Arifureta – Volume 1 – Capítulo 3 (Parte 3 de 9) – 3Lobos

Arifureta – Volume 1 – Capítulo 3 (Parte 3 de 9)

Capítulo III: A Princesa Vampira Dourada (Parte 3 de 9)

 

Suor frio escorreu das costas do Hajime quando ele se manteve no ar usando consecutivamente a Aerodinâmica. Mas seu sorriso destemido nunca deixou o seu rosto, a despeito do quão facilmente ele estava ficando encurralado.

— Manda ver! — Ele se manteve no ar com a Aerodinâmica, sempre se movimentando de um lugar para o outro, enquanto esperava o tubarão atacar mais uma vez.

Seus poderes de concentração, que ele tinha aperfeiçoado mediante semanas de transmutação incessante, o serviram muito bem aqui. Quando ele se concentrou, seu redor se tornou lentamente mais claro, e ele pôde até distinguir as cores.

E daí se não posso o encontrar com o Sentir Presença? Em primeiro lugar, lidei muito bem sozinho mesmo quando eu não o tinha. Mesmo que não consiga o ver onde está, ele tem de se mostrar quando ataca. Concentrado, o Hajime se moveu para saltar uma vez mais, mas, quando o fez, sua base ficou instável e perdeu seu equilíbrio quando saltou. O tubarão não era do tipo que deixaria essa oportunidade escapar. Ele saltou por detrás do Hajime, bem onde era seu ponto cego.

— Bem, estou feliz que seja tão ingênuo! — Sua suposta falha de equilíbrio subitamente foi restabelecida, e ele saltou para o lado, evitando o ataque do tubarão. Ao mesmo tempo, ele moveu sua mão direita, com o Donner ainda segurado firmemente, em direção ao tubarão.

Um corte enorme apareceu no flanco do tubarão, e sangue jorrou para todo lado enquanto ele caía de volta no alcatrão. Ele nadou sem rumo no alcatrão, se debatendo de dor.

O Hajime tinha fingido propositadamente perder o equilíbrio, a fim de atrair o ataque do tubarão ao seu ponto cego. Então ele tinha envolvido a magia especial do Garrurso, Garra Ventânica, ao redor do Donner quando ele o moveu.

O Hajime voou sobre o tubarão descontrolado e moveu o Donner para sua cabeça. A Garra Ventânica dividiu a cabeça completamente em dois. Embora ele tivesse apenas uma garra em vez de três, seu corte era incomparável. Era a habilidade perfeita para o combate corpo-a-corpo.

— Então, agora, hora de descobrir por que não fui capaz de sentir sua presença. — O Hajime lambeu os lábios de uma forma predatória quando disse isso.

Ele guardou a carne do tubarão em sua bolsa, depois continuou a busca. Ele encontrou a saída para o próximo piso em pouco tempo, e desceu ao nível inferior.



Hajime Nagumo / Idade: 17 / Homem / Nível: 24

Classe: Sinergista

Força: 450

Vitalidade: 550

Defesa: 400

Agilidade: 550

Magia: 500

Defesa Mágica: 500

Habilidades: Transmutar [+Avaliação de Minério] [+Transmutação Precisa] [+Percepção de Minério] [+Decomposição de Minério] [+Junção de Minério] — Manipulação de Mana — Estômago de Ferro — Campo Elétrico — Dança Aérea [+Aerodinâmica] [+Passo Supersônico] — Garra Ventânica — Visão Noturna — Sentir Presença — Ocultar Presença — Resistência a Petrificação — Compreensão de Linguagem



O Hajime continuou conquistando o labirinto.

Ele desceu piso após piso, até que ele já tivesse passado outros 50 pisos além daquele que tinha o Tubarão de Alcatrão. Ele tinha perdido toda noção do tempo abaixo na masmorra, e não tinha forma de adivinhar quantos dias tinham passado. Embora ainda levasse tempo, ficou claro que ele estava progredindo pelo labirinto em um ritmo ridiculamente acelerado.

Enquanto progredia, ele tinha sobrevivido a inúmeros encontros com a morte e teve que lutar contra todos tipos de monstros incrivelmente poderosos.

Entre eles houve um sapo enorme de cor arco-íris que podia cuspir veneno e uma mariposa gigante que, curiosamente, parecia muito com um Butterfree. O sapo ele tinha encontrado no piso que tinha uma névoa venenosa tênue espalhada por todo o lugar, e a mariposa tinha a capacidade de espalhar suas escamas através do ar. Escamas que paralisavam tudo o que elas tocavam. Se não fosse pela Ambrósia que ele estava constantemente bebendo, o Hajime teria morrido inúmeras vezes vasculhando o labirinto.

O cuspe venenoso do sapo tinha assaltado seu sistema nervoso e doído quase tão fortemente quanto da primeira vez que ele tinha comido carne de monstro. Foi apenas o frasco pequeno de Ambrósia que ele manteve preso aos seus dentes de trás que tinha o salvado. O frasco que ele tinha anexado foi construído com uma pedra fraca que podia ser quebrada com uma única dentada. Ele foi eternamente grato por ter preparado isso como um último recurso para situações de emergência.

Ele tinha, obviamente, comido tanto a mariposa quanto o sapo. Ele tinha tido algumas reservas em comer a mariposa, mas ele se lembrou que isso tinha o objetivo de o deixar mais forte, o que ajudou a engolir aquela refeição. O Hajime tinha se lembrado de se sentir um pouco irritado por ter descoberto que o sapo tinha realmente um sabor melhor que os outros monstros até agora.

E apesar de estar no subsolo, ele tinha ainda passado por um piso que se parecia com a Selva Amazônica. Ele tinha sido incrivelmente úmido e o ar pesado pairava à sua volta. Esse tinha sido de longe o pior piso que ele tinha atravessado. Os monstros que ele tinha enfrentado nesse piso tinha sido centopeias gigantes e árvores vivas.

Mesmo durão como ele era para a maioria das coisas, até o Hajime tinha ficado completamente assustado quando uma centopeia gigante havia caído de cima de um galho de árvore. Era a coisa mais nojenta que ele já tinha visto. E a centopeia também tinha se divido em vários segmentos para o atacar. O que ele tinha acreditado que fosse só um inimigo, repentinamente se dividiu em trinta, como um exército de baratas saindo de uma cozinha particularmente nojenta.

O Hajime tinha disparado o Donner o mais rápido que podia para os destruir, mas infelizmente haviam muitos. Como recarregar teria levado tempo demais, ele se resignou os massacrar com sua Garra Ventânica. Porém, mesmo isso não foi o suficiente para derrotar todos, então ele teve de recorrer aos chutes, que não era nem um pouco seu forte. Quando essa batalha finalmente terminou, o Hajime tinha jurado para si mesmo que iria se esforçar para melhorar o seu tempo de recarga e habilidades de chute. Ele estava farto de ser banhado pelo sangue roxo nojento da centopeia.

Os monstros árvores desse piso eram basicamente os Arvorosos que ele tinha visto em RPGs. Eles usavam suas raízes para atacar do subsolo, ao mesmo tempo que sacudiam seus ramos como chicotes.

Entretanto, a verdadeira força desses Arvorosos falsos não residia em tais habilidades simples. Quando eles ficavam com problemas, começariam a balançar a cabeça loucamente, lançando frutas carmesins contra seus inimigos. As frutas que eles jogavam não machucavam, e só para testar, o Hajime tinha tentado comer uma. Quando o fez, ele tinha ficado enraizado no lugar por quase uma hora. A fruta não continha qualquer veneno. De fato, tinha um sabor delicioso. Era doce e refrescante, como uma melancia. Apesar das expectativas, não era nada como uma maça.

O fato de que o piso era o mais desagradável que tinha encontrado até ali escapou da cabeça do Hajime. Até a sua determinação para conquistar o labirinto deixou sua mente temporariamente. Foi a primeira vez que ele havia comido algo além de carne de monstro em meses. Seus olhos se tornaram como os de um caçador, e ele passou um bom tempo caçando os Arvorosos falsos. Na hora em que seu desejo pelas frutas deles tinha sido finalmente saciado, os Arvorosos tinham sido caçados quase a extinção.

E então, ele continuou progredindo através dos pisos até ter passado 50 deles antes que percebesse. E o labirinto ainda continuava descendente infinitamente. Para constar, as estatísticas atuais do Hajime se pareciam com isso.



Hajime Nagumo / Idade: 17 / Homem / Nível: 24

Classe: Sinergista

Força: 880

Vitalidade: 970

Defesa: 860

Agilidade: 1040

Magia: 760

Defesa Mágica: 760

Habilidades: Transmutar [+Avaliação de Minério] [+Transmutação Precisa] [+Percepção de Minério] [+Decomposição de Minério] [+Junção de Minério] [+Transmutação Duplicada] — Manipulação de Mana — Estômago de Ferro — Campo Elétrico — Dança Aérea [+Aerodinâmica] [+Passo Supersônico] [+Pernas de Aço] — Garra Ventânica — Visão Noturna — Vistálem — Sentir Presença — Detectar Magia — Ocultar Presença — Resistência a Veneno — Resistência a Paralisia — Resistência a Petrificação — Compreensão de Linguagem



Ele passou um tempo na base que ele tinha criado para esse piso, o quinquagésimo desde o Tubarão de Alcatrão, treinando seu disparo, chute e habilidades de transmutação. Ele já tinha descoberto a escada que levava ao próximo piso, mas havia um local nesse piso que parecia claramente diferente para ele. Uma atmosfera sinistra parecia permear o espaço em torno dele.


KakaSplatT
Técnico em eletromecânica e tradutor quando possível…
FONTE
Cores: