DCC – Capítulo 84 – 3Lobos

DCC – Capítulo 84

Acomodações

 

Isaac, Amelie e eu saímos do prédio administrativo. Isaac estava consideravelmente aliviado.

— Então acho que agora devo te chamar de Rael? — era uma pergunta retórica, mas eu nem sabia por onde começar a conversar com ele.

Isaac porém, ao contrário dos pais, era radiante, alegre e simpático. Sorriu animado para mim, feliz enquanto olhava para o bracelete de aluno que usava.

— E o seu horário? — ele perguntou de volta.

Eu compartilhei com ele as minhas informações de horários e ele compartilhou as dele comigo. 

— Parece que temos muitas turmas em comum… — ele disse comparando. — Estou impressionado… você vai fazer as disciplinas de onisciência e onipotência! Pouquíssima gente consegue dar conta de aprender duas vertentes ao mesmo tempo… você deve ser muito talentosa.

Eu sorri de volta sem graça.

— Olha só quem fala! — eu disse observando os horários dele. — Além de onisciência e onipotência, você também vai fazer as disciplinas de onipresença! Se é difícil encontrar quem dê conta de duas, quem diabos dá conta de três?

— Hehe! — Ele sorriu orgulhoso. — Pai Henry, mesmo que seja desinteressado por magia, é o mais novo artista mágico a se tornar mestre nas três artes antes dos três séculos de idade. E por acaso pai Marco é o segundo mais novo, além de ser o mais novo imperador da história.

Eu olhei para Isaac e não resisti em perguntar:

— Isa… Rael, você sabe que Henry não se dá bem com Marco?

— Claro que sei. Eu não sou idiota, dá pra perceber… — ele respondeu na defensiva.

— Ah… me desculpe, eu não quis…

— Não se desculpe, eles dois que têm que se desculpar. Seja lá o que de tão grave aconteceu entre eles, eles têm que conversar e seguir em frente.

Eu observei a reação dele. Ele provavelmente não sabia o motivo da briga entre Marco e Henry. Porém, se Henry não havia contado ainda, então eu não tinha o direito de me meter nesse assunto. Ele contaria se achasse que fosse o certo a se fazer. Então mudei de assunto:

— Nossa primeira aula ainda é hoje… Mentalização, com o professor Theo Yuri.

— Sim, vou passar no meu dormitório pra guardar minhas coisas antes de descer… — então Isaac olhou para Amelie. — Você tem que deixar ela no seu dormitório. Apenas alunos, professores e funcionários da academia podem entrar nos anéis internos… Afinal, o que tem de errado com ela?

— Eu te explico quando estivermos a sós. Aqui… vamos sincronizar nossos contatos. Assim podemos nos comunicar pelo Link, — eu disse.

Nos despedimos de Isaac, e voei com Amelie para o endereço que Henry havia me dado do nosso dormitório. Era uma mansão estilo minimalista super elegante em um distrito significativamente requintado. Ao que parecia, apenas elites da galáxia moravam por ali, mas o que me chamou mais atenção foi a grande comoção de pessoas amontoadas na frente da casa.

Vários curiosos estavam parados em frente aos portões na expectativa de ter um vislumbre de Henry Siever. Eu deixei cair o queixo.

Uau…

Eu tinha sim uma noção bem aproximada da fama de Henry. Ele era uma das grandes personalidades que mesmo pessoas do meu planeta natal conheceriam o nome. Mas ele sendo um “médico”, e não uma celebridade, eu não esperava que houvesse tanta comoção. Eu realmente pensei que fosse exagero da parte dele quando ele disse que tinha que remover pelo menos quinze pessoas não matriculadas das aulas que ele ministrava todas as vezes.

Mas e agora? Como eu ia entrar? Sequer me aproximar iria ser extremamente difícil. Entrar na casa iria causar uma balbúrdia maior ainda! Todos iriam ficar olhando para mim.

— Henry! — eu chamei pelo Link. Quase imediatamente a imagem projetada de Henry sorrindo apareceu na minha frente no momento em que ele atendeu a ligação.

— Já resolveu o seu credenciamento? — ele perguntou.

— Esqueça o credenciamento! — eu disse compartilhando a imagem da situação a minha frente para que ele pudesse ver o que eu estava vendo. — O que eu devo fazer sobre isso?

Ele observou a multidão em frente a casa por alguns segundos.

— Realmente é uma leve complicação, considerando que você quer manter segredo sobre nós… — Então ele pensou por mais alguns segundos. — Façamos o seguinte. Vamos arrumar uma casa para você também, e deixaremos esta aqui como chamariz. Que tal?

— Você é realmente problemático… — Eu ri. — Onde posso ir para conseguir uma casa?

— Lhe entregaram o guia da academia? Instale-o no seu Link e procure pelo Registro de Imóveis. Lá você pode comprar ou alugar qualquer lugar no anel externo.

Eu fiz como dito. O Registro de Imóveis era um dos prédios administrativos que era responsável pelos dormitórios, estabelecimentos e residências. Assim que cheguei, de novo, o balconista entregou o catálogo para Amelie.

Já que eu não precisava me preocupar com o preço, eu poderia simplesmente comprar qualquer residência em qualquer lugar no anel externo. Mas isso me parecia muito distante e desinteressante. Eu tinha uma eternidade pela frente para aproveitar qualquer tipo de luxo ou riqueza que eu poderia ter herdado dos guardiões. Mas por que a pressa agora?

Escolhi uma suíte comum no alojamento coletivo. Assim eu poderia ver mais pessoas. Após fazer a confirmação, fui conhecer o local. O dormitório era dividido em apartamentos, sendo que cada apartamento tinha cinco suítes e uma área coletiva. Era bastante agradável e aconchegante.

Duas meninas estavam sentadas à mesa conversando quando cheguei.

— Olá! Acabamos de ser informadas! Você deve ser Alésia, a nova colega… — a primeira disse cumprimentando Amelie.

— Na verdade, sou eu… — eu corrigi.

Ela me olhou ligeiramente confusa, mas não vacilou com o sorriso.

— Oh, que interessante! Perdoe a indelicadeza da Isabel… Até eu pensei que fosse uma Brard, mas deve ser pelo menos mestiça, enfim… bem-vinda! Me chamo Briane, — a outra garota disse, se aproximando.

— Muito prazer, eu acho… Porque diz que eu devo ser mestiça? — eu perguntei.

— Ora, é simples questão de lógica: se você fosse completamente Brard, deveria ser jovem demais para ter complexidade mental para cursar artes mágicas. — Isabel explicou. — E estamos nos dormitórios destinados aos praticantes de artes mágicas.

— Entendi… — eu disse lentamente. Também não desmenti o pressuposto dela.

— A sua suite é aquela ali… — Briane disse apontando para uma das portas. — Estaremos saindo daqui a pouco para as aulas. Só voltamos aqui pra te conhecer.

— Ah, claro! Muito obrigada por isso. Eu também tenho hora daqui a pouco.

— Qual sua aula? Eu vou ter Contemplação com o professor Morgan, e você? — disse Isabel.

— Mentalização com Theo Yuri.

— Então podemos ir juntas! — Briane comentou alvoroçada — Também vou pra aula dele.

— Claro, deixe-me apenas… — eu olhei para Amelie. Eu tinha que colocá-la em segurança antes de ir pro sexto anel, — …organizar minhas coisas.

Fui para a suíte que me foi apontada. Era relativamente pequena, comparada ao quarto que eu tinha na casa de Henry em Keret. Era bem menor. Mas comparada ao meu quarto em Sátie, era bem maior.

— Aqui… sente-se. — Eu levei Amelie para a cadeira ao lado da escrivaninha.

— Henry! — eu chamei de novo pelo Link. — Estou te enviando a localização do lugar que eu escolhi.

— Bem modesto. — ele respondeu.

Mas não foi a imagem projetada dele. Ele realmente tinha aparecido ali do meu lado.

— Como chegou aqui? — Eu levei um susto.

— Sério que isso ainda te surpreende? — ele disse se sentando na cama enquanto olhava ao redor.

Eu suspirei resignada.

— Enfim. Pode ficar de olho em Amelie… enquanto… eu vou… para a… aula? — eu mal consegui falar. No momento em que se sentou, Henry me puxou para ele e começou a tentar me beijar. — O que está fazendo na frente dos outros, seu maluco? — eu reclamei sem graça, o empurrando. — E eu tenho aula agora!

— Humpf! — ele resmungou revirando os olhos. — Claro que posso ficar com Amelie. Não tenho mais nenhuma turma para hoje. Pode ir tranquila.

— Obrigada! — Eu agradeci dando um selinho. — Envie minhas coisas para cá também. Nos encontramos mais tarde.

Eu saí da suíte deixando os dois lá dentro. Isabel e Briane não poderiam saber de Henry, então eu não poderia sair com ele ou apresentar ele a elas. Isso seria um choque inimaginável.

Ao menos, finalmente, eu estava indo para minha primeira aula.


Nega Fulor
Leitora compulsiva. Escritora obsessiva. Artista nas horas vagas.
FONTE
Cores: