Arifureta – Volume 1 – Capítulo 1 (Parte 10 de 17) – 3Lobos

Arifureta – Volume 1 – Capítulo 1 (Parte 10 de 17)

Capítulo 1: Invocado a Outro Mundo com uma Classe Comum (Parte 10 de 17)

 

Eles conversaram por mais algum tempo, e depois a Kaori voltou para seu quarto. Quando o Hajime finalmente deitou na cama, sua mente estava a todo vapor. Ele tinha que encontrar alguma coisa que pudesse fazer a todo custo, e se livrar do estigma de “inútil”. Ele não poderia ficar protegido como uma princesa para sempre. O Hajime renovou sua determinação quando começou a adormecer.

A Kaori tinha retornado ao seu próprio quarto depois de deixar o do Hajime. Uma figura escondida nas sombras a viu quando ela saiu do quarto dele e foi para o seu próprio. Ninguém estava lá para ver… quando seu rosto se retorceu em uma expressão horrível.

Na manhã seguinte, todo mundo se apresentou na praça que servia como a entrada para o Grande Labirinto Orcus suficientemente cedo a ponto de o sol ainda nem ter nascido.

Os alunos estavam todos cheios de ansiedade e curiosidade, metade de cada. O Hajime, no entanto, tinha uma expressão mais complexa no rosto. Ele também estava um pouco empolgado e nervoso sobre a sua primeira excursão em uma masmorra, mas quando ele viu como a entrada do Grande Labirinto Orcus se parecia, um pouco da sua empolgação desvaneceu.

O que o Hajime tinha esperado era uma entrada de caverna normal que seguia até as profundezas escuras desconhecidas. Todavia, a visão com a qual ele se deparou era algo que parecia mais uma espécie de entrada de um museu, completo com seu próprio balcão de recepcionista. Uma garota uniformizada estava verificando as pessoas que entravam e saiam do labirinto com um sorriso. Parecia que a placa de status de todo mundo era verificada na entrada. Desse modo, o número de vítimas poderia ser contado com precisão. Com a ameaça de guerra iminente em alta, o governo queria evitar perder muitos homens, então eles implementaram essa política como uma de suas contramedidas.

Numerosas barracas estavam alinhadas na praça em torno da entrada, e os mercadores competiam entre si para exibir os seus produtos. Parecia quase como um festival.

Os labirintos menos profundos, que não tinham tantos pisos, eram populares entre os mercadores, já que as pessoas naturalmente se reuniam lá. As pessoas presentes variavam entre aventureiros exaltados que falavam muito, mas perdiam as vidas no labirinto, e criminosos que operavam nos becos reclusos e outros locais desagradáveis. Dado que o governo estava se preparando para a guerra, eles não queriam desperdiçar recursos demais tratando desses problemas, então eles cooperavam com as guildas de aventureiros locais para manter a área segura. Pessoas estavam vendendo os seus produtos por todo o caminho até a mesa da recepção da entrada, que, de certa forma, fazia a vida mais fácil para os aventureiros que estavam partindo para as profundezas do labirinto.

O Hajime se recompôs e coçou a cabeça quando olhou em volta, vendo todos os outros alunos abobados como caipiras enquanto seguiam o Capitão Meld em fila única, parecendo uma fila de patinhos.

Uma vez dentro, a atmosfera viva que tinha os cercados ainda há pouco desapareceu. Diante deles estava uma passagem que tinha um pouco mais de cinco metros de largura. Embora não houvesse fonte luminosa evidente, todo o labirinto estava vagamente iluminado, o suficiente para que alguém pudesse distinguir seus arredores sem a ajuda de uma tocha ou item mágico. Na verdade, as passagens estavam todas iluminadas por um mineral especial chamado de luminopedra verde que estava dentro das paredes. Todo o Grande Labirinto Orcus era na verdade uma veia escavada de minério luminopedra verde.

O grupo todo se enfileirou e avançou lentamente pelo labirinto. Após alguns minutos tranquilos, a passagem que eles iam descendo se transformou em uma grande praça.

Se elevando a sete ou oito metros acima deles estava um teto em forma de abóbada. Os estudantes estavam todos olhando à volta curiosamente, quando de repente, uma série de criaturas cinzentas semelhantes a bolas de pelos saltaram para fora das fendas na parede.

— Certo, Kouki, sua equipe à frente! Todo o resto para trás! Farei vocês trocarem depois de algum tempo, então fiquem atentos! Esses monstros são chamados de Homens-rato! Eles são rápidos com os pés, mas não são tão fortes. Se mantenham calmos enquanto lutam!

Como o Capitão Meld tinha dito, os Homens-rato eram muito rápidos, e correram para eles com uma agilidade alarmante. Pares de olhos vermelho-escuros brilhavam com uma luz sinistra dentro das bolas de pelo. Seu nome era bastante adequado, já que eles pareciam musculosos ratos gigantes… que andavam sobre dois pés. Apenas a área à volta dos seus peitos definidos e os oito gomos impressionantes estavam desprovidos de pelos, praticamente como se eles estivessem os exibindo.

O grupo do Kouki, que estava os enfrentando de frente, fizeram uma careta quando deram uma boa olhada, especialmente a Shizuku, que estava de pé na frente. Eles certamente pareciam nojentos.

Quando os Homens-rato entraram no alcance, o Kouki, a Shizuku e o Ryutarou atacaram todos ao mesmo tempo. Enquanto isso, a Kaori e duas de suas amigas mais próximas, a Eri Nakamura usando óculos e a infantil e enérgica Suzu Taniguchi, começaram a entoar seus feitiços. Elas estavam preparando suas magias. Essa era a formação de base que elas tinham praticado durante o treinamento.

O Kouki brandiu sua espada bastarda mais rápido que os olhos podiam acompanhar, e abateu um monte deles com seu primeiro movimento. Sua espada era um dos artefatos que tinham estado guardados na tesouraria, e tinha o nome bastante clichê de “A Espada Sagrada”. Ela era abençoada com o elemento luz, que tinha as doentias propriedades eficientes de simultaneamente enfraquecer os inimigos que eram atingidos pela luz emitida, ao mesmo tempo que aumentava a sua própria força física. Certamente jogava sujo para uma espada “sagrada”.

O Ryutarou, por outro lado, tinha a classe de Monge, que era uma classe de artes marciais que lutava com os punhos. Ele estava equipado com um par de luvas e grevas. Elas também eram artefatos, e eram capazes de desencadear ondas de choque encantadas. Elas também eram inquebráveis. O Ryutarou tomou uma postura e derrotava esplendidamente com socos e chutes qualquer inimigo que chegava perto, não deixando um único passar. Apesar de estar praticamente de mãos vazias, sua enorme estrutura o fazia parecer um cavaleiro armadurado pesado.

A Shizuku, enquanto isso, possuía a classe de Espadachim, que caía perfeitamente para uma garota samurai como ela. Ela empunhava uma lâmina que era uma mistura de katana com cimitarra, e fazia um trabalho rápido com suas habilidades ágeis de corte, com qualquer inimigo que chegava ao alcance de sua espada. Ela tinha aperfeiçoado sua esgrima ainda mais desde que chegou em Tortus, e até já tinha ganhado a admiração de muitos dos cavaleiros. Enquanto todos estavam ocupados vendo o Kouki e os outros lutando, as garotas na retaguarda terminaram seus cânticos.

— Chamas mais escuras que o breu, rodopiem sobre vossos inimigos! Queimem até que nada mais além das suas cinzas permaneçam, Chama Espiral!

Elas lançaram o feitiço em uníssono, e um enorme tornado de chamas envolveu os Homens-rato, queimando eles à exaustão. Os Homens-rato gritaram com dor, se debatendo loucamente até que as chamas sobre eles os reduziram a cinzas. Em um piscar de olhos, todos os Homens-rato tinham sido aniquilados. Os outros estudantes não tiveram sequer a oportunidade de lutar. Parecia que os monstros do primeiro piso eram fracos demais para sequer dar trabalho ao grupo do Kouki.

— Uou, parabéns! Certo, o restante de vocês serão os próximos, então não afrouxem ainda!

O Capitão Meld recordou a turma para não abaixarem a guarda, embora ele estivesse sorrindo, impressionado com a proeza deles. Ainda assim, ele não pôde impedir os estudantes de ficarem empolgados quanto à sua primeira expedição a masmorra para eliminação de monstros. Ele encolheu os ombros impotente quando ele viu os estudantes eclodindo em sorrisos.

— Ah, e… por enquanto não precisem se preocupar com isso já que é um treinamento, mas no futuro, tentem matar seus inimigos de uma forma que preserve os seus cristais de mana. O que fizeram ali foi exagerado.

A Kaori e as outras coraram com as palavras do Capitão Meld, percebendo que foram longe demais. A partir daí a classe avançou sem problemas através dos pisos do labirinto, rotacionando a vanguarda entre as batalhas.

Eventualmente, eles chegaram no vigésimo piso, o piso que separava os aventureiros habilidosos dos amadores. Atualmente, o piso mais profundo que as pessoas tinham conseguido chegar era o piso sessenta e cinco. Contudo, esse foi um feito lendário que não tinha sido replicado mais, então, nos últimos tempos, alguém que conseguisse superar os primeiros vinte pisos era considerado um combatente altamente qualificado. Alguém que superasse os primeiros quarenta era super-humano.

Com o Kouki na vanguarda, os estudantes foram capazes de avançar facilmente através dos pisos. Embora tivessem pouca experiência em combate, suas habilidades roubadas compensavam plenamente. Os inimigos mais perigosos que os alunos enfrentaram eram na verdade as armadilhas espalhadas por lá. Algumas delas eram até mesmo letais.

A contramedida mais comum para armadilhas era algo conhecido como Lente Justa. Uma Lente Justa era uma ferramenta útil para detectar armadilhas pela leitura do fluxo de mana. A maioria das armadilhas no labirinto era de natureza mágica, então uma Lente Justa detectava cerca de 80% delas. No entanto, a Lente possuía um alcance muito limitado, por isso era efetivo apenas nas mãos de um usuário experiente.

Sendo assim, a verdadeira razão do Hajime e os outros serem capazes de descer tão suavemente era por causa de quão bem os mentores cavaleiros estavam os guiando. O Capitão Meld também frequentemente recordava os alunos para jamais entrarem em uma sala que não tinha sido vasculhada por armadilhas primeiro.

— Muito bem pessoal, a partir desse ponto, os monstros não virão a vocês só em uma espécie por vez. Eles irão se coordenar e atacar em grandes grupos. Não baixem sua guarda só porque tivemos nada além de vitórias fáceis até agora! O treinamento de hoje será concluído uma vez que limparmos o vigésimo piso, por isso, vamos acabar tudo com um estrondo! — A voz do Capitão Meld ecoou por todo o recinto.


KakaSplatT
Técnico em eletromecânica e tradutor quando possível…
FONTE
Cores: