DNG – Capítulo 2 – 3Lobos

DNG – Capítulo 2

Dark Net Galática

“DNA verificado, ativando sequência de entrada na Dark Net…”

“Conexão bem-sucedida, acessando a internet galática de alta velocidade. Inicializando…”

“Configurações inicializadas, acessando a Dark Net Galática…”

“Login bem-sucedido, bem-vindo à Dark Net Galática.”

A tela inteira mudou de repente e um site estranho apareceu, envolto em uma atmosfera macabra. Havia um ícone em formato de crânio na parte superior da página, com ambos os lados mostrando a velocidade de conexão atual e uma série de números desconhecidos. No centro da página estava escrito Dark Net Galática em uma fonte grande e luminosa, com um botão “Entrar” logo abaixo.

A Dark Net Galática?!

Han ficou chocado. Ele era bem experiente com computadores, então já tinha ouvido falar sobre a rede secreta.

De forma simples, A Dark Net era um nível mais profundo da internet, com sua própria gama de sites ocultos e dados escondidos dentro da própria rede mundial. Assim como num iceberg, a ponta representa os sites que você podia encontrar por meio de um mecanismo de busca tradicional, enquanto o que está abaixo da água representa a Dark Net. As pessoas normais não podiam acessá-la e a maioria nem sequer sabia da existência dela. Mesmo que soubessem, sem os devidos programas, autorizações, e ajuda de hackers especialistas, seria impossível acessar a rede.

E isso não era tudo: a parte mais fascinante sobre a Dark Net era que ela não tinha leis. Coisas como drogas, armas de fogo, armas biológicas, e tudo o mais que era proibido por lei, podia ser negociado abertamente dentro da rede. Nenhum mecanismo de busca conseguia visualizar os dados hospedados na Dark Net, e nem mesmo os policiais disfarçados podiam fazer algo a respeito, porque cada post era anônimo devido ao software que mudava os endereços IP até centenas de vezes por segundo. Então, se alguém quisesse rastrear um site na Dark Net, a curto ou longo prazo, teria que dispender uma grande quantidade de recursos e mão de obra, e mesmo assim seria provável que seus esforços fossem ​​em vão.

No ano passado, houve um caso envolvendo a Dark Net que chamou a atenção do mundo todo. Um dark site chamado Greyscale Grid tinha enviado a localização e detalhes da segurança de todos os carros-fortes das grandes cidades para os criminosos com superpoderes. Estes bandidos então começaram a roubar esses comboios, e foi relatado que eles pagaram uma parte do fruto do roubo para o dono do Greyscale Grid.

Além disso, não era só dinheiro que eles aceitavam, mas também mulheres, arte, jóias, em suma, qualquer objeto que tivessem valor, seja comercial ou mesmo recreativo. Houve outro incidente instigado pela Greyscale, em que uma celebridade feminina de Hollywood foi sequestrada por certas pessoas e forçada a fazer vídeos pornôs, que foram então vendidos na Dark Net. Ocorre que um velho psicótico cheio da grana contatou essas pessoas e pagou a eles uma tonelada de dinheiro para que esta celebridade fosse assassinada numa das filmagens. A mulher foi estuprada e assassinada diante das câmeras, enquanto o vídeo estava sendo transmitido ao vivo. Este assassinato foi realmente um exemplo da natureza ilegal e antiética da Dark Net.

É claro que este horrível incidente enfureceu o mundo, mas era fato notório que o Governo Unificado não tinha a capacidade de monitorar nem investigar nada do que acontecia na Dark Net. Ao invés disso, eles colocaram uma recompensa de MU$ 1.000.000.000 e contrataram uma equipe de hackers de elite, alguns inclusive que estavam entre os melhores do mundo. O caso foi finalmente resolvido, mas com apenas dois criminosos sendo presos, já que o resto desapareceu sem deixar traços.

Após o caso, Han tinha ouvido dizer que os hackers que ajudaram a polícia só fizeram isso porque tinham ressentimentos contra o fundador da Greyscale. Os hackers também possuíam um site semelhante ao Greyscale Grid, mas sofreram perdas enormes por causa do concorrente, então, se não fosse por causa dos conflitos entre os dois grupos criminosos, a polícia não teria chegado nem perto de resolver o caso.

Mas a história não termina aí. Os fundadores dos 12 maiores sites presentes na Dark Web, enojados com tais hackers que ajudaram a polícia, contrataram assassinos de elite e eliminaram todos os traidores na noite seguinte.

Após os três eventos, mesmo às custas de diversas ​​vidas, nenhum conhecimento seguro sobre a Dark Net foi obtido. Ela ainda era tão insondável e misteriosa como antes, operando sob a sua própria mortalha sombria.

O que a mãe de Han deixou de presente era, em verdade, um passaporte para a Dark Net, e não apenas à rede na Terra, mas aquela que se espalhava por toda a galáxia! A maioria dos criminosos infames e hackers da galáxia estavam reunidos no mundo sem lei da Dark Net!

Uma empolgação súbita veio depois de surpresa, mas a dúvida tomou conta depois da empolgação. Han não entendia por que sua mãe tinha deixado ele com tal coisa. Seria ela uma hacker? Olhando para o retrato de sua mãe na parede, mesmo que ela fosse um deles, ainda havia sido ela que lhe oferecera carinho e amor incondicional. Ela sendo uma hacker ou não, fazia diferença? Agora que sua mãe o tinha deixado com o passaporte da Dark Net Galática (DNG), ele devia fazer bom uso dele e não a desapontar. Naquele momento, Han clicou de leve no botão “Entrar”.

De acordo com o padrão da Dark Net, mesmo que Han estivesse conectado à DNG, se ele quisesse entrar nas diversas lojas ou sites da rede ele ainda precisaria dos IP galáticos respectivos, além de um convite. Mas claro, nem todos os sites tinham essa regra. Alguns dos sites e lojas recém-criados ou de menor potencial ofensivo estavam desesperados por mais visualizações e a DNG podia ajudar a trazer tráfego, resultando assim em ampla publicidade.

“Você precisa de poções mentais da série Spider? Poções de tortura, alucinação, poções mistas, bela adormecida, etc.”

“Armas laser à venda! Mísseis e armas nucleares também! Compre 2 e ganhe 1 de brinde!”

“Escrava sexy do Planeta Bai Shawa, você merece!”

“Assassino profissional, não faz distinção entre homens, mulheres e crianças. Se eu não conseguir matar, devolvo o triplo do valor!”

Han olhou para os anúncios dos sites sem restrição e não teve com não ficar deprimido. Isto era a Dark Net Galática afinal, o nível de insanidade ia muito além do da Dark Net da Terra.

Han clicou aleatoriamente em uma das escravas à venda e a página mudou rapidamente, passando a mostrar várias webcams, cada uma com a câmera direcionada para uma escrava. As mulheres estavam trancadas em pequenas jaulas e usavam roupas reveladoras que acentuavam seus corpos irresistíveis. O design do website era muito ‘humano’, por assim dizer. Os clientes podiam dar ordens às escravas que escolhessem, indo de simplesmente dar uma voltinha para exibir seus corpos até se despir ou mesmo realizar algum ato obsceno.

Um escravo mediano custaria entre 5 a 10 mil Galacticoins (G$)¹, e quaisquer raças raras ou de classe nobre poderiam custar centenas de milhares de Galacticoins. Em vez de comprar você poderia também alugar, à curto ou à longo prazo. Todos os escravos usavam pulseiras de monitoramento constante, e se os mestres quisessem torturar seus escravos, só teriam que pagar mais para isso. Ainda o mais desumano era que os escravos também podiam ser vendidos em partes: um rim valia G$ 3500, enquanto que o coração era um pouco mais caro, G$ 4200, e a compra de três ou mais partes do corpo em conjunto ensejaria um belo desconto ao comprador.

Cruel demais. A mais velha dentre as escravas certamente não teria muito mais que 20 anos, enquanto que as mais jovens ainda eram crianças, todas trancadas dentro de jaulas desumanas e usando uma coleira elétrica. Tão lamentável e vergonhoso, vidas tomadas pelo desespero que ninguém conseguiria imaginar.

Embora houvesse muitas garotas atraentes entre as escravas, Han decidiu sair daquele site e foi para outra loja, que focava na venda de armas de fogo e munições.

 

¹TL: O nome original era Galactic Currency, ou seja, moeda galática. No português tanto a moeda física de metal – coin – quanto a moeda que circula por um país – currency – são representadas pela mesma palavra, não havendo muitas alternativas de tradução. Entretanto, na prática as moedas têm nomes próprios, que nem sempre fazem referência a algo. Real, Won, Yen, Dollar, e até o Euro, que por mais que seja a primeira parte do nome do continente, ainda soa como algo único. Galacs seria a minha opção, mas como eu ficaria salivando pelo chocolate de nome homófono enquanto estivesse fazendo a tradução, Galacticoins ficou como a tradução oficial. Que aliás, a meu ver, é muito melhor do que Galactic Currency.

Vermillion
Domina Inglês e Português. Spymaster nas horas vagas.
FONTE
Cores: