nenhuma aula hoje. Briane parecia ser uma grande fã dele e nos contou um pouco sobre sua vida:

— O meu planeta, Belchior III, no 24º quadrante, foi durante anos, principalmente durante a guerra, vítima de exploração e sanções impostas pelos planetas mais nobres — ela começou a explicar. — E como lá sempre houve um convívio simultâneo de Jomons e Brards, nunca interpretamos que os Jomons fossem superiores de alguma forma. Sempre tivemos os mesmos direitos e nos tratávamos igualmente. Depois da guerra, todas as sanções foram proibidas. E um dos planetas que saiu perdendo por não poder mais explorar os nossos recursos foi Kanis, no mesmo quadrante.

— Então é por isso que você não gosta da tal princesa? — Isaac perguntou para Briane.

— Kanis tem um sistema político centralizado em uma única família. Depois de tudo o que eles fizeram, eu não gosto de nobreza hereditária alguma…

Isaac engoliu em seco, nervoso. Briane continuou:

— Esses herdeiros todos acham que podem passar por cima dos direitos dos outros e explorar os mais fracos. É ultrajante.

Enquanto Briane falava, eu pude sentir pela primeira vez ela expressar um sentimento mais intenso, quase uma raiva ou um ressentimento.

— Se ela é uma nobre de um planeta importante, como você acha que pode nos defender dela? — eu não resisti em perguntar.

— Bom, já que Belchior tem os mesmos direitos que Kanis perante o império, então nosso representante planetário também tem direito a brasões azuis para conceder à família durante seu governo. Mas ele escolheu conceder a mim, porque eu sou a primeira do meu planeta aceita na academia! — ela disse orgulhosa.— Eu sou uma esperança para Belchior, então eu espero abrir portas pros meus conterrâneos.

— Uau… Você é mesmo uma idealista. — Eu não pude deixar de me admirar.

— Por isso que eu admiro muito, tanto Henry Siever quanto o imperador Marco Gionardi! — Briane disse voltando a expressar os olhos brilhantes e impressionáveis de sempre. — Os dois vieram de lugar nenhum, sem nenhum suporte fantástico para impulsionar os passos deles, e chegaram onde estão. Eles realmente são uma inspiração!

Eu não poderia dizer isso de Marco já que eu não sabia quase nada da vida dele, mas com certeza Henry não teve uma vida difícil ou desfavorecida. Se ela soubesse que ele na verdade era da Casa dos Siever, em vez de ser apenas uma coincidência ter o mesmo nome…

— Seria um pecado perder essa chance de vê-lo pessoalmente.

.— Bem, acho que sim, não é? — eu respondi.

— Eu adoraria saber quem é a acompanhante dele! Ela deve ser uma pessoa simplesmente incrível e talentosa! — Eu quase tropeço no chão liso ouvindo isso.

— Como assim? Isso não é coisa de fofoca? — perguntei desconcertada.

— É claro que é! — Ela realmente estava animada sobre essa conversa — Ele passou vários anos sem aparecer publicamente, então ele simplesmente aparece durante o festival do ano novo imperial acompanhado de uma moça! Os boatos que tem por aí é de que eles moram juntos e talvez sejam casados!

— Pfff…. — Isaac não aguentou segurar mais e começou a rir — Bom, pelo menos sabemos porque ele inventou o bloqueador de registro de imagens. Assim ninguém consegue tirar nenhuma foto dela, então se ela quiser, ela continua anônima.

— E por que isso seria engraçado? — eu perguntei extremamente constrangida.

— E por que não seria? Todo mundo realmente pensa que eles dois estão juntos ou coisa do tipo! — ele respondeu, ainda rindo.

Por uma fração horrorosa de segundo, se formou em minha mente a ideia de que Henry não havia contado ao filho que estava namorando comigo — Ohhh… que embaraçoso!!!

— Você fala como se soubesse a verdade! — Briane disse quase exasperada — Wow… você é de Keret, talvez tenha ouvido falar de alguma coisa realmente interessante que não saiu nos tabloides da macronet!

— Não ouvi muita coisa além disso… — Isaac disse sem jeito enrolando a ponta dos cabelos com os dedos, percebendo que estava falando demais. — A última coisa que eu soube era que eles estavam se dando muito bem como amigos…

— Vai… você não acredita realmente nisso? — Briane perguntou animada.

— Vamos apenas deixar essas fofocas de lado, — eu disse tentando cortar o assunto. — Olhe lá, não é uma comoção de pessoas próximas ao Centro de Engenharia Forense?

Tinha realmente uma aglomeração considerável de pessoas na entrada do centro. Haviam seguranças checando as credenciais dos estudantes para que apenas os matriculados no curso pudessem ter acesso ao espaço. O restante se aglomerava esperando uma brecha para se esgueirar para dentro sem ser percebido.

— Bom, vou deixar vocês duas aqui para tietarem o quanto quiserem. Não estou realmente interessado em encarar essa multidão, — Isaac disse, retornando para o portal. Logo em seguida eu recebi uma mensagem de texto dele pelo Link — “lembre-se de não contar ao pai Henry que eu estou aqui, por favor!”

Então ele não queria correr nenhum risco de ser reconhecido por Henry caso ele realmente passasse por aqui. Não dava pra negar que era uma possibilidade, mesmo com essa multidão enorme, graças à conexão entre as relíquias, nós dois poderíamos sentir a presença um do outro quando estivéssemos por perto.

— Até mais Rael! Nos vemos na próxima aula! — Eu e Briane nos despedimos dele.

— Será que temos alguma chance de conseguir ver alguma coisa daqui? — eu perguntei tentando parecer convincente.

— Eu soube que ele mandou avisar que tem que resolver assuntos pessoais e vai faltar hoje, — alguém comentou por perto.

— Então ele realmente não vai aparecer? — um cara perguntou decepcionado.

— Parece que já confirmaram… ninguém nem o viu saindo da casa no anel externo hoje…

As pessoas comentavam decepcionadas, mas pareciam muito relutantes em partir e perder uma chance de ver Henry pessoalmente, mesmo que de longe. Isso tudo era realmente muito exagerado. Eu lembro de quando o conheci, eu não fiquei tão influenciada assim pela identidade dele. Talvez eu não tenha tido a reação correta esse tempo todo sobre o nível da pessoa com quem estou. Se bem que eu nunca tinha levado a sério sequer a posição do imperador. Eu não os sentia como pessoas distantes de mim, das quais eu deveria admirar de longe. Mas mesmo que eu não me rebaixasse para lidar com eles, eu tinha que admitir que era impressionante.

— Talvez a namorada dele tenha vindo ficar com ele? — alguém comentou por perto.

Briane apurou os ouvidos em direção à conversa.

— Eu ouvi dizer que estão oferecendo dois bilhões de créditos por uma foto legítima dos dois juntos, — outra pessoa comentou.

— Puts! Dois bilhões de créditos? Isso não é meio absurdo? — eu não pude deixar de comentar em voz alta.

Mesmo que agora eu pudesse dispor dessa quantia como se não fosse nada na minha conta pessoal, ainda sim era uma quantia absurda. Com dois bilhões de créditos eu poderia possivelmente comprar metade de Sátie e governar o planeta como se não fosse nada. E tudo isso por uma foto?

— Mas é claro que não! — o rapaz que falava me respondeu. — Ela deve ser alguém simplesmente espetacular pra ter conquistado Henry Siever. Fora que ele nunca negou que estava casado, então a identidade dela deve ser uma das mais cobiçadas da galáxia atualmente.

Puta merda. Ferrou.

— Se bem que essa é a primeira vez que se paga mais de um bilhão de créditos por uma foto de alguém que ninguém nem sabe quem é! — outra pessoa emendou a conversa. — E ainda por cima, simplesmente dobraram a recompensa. E olha que a última recompensa ainda está valendo, já que ninguém nunca conseguiu!

— Qual é a última recompensa? — eu perguntei discretamente para Briane.

— Se não me engano, ofereceram um bilhão de créditos por uma foto da esposa ou do filho do imperador Marco.

Eu senti minha mente gritar nesse momento.

— Ele nunca divulgou nenhuma foto do filho… ele deve ser uma criancinha tão fofa!

Puta merda mesmo! Pelo menos o disfarce de Isaac deveria estar bem guardado. Mesmo que ele se apresentasse como Isaac Gionardi, seria impossível alguém associar ele ao filho do imperador, já que todos imaginavam que ele provavelmente seria um Jomon puro. Jomons árias puros com quinze anos lembravam bebês da turba com dois anos. O grupinho continuou conversando sobre as fofocas acerca de Henry.

— Bem, se não tem nada para ver aqui, vamos voltar, — Briane disse finalmente e eu pude relaxar. — Você parece bem tensa com isso tudo! — ela comentou no caminho de volta.

— Isso com certeza é algo muito novo pra mim… — eu comentei sentindo meus ombros caídos. Então comecei a reclamar, — Porque ele não esclarece tudo afinal? Se ele não é casado, então ele não deveria deixar subentendido…

— Não é? Estou morrendo para saber a verdade também! — ela completou achando que eu estava reclamando pelo mesmo motivo que ela. — Mas não precisa ficar tão chocada. Eu sei que dois bilhões deve parecer uma quantia infinita pra você, mas pros figurões dos tabloides, isso não passa de um sopro insignificante que seria rapidamente ressarcido.

Essa parte era realmente a pior. Quanto mais Henry se mantivesse nos holofotes, mais difícil seria para nós mantermos uma vida privada. E mesmo que não houvesse problemas em descobrirem sobre mim, o que viria depois? Nós nunca envelheceríamos. Como esconderíamos nossas identidades?

Que bagunça…

Quando Briane e eu chegamos no apartamento, eu estava completamente exausta. Isabel já estava na sala de estar com os pés estendidos sobre a mesa acompanhando as notícias da macronet pelo Link. Eu a cumprimentei brevemente e Briane se sentou com ela, enquanto eu me retirei para a minha suíte.

Porém, quando abri a porta e entrei, o lugar que vi na minha frente não era o meu quarto, mas outro quarto completamente diferente. Dei meia volta achando que tinha errado de porta, mas para trás de mim não havia mais a porta. Algo havia me mudado de lugar. E atrás de mim, onde devia estar a porta por onde eu tinha acabado de entrar, Henry. Ele. Estava. De. Joelhos! Me olhando com um sorriso maroto e a mão estendida para mim.


Nega Fulor
Leitora compulsiva. Escritora obsessiva. Artista nas horas vagas.
FONTE
Cores: